sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

QUEM NÃO SOFREU DECEPÇÕES ATIRE A PRIMEIRA PEDRA


QUEM NÃO SOFREU DECEPÇÕES ATIRE A PRIMEIRA PEDRA

Certamente não existe um ser humano neste planeta que já não tenha passado em algum momento de sua vida por decepção. A decepção, na verdade, é deixar-se surpreender em algum momento na vida, pela atitude, reação ou comportamento de alguém. Quando, por exemplo, uma pessoa age dentro do seu padrão natural, não há surpresa, não há decepção. O problema se torna real quando a atitude parece fora do comportamento natural esperado.

As decepções acontecem em diversas áreas da vida, seja no âmbito familiar ou na sociedade, no meio profissional ou político, todos se decepcionam ou causam decepções. Quantos milhares de brasileiros não estão vivendo momentos extremos de decepção atualmente?

A Bíblia menciona algumas decepções entre pessoas e até mesmo entre pessoas e Deus. Entre pessoas por esperarem delas algo que deixam a desejar, seja por ação ou por se omissão. Pessoas há que se decepcionam até mesmo com Deus, pois inúmeras vezes esperam respostas às suas orações e não obtém a resposta divina como esperavam.

A Bíblia menciona Samuel que era um profeta, sacerdote e juiz que fazia tudo por seu povo. Após tantos serviços prestados, o povo lhe pediu um rei, que não fosse ele, nem seus filhos. "Vê, já estás velho, e teus filhos não andam pelos teus caminhos; constitui-nos, pois, agora, um rei sobre nós, para que nos governe, como o têm todas as nações", (1Sm 8.5).

Paulo teve muitos auxiliares. Alguns deles, como Fígelo e Hermógenes (2Timóteo 1.15), Demas (2Timóteo 4.10) e João Marcos (Atos 15.37) o abandonaram, infligindo muito sofrimento ao apóstolo.

Só se decepciona com as pessoas, quem se relaciona com as pessoas. Quem não quer se decepcionar não deve se relacionar. Todos devemos possuir a devida maturidade para enfrentarmos e administrarmos das situações que nos surgem no dia a dia, afinal lidamos com pessoas que são falhas e imperfeitas. Não nos esqueçamos que decepcionar é da condição e natureza humana. Por esta razão, Deus nos ensina a nos relacionarmos com os homens, mas não a confiar neles. Jeremias pode não ser politicamente correto, mas é correto em todos os outros níveis, ao declarar: "Maldito é o homem que confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força", (Jr 17.5). Há algo em nós que precisa de cuidado. Parte de nossas frustrações relacionais advém de erros que nós cometemos, não de falhas dos outros para conosco. Devemos ter a visão correta da natureza humana. Não nos esqueçamos que, muitas vezes, somos os agentes causadores da decepção.

Um dos comportamentos produtores de decepção é a expectativa errada acerca dos outros. Esperamos demais das pessoas, esperando delas o que não podem dar. Pais que esperam demais dos seus filhos. Filhos que esperam demais dos seus pais. Jesus sentiu na pele sua decepção para com os homens, quando da cura dos dez leprosos. Daqueles que receberam a cura, somente um voltou para agradecer. Jesus, que conhecia a alma humana, mostrou aos seus discípulos o que é a natureza humana (Lucas 17.17). 

Depois de ter servido por anos ao seu povo, Samuel esperava reconhecimento pelo seu trabalho. Não esperava ser descartado como um velho. Não esperava que seu modo de governar fosse substituído por outro. Samuel se esqueceu do que é a natureza humana.

A decepção sempre causa consequências, seja para o causador, ou para o que sofre. Para o que provoca decepção, quase sempre, não lhe acontece nada. Ele decepciona hoje, amanhã, e segue a sua vida, como se nada tivesse acontecido. Mas dificilmente é o mesmo para o que sofre, afinal dizem que: “quem bate esquece...”. A experiência da decepção pode produzir ódio, ressentimento, esgotamento e outras consequências.

Decepcionado com Jacó, que o enganou, Esaú ficou decepcionado com o irmão, que fugiu de casa (Gênesis 27.41). Esaú passou o resto da vida ressentido, desejando matá-lo. Ele nunca foi feliz, embora tentasse, por lhe ter faltado arrependimento, (Hebreus 12.17).

Equivocadamente decepcionado com Deus, que aceitou o arrependimento de Nínive, Jonas deixou a cidade, fez uma cabana escondida e entrou nela, para não ver ninguém (Jonas 4.5). A decepção de Jonas provocou nele um esgotamento espiritual e relacional. O esgotamento relacional tem a ver com uma espécie de descrença generalizada no ser humano.

Se o preço da decepção é alto, é mais alto ainda o preço do isolamento, da falta de relacionarmos.  Após a ingratidão dos nove leprosos (Lucas 17.17), Jesus continuou a curar. Ele não desistiu de fazer o bem. Paulo apóstolo, teve uma experiência que muito nos ensina. A Bíblia nos diz que João Marcos, o sobrinho de Barnabé (Cl 4.10), foi um dos que o decepcionaram (Atos 15.39), mas, anos depois, pediu a Timóteo: “Traga Marcos com você, porque ele me é útil para o ministério”, (2Tm 4.11). Paulo aceitou o desafio de voltar a confiar em Marcos, tornando-se de novo seu cooperador (Fp 2.4). Aquele que o abandonara era agora um cooperador de grande valor.


Nenhum de nós está isento de sofrer decepções, porém, jamais devemos nos deixar dominar pelas suas consequências. Vivamos normalmente a vida, nos relacionando com as pessoas, afinal não vivemos sozinhos no mundo dependemos uns dos outros.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

Morte de comandante do Irã e conflito com os EUA podem afetar os cristãos no Iraque

Morte de comandante do Irã e conflito com os EUA podem afetar os cristãos no Iraque

Irã prometeu vingança contra EUA e Israel após a morte do general Qassem Soleimani, principal figura de inteligência militar do país


Manifestantes protestam no Irã contra a morte do general Qassem Soleimani no Iraque. (Foto: West Asia News Agency/Nazanin Tabatabaee via Reuters)
Manifestantes protestam no Irã contra a morte do general Qassem Soleimani no Iraque. (Foto: West Asia News Agency/Nazanin Tabatabaee via Reuters)

O Irã prometeu uma vingança severa nesta sexta-feira (3), depois que um ataque aéreo dos EUA em Bagdá matou Qassem Soleimani, chefe de uma unidade especial da Guarda Revolucionária do Irã e arquiteto de sua crescente influência militar no Oriente Médio.

O general Soleimani tinha 62 anos e era considerado a segunda figura mais poderosa do Irã, depois do líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei.

O Pentágono disse que a ordem do ataque partiu do presidente Donald Trump, a fim de deter planos de futuros ataques iranianos.

No Twitter, Trump disse que Soleimani “matou e feriu gravemente milhares de americanos por um longo tempo e planejava matar muitos mais”.

O bombardeio, que ocorreu no Aeroporto Internacional de Bagdá, também matou Abu Mahdi al-Muhandis, chefe das Forças de Mobilização Popular do Iraque, milícia apoiada pelo Irã.

Khamenei disse que a morte de Soleimani irá dobrar a resistência contra os EUA e Israel. “Todos os inimigos devem saber que a jihad de resistência continuará com uma motivação dobrada, e uma vitória definitiva aguarda os combatentes na guerra santa”, disse Khamenei em comunicado divulgado pela TV.

Israel colocou seu exército em alerta máximo e, aliados dos EUA na Europa, como Grã-Bretanha, França e Alemanha, manifestaram preocupação com a escalada das tensões.

A embaixada dos EUA em Bagdá pediu a todos os cidadãos americanos que deixassem o Iraque imediatamente. Dezenas de americanos que trabalham para empresas petrolíferas estrangeiras na cidade de Basra, no sul do Iraque, estavam deixando o país.

Os preços do petróleo saltaram mais de US$ 3 por barril devido à preocupação com a interrupção do fornecimento no Oriente Médio


Qassem Soleimani, chefe da Guarda Revolucionária Iraniana, em foto de 2016. (Foto: Gabinete do Líder Supremo Iraniano via AP)

As mortes ocorrem em meio a uma escalada de tensão entre os dois países. Na semana passada, um funcionário americano morreu em um bombardeio com foguetes. Na terça (31), milicianos iraquianos invadiram a embaixada dos EUA em Bagdá. O Pentágono afirmou que Soleimani teria aprovado os ataques à embaixada.

Cristãos em meio aos conflitos
De acordo com a organização International Christian Concern (ICC),  as Forças de Mobilização Popular do Iraque — milícias apoiadas pelos iranianos — ajudaram a derrotar o Estado Islâmico no Iraque, mas têm desenvolvido uma reputação de corrupção e abusos dos direitos humanos.

“Dentro do Iraque, nas Planícies de Nínive, eles tomaram o lugar do Estado Islâmico na perseguição aos cristãos”, informou a ICC.

Claire Evans, gerente regional da ICC para o Oriente Médio, disse a morte dos líderes iranianos pode iniciar “uma nova década” para o Oriente Médio. “As consequências regionais são consideráveis e afetam todos os lugares. Para os cristãos iraquianos que já sentiram o peso da agressão da milícia, as implicações desses ataques provocam um mix de emoções. Muitos aguardam com uma expectativa temerosa para ver o que o futuro aguarda”.

“Eu não estou feliz pelo assassinato de al-Muhandis e Soleimani porque eu sei que toda ação tem reação”, disse uma cristã iraquiana à ICC. “Há resultados políticos para o incidente e tudo ficará no Iraque. Os iraquianos vão sofrer com uma possível guerra entre os EUA e Irã. Espero não perder mais amigos e parentes devido à guerra”.

Outro iraquiano cristão acrescentou: “Isso deveria ter sido feito anos atrás. Eu sei que os EUA esperaram muito tempo para ter uma boa razão para alvejá-los. Os EUA nunca poderiam ter feito isso a menos que eles visassem a embaixada. Mas nós devemos considerar a quantidade de armas que essas milícias têm antes de cometer um grande crime como esse. A milícia vai ficar com raiva e usar suas armas para se vingar, mas haverá mais vítimas e pessoas inocentes mortas”

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO G1, REUTERS E ICC

terça-feira, 31 de dezembro de 2019

2020, ANO NOVO E NOVOS DESAFIOS




2020, ANO NOVO E NOVOS DESAFIOS

“Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo das coisas que atrás ficam e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”, (Fp 3.13 e 14).

Estamos findando o ano de 2019 e já vivendo o clima de expectativas de um ano novo. Certamente que nos esperam novos propósitos e desafios. Normalmente a época é propícia para celebrações, festas, jantares de confraternizações, viagens enfim. Mas é também momento em que as pessoas fazem o balanço de como foi o ano findo, se seus projetos foram alcançados ou não, se ganharam ou perderam dinheiro e bens, se tiveram mais menos alegria, etc. É comum também nesta época, as pessoas limparem as gavetas das escrivaninhas em seu local de trabalho, ou nos escritórios em casa, e jogarem pelas janelas toda a papelada querendo proclamar que no ano novo tudo realmente deverá ser novo.

Nesse contexto quero sugerir três atitudes que todos deveríamos ter para o ano de 2020   

Primeiro: Procure esquecer das coisas que não valem a pena serem lembradas. Quem não atravessou durante o ano findo situações desagradáveis? Seja na área profissional, sentimental, familiar, seja no seu círculo de amizades, enfim? Todos enfrentamos nosso leão de cada dia, do qual não podemos fugir. Sofremos decepções constantemente, as coisas nem sempre ocorrem como esperamos, o dinheiro é sempre aquém das nossas necessidades, a promoção tão esperada veio para colegas, mas não para nós?   funcionários mais competentes e fiéis foram os que mais deram prejuízos? As doenças e hospitais foram constantes na família, filhos causaram tristezas e danos, pessoas queridas foram sepultadas, os carros não saíram da oficina, os acidentes foram muitos, os amigos abandonaram, lares desmoronados, etc. ufa!!!  Tantas coisas aconteceram que você diz: “Espero que o ano de 2020 seja diferente, quero esquecer”. Sim e realmente fatos desagradáveis que em nada contribuem devem ser deixados para trás, como diz Paulo no texto acima: “... mas uma coisa faço, e é que, esquecendo das coisas que atrás ficam...”,

Segundo: Procure lembrar das coisas que jamais devem ser esquecidas. Porém, com certeza, o ano de 2019 não foi somente de tristezas e decepções. Existem inúmeras razões pelas quais devemos ser agradecidos, afinal é bíblico: “Sede agradecidos”. Se somos prontos em reclamarmos de ocorrências negativas devemos de igual modo sermos gratos pelos momentos e circunstancias que nos trouxeram alegrias, sucesso, promoção, destaque, lucros financeiros, aquisição de bens, devemos nos lembrar de todo o bem que Deus concede graciosamente, como a paz, a saúde, a família que é nosso bem maior, o pão nosso de cada dia. Temos muito o que lembrar, pois Deus em sua fidelidade tem suprido cada um de seus filhos. Atente para as palavras do salmista:    

“Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que há em mim bendiga o seu santo nome.
Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios. Ele é o que perdoa todas as tuas iniquidades, que sara todas as tuas enfermidades, que redime a tua vida da perdição; que te coroa de benignidade e de misericórdia, que farta a tua boca de bens, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia”, (Salmos 103.1-5).

Terceiro: Procure avançar sempre e incansavelmente rumo aos seus alvos. E por último, tenha metas, alvos, propósitos e seja determinado em seguir cada um deles. As pessoas geralmente prosperam, quando fixam metas. Pessoas sem alvos não chegam a lugar nenhum. Enumere seus objetivos para 2020. Onde você quer chegar? Em sua vida profissional, seja cargo, ou se você possui empresa, até onde você pode ir? Estudar, fazer cursos específicos?  O que deseja realizar? O que pretende adquirir? Em sua vida pessoal, o que pretende? Casar, ter filhos, viajar?  Enfim planeje sua vida para 2020 e faça de tudo, lute para sua concretização. 

Por fim, em todos os alvos, seja material, financeiro, pessoal, sentimental, familiares todos, devem ser elaborados com sabedoria e inteligência. Porém, nunca deixe Deus de fora de seus planos e projetos, pois, você jamais alcançará resultados satisfatórios sem ajuda do Todo Poderoso.

Feliz ano novo, que Deus seja prioridade maior em sua vida a cada dia de 2020.

domingo, 29 de dezembro de 2019

Pastor Ravel, irmão de Rayssa, deixa música gospel e inicia dupla sertaneja secular

Pastor Ravel, irmão de Rayssa, deixa música gospel e inicia dupla sertaneja secular

O pastor Ravel Cruz, irmão da cantora pentecostal Rayssa, abandonou a música e anunciou que agora fará parte de uma dupla sertaneja secular, que se apresentará na noite de Goiânia (GO).
No Instagram, o perfil que Ravel usava ao longo do tempo como pastor e cantor gospel foi apagado, e agora o artista usa o perfil raveloficial_. A primeira publicação no perfil da dupla com a presença do ex-cantor gospel é de 16 de dezembro.
Ravel se dedicava paralelamente ao ministério pastoral, pregando em congressos pentecostais e cantando. No tempo em que esteve ao lado da irmã, Rayssa, também marcou presença em eventos e cultos pelo Brasil inteiro.
“Chegando música nova! Kell e Ravel”, diz uma publicação do dia 21 de dezembro. Dias depois, a nova dupla de música sertaneja anunciou a produção de um DVD ao vivo, gravado em um pocket show.
Em outras postagens, Ravel aparece fazendo segunda voz para Kell em músicas sertanejas famosas, conhecidas pelo público do estilo musical como “moda de viola”: Vontade Dividida, de Milionário e José Rico, é uma delas. Fio de Cabelo, de Chitãozinho e Xororó, é outra.

Histórico

A dupla Rayssa & Ravel, formada há mais de 30 anos, esteve entre os principais vendedores de álbuns na música gospel nacional, com mais de 30 títulos lançados e passagens pelas principais gravadoras do segmento. O mais recente, “Feliz Demais”, foi lançado pela Graça Music em 2017.
Em 2018, os irmãos anunciaram uma pausa na carreira em dupla para lançarem álbuns solo, pela mesma gravadora. “Após tantos anos ministrando juntos, agora, veremos cada um em sua individualidade musical”, disse Shirley Thomaz, executiva da Graça Music na ocasião.
“Esse projeto será uma grande surpresa para todos, pois estão todos muito acostumados comigo como segunda voz. E, quando canto com Rayssa, nem sempre estou na minha região de voz mais confortável, pois preciso deixar a música boa para ela entrar como primeira voz. Agora, poderei cantar de maneira mais livre, mostrando até um pouco mais da minha voz para vocês”, explicou Ravel durante o anúncio.
Contrariando o argumento usado para iniciar a carreira solo, Ravel voltou a fazer segunda voz, agora em uma dupla secular, que se fará uma das primeiras apresentações no réveillon no Nosso Buteco, em Goiânia.
Diversos internautas se mostraram chocados com a decisão de Ravel. “Não acreditei quando me disseram, mesmo vendo eu duvidei. Aprendi a adorar a Deus de coração com eles Rayssa e Ravel, hoje meu coração chora!”, escreveu uma, sintetizando a surpresa com o anúncio.
Questionado sobre a decisão de montar uma dupla secular, o cantor usou seu novo perfil no Instagram para informar que em breve irá esclarecer as dúvidas dos seguidores: “Vou fazer algumas enquetes ou sugestões e irei responder. Tem muita gente curiosa!”, resumiu.
Por Tiago Chagas / via gospelmais.com

segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

4 fatos surpreendentes sobre a Bíblia de Gutenberg, o livro que mudou a história

A prensa e a Bíblia de Gutenberg de 1450 mudaram a forma como acessamos informação
© Getty Images A prensa e a Bíblia de Gutenberg de 1450 mudaram a forma como acessamos informação

Johannes Gutenberg criou uma revolução há quase 600 anos. Com a invenção da prensa de tipos metálicos móveis, na década de 1450, esse ferreiro e editor alemão tornou os textos na Europa mais acessíveis.
Muito antes, livros como o Diamond Sutra, a mais antiga obra impressa conhecida, cuja cópia mais antiga remonta ao ano de 868, foram produzidos na China e na Coréia com impressoras feitas primeiro em madeira e depois em bronze.
Mas a invenção de Gutenberg era diferente. Com ela, foi possível imprimir muitas cópias do mesmo texto rapidamente. E o livro que Gutenberg escolheu para iniciar sua produção em série foi a Bíblia.
Conheça a seguir quatro fatos surpreendentes e curiosos sobre a chamada Bíblia de Gutenberg.

1. A escolha da Bíblia foi uma decisão comercial.

Johannes Gutenberg foi um inventor alemão que criou a prensa e fez com que os livros fossem produzidos em massa
© Getty Images Johannes Gutenberg foi um inventor alemão que criou a prensa e fez com que os livros fossem produzidos em massa.

A escolha de Gutenberg de imprimir a Bíblia não foi uma decisão óbvia, porque o livro religioso não era central na vida cotidiana da Igreja no século XV.
Partes do texto eram usadas nas igrejas todos os dias, mas não na ordem em que aparecem na Bíblia de Gutenberg, observa a Biblioteca Britânica no site especial dedicado ao famoso livro.
"Talvez Gutenberg tenha percebido que, para um projeto de impressão em larga escala ter sucesso comercial, ele precisava apontar para um mercado mais amplo com potencial de vendas em toda a Europa Ocidental", diz a Biblioteca, que mantém dois exemplares completos da Bíblia.
Acredita-se que a Bíblia de Gutenberg foi concluída no ano de 1455 e se tornou o primeiro grande livro feito na Europa com uma prensa de tipos metálicos móveis.

2. Invenção levou a um maior acesso à informação.

A prensa de Gutenberg deu início a um grande negócio comercial que se expandiu internacionalmente nos séculos seguintes
© Getty Images A prensa de Gutenberg deu início a um grande negócio comercial que se expandiu internacionalmente nos séculos seguintes

A produção da Bíblia deu início à impressão maciça de textos no Ocidente, marcando um ponto de virada na transição da Idade Média para o mundo moderno.
Todas as cópias da Bíblia de Gutenberg foram vendidas antes mesmo da conclusão da sua impressão, observa a Biblioteca Britânica.
Gutenberg não ganhou dinheiro com sua invenção, mas seu método tinha grande potencial comercial e se tornou a base para o sucesso de muitas impressoras e editoras subsequentes.
Após 50 anos, os livros impressos haviam se espalhado pelas rotas comerciais da Europa Ocidental. Embora não tenham ficado baratos imediatamente, seus preços logo começaram a cair.
No ano 1500, o acesso aos textos impressos havia mudado profundamente, resultando em mais acesso à informação, discussão e críticas generalizadas às autoridades.
De fato, a Reforma Protestante, o movimento religioso cristão iniciado na Alemanha no século 16 por Martinho Lutero e que causou a divisão da Igreja Católica, foi iniciado em parte graças à prensa, pela rápida distribuição da doutrina do protestantismo com o documento conhecido como As Noventa e Cinco Teses de Wittenberg.
A Europa e o mundo teriam sido muito diferentes sem a invenção de Gutenberg, analisa a Biblioteca Britânica.

3. Uma obra-prima que mistura impressão e artesanato.

A Bíblia de Gutenberg mistura impressão em série e artesanato
© Getty Images A Bíblia de Gutenberg mistura impressão em série e artesanato
A Bíblia de Gutenberg é considerada uma obra-prima por causa de sua tipografia gótica delicadamente impressa em cada página, descreve a Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos.
E, na época de sua criação, era um resultado bonito o suficiente para rivalizar com a caligrafia dos monges.
A escrita, produzida a partir de uma tradução latina conhecida como "Vulgata", feita por São Jerônimo no século 4, era feita com uma tinta preta nítida em dois densos blocos de texto. Letras maiúsculas e títulos eram decoradas à mão com um toque de tinta vermelha.
Cada uma das 1.282 páginas possui 42 linhas. A maioria das Bíblias estava encadernada em pele de porco branca e dividida em vários volumes.

4. Onde estão as Bíblias de Gutenberg hoje?

Uma das poucas cópias completas da Bíblia de Gutenberg impressas em pergaminho está na Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos
© Getty Images Uma das poucas cópias completas da Bíblia de Gutenberg impressas em pergaminho está na Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos

A prensa de Gutenberg não poderia ter sido um sucesso econômico sem o papel, que foi originalmente inventado na China e depois se espalhou rumo ao oeste, pelo mundo muçulmano.
Antes disso, os livros europeus eram escritos em um tipo de pergaminho de superfície polida que tinha como características de ser fino e durável, feito com pele de bezerros.
Estima-se que a prensa de Gutenberg tenha criado 180 cópias da Bíblia: 135 em papel e 45 em pergaminho.
Restam apenas três cópias completas em pergaminho da Bíblia de Gutenberg no mundo
© Analia Llorente Restam apenas três cópias completas em pergaminho da Bíblia de Gutenberg no mundo
Segundo a Biblioteca Britânica, atualmente existem 48 cópias da Bíblia de Gutenberg, embora nem todas estejam completas - algumas são apenas fragmentos.
A cópia em exposição na Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos é um exemplar completo em pergaminho e uma das três cópias perfeitas feitas neste material no mundo.
Os outros estão na Bibliothèque Nationale, em Paris, e na Biblioteca Britânica, em Londres.

É CHEGADO O NATAL




É CHEGADO O NATAL

É chegada a semana do Natal. Época em que as lojas da cidade e os shopping centers estão superlotados, pessoas em correria buscando comprar presentes para filhos, parentes e amigos, fazendo a alegria dos comerciantes. As ruas movimentadas, as lojas e comercio agitados caracterizando as festas natalinas. Os aeroportos e rodoviárias também com intensa movimentação de passageiros que começam a viajar para comemorar com familiares e parentes a data tão importante. As estradas nessa época estão com trafego acima do normal. À noite, a iluminação nos prédios, postes, árvores, a decoração de casas e nos grandes edifícios, embeleza e anuncia a chegada do Natal. Mas, o que é o Natal? Qual o seu verdadeiro significado? Será tão somente todos esses movimentos e embelezamento nas residências e cidades? Será que é somente motivo para as confraternizações de amigos e trocas de presentes nas empresas? São as festas e jantares com bebidas, som, etc?

O que realmente significa o Natal e qual sua importância para a humanidade?

A comemoração do Natal no dia 25 de dezembro pelo cristianismo marca o nascimento de Jesus, o Filho de Deus. O nascimento de Jesus é a encarnação de Jesus como segundo Adão é a realização da vontade de Deus para desfazer o dano provocado pela queda do primeiro homem, Adão.  

Os evangelhos de Lucas e Mateus contam que Jesus nasceu em Belém, na província romana da Judeia de uma mãe ainda virgem. No relato de Lucas, José e Maria viajaram de Nazaré para Belém por ocasião de um censo e Jesus nasceu durante a viagem numa manjedoura muito simples. Anjos o proclamaram salvador de toda a humanidade e pastores vieram adorá-lo. No relato de Mateus, astrônomos seguiram uma estrela até Belém para levar presentes a Jesus, nascido o "rei dos judeus". O rei Herodes ordena então o massacre de todos os meninos com menos de dois anos de idade, mas a família de Jesus escapa para o Egito e depois volta para Nazaré, um evento que tradicionalmente marca o fim do período conhecido como "Natividade".

A importância do Natal vai além de tudo acima mencionado e deve ser comemorado com temor, reflexão, humildade e de forma altamente espiritual. Na celebração desta data devemos entender as lições que aqueles “magos” deixaram para a humanidade quando foram a Jesus.

A pergunta dos magos que vieram do Oriente foi: “Onde está aquele que é nascido rei dos judeus?” (Mt 2.2). Aqueles homens empreenderam uma viagem longa não medindo sacrifício que teriam que enfrentar pois queriam encontrar com o “Rei Jesus”. Neste Natal todos devemos fazer como os “magos”: Ir a Jesus. Muitos festejam este momento e falam de todos os assuntos e esquecem o principal. Não deixe o dono da festa de fora. Procure encontrar Jesus e o tenha como a pessoa central de sua vida.  

O texto ainda faz referência ao proposito principal pelo qual os magos queriam encontrar Jesus: “viemos adorá-lO”, (Mt 2.2). Será que você tem sido um adorador do Rei Jesus? Será que as famílias ao se reunirem nesta data em suas casas têm prestado a devida adoração ao aniversariante, ao Filho de Deus? A adoração verdadeira deve constituir no principal motivo das celebrações do Natal.

   
As pessoas de modo geral só procuram o Rei Jesus quando necessitam de algo, assim O buscam para lhe pedir bens, curas e milagres para si ou para os seus. Os magos nos ensinam também que devemos buscar Jesus para lhe oferecer dádivas. “E entrando na casa, acharam o menino com Maria, sua mãe, e, prostrando-se o adoraram; e abrindo os seus tesouros, lhe ofereceram dádivas: ouro, incenso e mirra”. (Mt 2.11).  Devemos ter o mesmo sentimento de reconhecimento e gratidão pelo Senhor Jesus. Ele é merecedor de honra, louvor, adoração, glória e dádivas.  

O que foi oferecido o Rei Jesus? Ouro: metal precioso de grande valor. Simboliza a realeza de Jesus, sua dignidade de Rei. Ele nasceu como rei. Ele é o Rei da glória, (Sl 24). Os magos também lhe ofereceram Incenso: uma resina aromática que se queimava na antiga dispensação. Isto pode simbolizar o lado divino de Jesus. Todos os homens devem reconhecer sua divindade e não somente um homem, ou um estadista, ou ainda um grande profeta. Não, Jesus Cristo é o Ungido de Deus, o Unigênito Filho de Deus. E por fim o outro presente que lhe foi dado: Mirra: Uma resina odorífera, medicinal. Nesse caso, mirra poderá simbolizar sacrifício. Possivelmente seja o sacrifício que eles (os magos) empreenderam na longa jornada para ver a criança recém-nascida.

O que você está oferecendo ao aniversariante nesta data? Um dos maiores presentes que podemos dar a Jesus Cristo não é bens e oferendas matérias, mas nossa própria vida como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o nosso culto racional, (Rm 12.1). A Bíblia diz: “Dá-me filho meu o teu coração...”. Neste Natal, abramos nossos tesouros, nossos corações e o convidemos para Ele fazer morada. 

É Natal! Permita que Ele nasça em sua vida, FELIZ NATAL!!!



quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Esta casa estava carente da Palavra de Deus, diz Bolsonaro em culto no Palácio do Planalto

Esta casa estava carente da Palavra de Deus, diz Bolsonaro em culto no Palácio do Planalto

Celebração realizada por ocasião das festividades de final de ano reuniu cerca de 600 pastores no Salão Branco


O presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama Michelle participam de um culto de ação de graças no Palácio do Planalto. (Foto: Reprodução/EBC)
O presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama Michelle participam de um culto de ação de graças no Palácio do Planalto. (Foto: Reprodução/EBC

O presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama Michelle participaram, na noite desta terça-feira (17), de um culto de ação de graças de fim de ano realizado no Salão Branco do Palácio do Planalto para uma plateia de políticos e religiosos.

Bolsonaro afirmou que depois do atentado, “só pedia que Deus não deixasse órfã a filha de 7 anos”. “O resto, com amigos e com brasileiros de verdade, nós superaríamos os obstáculos”, acrescentou.

“É motivo de honra e de orgulho e de satisfação vê-los publicamente aceitando Jesus nesta Casa”, prosseguiu, sendo interrompido pelos aplausos.

Ao conseguir continuar, falou: “Nessa casa que estava carente da Sua palavra. O Brasil mudou.” “Aleluia!”, respondeu o público.

‘Revolucionaremos o Brasil’

Aos parlamentares presentes, Bolsonaro disse que “nós revolucionaremos o Brasil” e que é “nosso dever produzir a felicidade e construir com lealdade, com ética, com religião, respeitando o próximo”.

Em sua fala ainda, Bolsonaro fez menção ao escritório comercial inaugurado em Jerusalém, em Israel, e à relação econômica com os povos árabes, estremecida quando foi anunciada uma possível embaixada na antiga capital israelense.

Como fez em outras oportunidades, o presidente comparou as características do Brasil com as de Israel. "Olhe o que eles não têm e veja o que eles são. Olhe o que o Brasil tem o que o Brasil não é".
Bolsonaro agradeceu aos parlamentares e destacou o poder que o legislativo tem para mudar o Brasil.

"Vi aqui ex-deputado, velhos parlamentares, jovens parlamentares. Ah, se vocês soubessem o poder que vocês têm. Me desculpem, parlamentares. Muitos não sabem o poder que têm. O poder de mudar o mundo e transformar o nosso Brasil." E continuou: "Meus amigos parlamentares, temos tudo para mudar o Brasil".

‘Ato profético’

Havia cerca de 600 pastores no Salão Branco do Palácio do Planalto, segundo o pastor Fontenele, que discursou no evento. Ele disse que o culto era um "ato profético inédito na história da República" e que “o inferno está sendo abalado”.

Logo no início da cerimônia, e antes da tradicional execução do hino nacional, Bolsonaro leu um texto da Bíblia, a oração do rei Davi.

O texto recitado pelo presidente estava no capítulo 29 do primeiro livro de Crônicas, que relata a história de Israel. O contexto mostra Davi em seus últimos dias de vida pouco antes de passar o trono para o filho Salomão, que governou durante o que foi, segundo o Velho Testamento, o período mais próspero dos israelenses.

Também presente, a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, fez uma correção, ao ser anunciada. “Não é ministra, não. É pastora canelinha de fogo”, afirmou. A plateia reagiu com gritos de “Aleluia” e “glória a Deus”.

Ela fez uma oração, na qual disse que "chegou um novo tempo no Brasil". Mencionou a queda do número de homicídios neste ano e falou que “o milagre está só começando”.

O pastor Samuel Câmara, da Assembleia de Deus citou a "Amazônia, tão bem preservada por Deus e pelos brasileiros".

O bispo Renato Cardoso, da Igreja Universal, representou Edir Macedo, que está em viagem ao exterior.
O pastor e ex-deputado Robson Rodovalho, da Igreja Sara Nossa Terra, afirmou a Bolsonaro: "Deus está honrando o seu governo". "Seu coração é um coração de gratidão", continuou.

O pastor e ex-deputado Mário de Oliveira (PR-MG), da Igreja Quadrangular, disse que o governo melhorou a economia. Como prova, ele mencionou que viu filas em shoppings para comprar roupas, almoçar e lanchar, além de quantidade maior de pessoas nas estradas viajando. "Pude ver muito mais pessoas felizes, alegres", disse Oliveira

FONTE: GUIAME 



CONAMAD emite nota de repúdio contra Porta dos Fundos

CONAMAD emite nota de repúdio contra Porta dos Fundos

Convenção assembleiana classificou como “crime passível de punição” filme que ofende cristãos.


A Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil – Ministério de Madureira (CONAMAD) uma das maiores denominações evangélicas do país, emitiu nesta sexta-feira (13) nota de repúdio contra o ataque promovido pelo grupo Porta dos Fundos.

A nota repudia o que chama de “ato de vilipêndio à crença e o desrespeito aos cristãos” através do filme produzido pelo Porta dos Fundos que tenta ridicularizar a fé cristã atacando a imagem de Jesus Cristo.
Na avaliação da Mesa Diretora da CONAMAD, o grupo tem feito ataques recorrentes para ridicularizar a fé e desrespeitar a crença, o que não seria saudável, já que “faz aflorar o sentimento de perseguição, deboche e ofensa” contra o Cristianismo.
“O respeito às diversas crenças e a garantida proteção ao culto deve ser resguardada em todas as esferas da sociedade, inclusive no meio artístico, onde as produções têm o poder de influenciar na cultura”, diz a nota.
Assinada pelo bispo primaz, Dr. Manoel Ferreira, presidente vitalício da entidade, o documento classifica como “crime passível de punição” o filme elaborado pelo grupo supostamente humorístico, lembrando ainda que o Estado precisa garantir a proteção dos cristãos.
“Diante disso, a CONAMAD conclama a todos os cristãos, seja de qual for à denominação, a se unirem em oração e promover ações pacíficas contra qualquer movimento que busque desconstruir nossas doutrinas e valores”, pede.
A nota também é assinada pelo presidente executivo, bispo Samuel Ferreira, o 2º vice-presidente, bispo Abigail C. de Oliveira, o 3º vice-presidente, bispo Abner Ferreira, pelo 4º vice-presidente, bispo Oides J. do Carmo, e pelo 5º vice-presidente, pastor Amarildo M. da Silva.

Bolsonaro “aceita Jesus” em culto no Palácio do Planalto

Bolsonaro “aceita Jesus” em culto no Palácio do Planalto







Mais de 600 pastores e líderes se reuniram em culto de ações de graças


Silas Câmara, Jair e Michelle Bolsonaro. (Foto: Carolina Antunes / PR)

Em culto de ação de graças alusivo ao Natal realizado no Palácio do Planalto, o presidente Jair Messias Bolsonaro declarou publicamente aceitar Jesus.

A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, é evangélica da Igreja Batista Plenitude e Bolsonaro, mesmo católico, sempre teve um bom relacionamento com líderes evangélicos.
Na celebração, promovida pela Frente Parlamentar Evangélica, vários ministros de Estado e mais de 600 pastores e líderes evangélicos entoaram hinos cristãos e fizeram orações pelo Brasil.

Culto de Ação de graças no Palácio do Planalto. (Foto: Isac Nóbrega / PR)
Em sua fala, o presidente afirmou que pode “ser o chefe mais importante da República, mas o ‘homem’ do Brasil é Jesus” e relacionou o tempo de sua vida parlamentar com a vida de Jacó.
Também afirmou estar honrado em participar daquela reunião e fez questão de declarar publicamente que estava aceitando Jesus “naquela casa” – o Palácio do Planalto.
Por Neto Gregório / via gospelprime.com.br

terça-feira, 17 de dezembro de 2019

Estudioso diz que sabe a data exata do nascimento de Jesus

Estudioso diz que sabe a data exata do nascimento de Jesus







Ron Allen utiliza passagens bíblicas e a astronomia para sua conclusão


Cena do nascimento de Jesus. (Foto: Reprodução


A maioria dos cristãos talvez não saiba que a data tradicional do Natal, comemorado em 25 de dezembro, marcava o solstício de inverno.

Era originalmente a Saturnália, celebração que comemorava o nascimento de Saturno, um deus pagão, da “semente de uma mulher”.
As festividades duravam quatro dias. Nesse período ninguém trabalhava, ofereciam-se presentes e visitavam-se os amigos. Em 273 o Imperador Aureliano estabeleceu o dia do nascimento do Sol em 25 de Dezembro: Natalis Solis Invicti (nascimento do Sol invencível).
Com a cristianização do Império Romano, muitas celebrações pagãs foram “ressignificadas” e associadas com temas cristãos.
Somente durante o século IV que o nascimento de Cristo começou a ser celebrado pelos cristãos (até aí a sua principal festa era a Páscoa). Essa tradição se mantém até hoje.
Contudo, segundo o teólogo Ron Allen, um estudo cuidadoso das Escrituras, da história e da astronomia comprovam que Jesus não poderia ter nascido dia 25 de dezembro.
Embora a Bíblia não diga claramente quando Jesus nasceu, existem evidências bíblicas sobre o ano de Seu nascimento.
Allen, fundador do ministério Star Bible Society lembra que Deus deixou muitos sinais nos céus e que os cristãos muitas vezes ignoram isso por confundir astronomia (estudos dos astros) com astrologia (estudo dos zodíaco), coisas completamente diferentes.
Destaca também que muitas datas foram determinadas por achados arqueológicos muito tempo após o estabelecimento do calendário que usamos, o Gregoriano, adotado pelos países do Ocidente em 1582, após uma bula do papa Gregório XIII.
“Sabemos por Lucas 3:23 que Jesus tinha cerca de 30 anos quando começou Seu ministério. O profeta Daniel nos diz em seu Livro (capítulo 9, versículo 25) que o ano da revelação do Cristo ocorreria “7 mais 62 semanas proféticas” – 69 X 7 ou 483 anos – após o decreto que enviou Esdras a Jerusalém, em 458 a.C.”, argumenta.
Um cálculo matemático precisa levar em conta que não há “ano 0”, logo a profecia de Daniel aponta que Jesus iria começar seu ministério no ano 26 d.C.
Ainda segundo o erudito, “Este ano é apoiado por duas datas das Escrituras. Historicamente, João Batista iniciou seu ministério no 15º ano do reinado de Tibério (Lc 3: 1), ou seja, no ano 25 d.C. Além disso, Jesus limpou o Templo (cf. Jo 2:20) 46 anos depois que Herodes começou a reformá-lo, no ano 20 a. C. – segundo registrou o historiador judeu-romano Flávio Josefo, o que nos leva ao ano 27 d.C. Muitos estudiosos da Bíblia acreditam que Jesus começou seu ministério no ano 26 d.C. Se ele tinha 30 anos, lembrando novamente que não há ano 0, na verdade nasceu 5 anos antes da data estabelecida pelo calendário de Gregório”.
Ron Allen aponta ainda para outras evidências.
“Jesus teria nascido na primavera ou no outono do ano, segundo os detalhes da Escritura sobre o nascimento de João Batista. O pai de João, Zacarias, era membro do grupo sacerdotal de Abias (Lc 1: 5) que, segundo fontes rabínicas, ministrava no templo em maio e novembro. Como o anjo Gabriel apareceu a Zacarias no templo, mandando-o para casa, quando provavelmente concebeu o filho. Logo, isso seria em junho ou dezembro, portanto João nasceu nove meses depois, sendo as possibilidades março ou setembro do ano seguinte. Sabemos, pelas Escrituras, que João Batista era seis meses mais velho que Jesus (Lc 1:26), portanto Jesus teria nascido em setembro ou março do ano 5 a. C.”
O argumento do teólogo, que escreveu o livro The Stars of His Coming sobre o tema, utiliza registros da astronomia e da história que colaboram para o estabelecimento em que época do ano o Messias nasceu. “Sabemos que uma estrela especial apareceu quando Jesus nasceu e que os Magos vindos do Oriente, que possivelmente seguiam os ensinamentos proféticos de Daniel (Dn 2:48), vieram buscá-Lo (Mt 2:1,2). Há registros de astrônomos chineses que viram essa estrela, identificando-a como uma nova, que teria ficou visível por um longo período na primavera do ano 5 a. C.”, aponta Allen em seu estudo.
“Tomando como base a aparição dessa estrela de Belém, registrada em fontes seculares, no ano 5 a.C., e que João Batista foi concebido em dezembro de 7 a.C., então Jesus teria sido concebido em junho de 6 a. C. Presumindo que João Batista nasceu em setembro de 6 a.C. então Jesus nasceu em março do ano 5 a.C.”, conclui.
Por Jarbas Aragâo / via gospelprime





quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Morre o evangelista Reinhard Bonnke, aos 79 anos

Morre o evangelista Reinhard Bonnke, aos 79 anos

O evangelista Reinhard Bonnke faleceu neste sábado (7) aos 79 anos, segundo anúncio feito em sua página oficial no Facebook.

O evangelista Reinhard Bonnke faleceu neste sábado (7) aos 79 anos. (Foto: Christ for all Nations)
O evangelista Reinhard Bonnke faleceu neste sábado (7) aos 79 anos. (Foto: Christ for all Nations)

O evangelista Reinhard Bonnke faleceu neste sábado (7) aos 79 anos, dias após a realização de uma cirurgia do fêmur direito. Sua morte foi anunciada em sua página oficial no Facebook.

“É com pesar que a família Bonnke gostaria de anunciar o falecimento do nosso amado marido, pai e avô, o evangelista Reinhard Bonnke. Ele faleceu pacificamente, rodeado por sua família, em 7 de dezembro de 2019”, disse um comunicado assinado por sua esposa, Anni Bonnke e família.

“Nos últimos 60 anos, ele pregou o glorioso Evangelho de Jesus em todo o mundo. Queremos agradecer em nome dele e de nossa família, pelo gentil amor e apoio inabalável, que lhe permitiu pregar a incomparável mensagem de salvação a inúmeras pessoas”, continuou o comunicado.

A família do evangelista ainda pediu que “em vez de flores, por favor, façam uma doação a Christ for all Nations - Cruzada na África”.

Christ for all Nations (CfaN), ou “Cristo para todas as Nações”, foi fundada pelo evangelista Reinhard Bonnke em 1974 depois que ele passou vários anos trabalhando como missionário na África. Cerca de 75 milhões de pessoas se converteram através do ministério de Bonnke.

No dia 12 de novembro, Bonnke havia feito um pedido de oração especial em sua página no Facebook, depois de fazer uma cirurgia no fêmur direito. “Tudo foi bem até agora, mas agora tenho que adicionar algumas semanas de aprendizado a andar de novo”, disse ele na ocasião.

Bonnke em sua última cruzada evangelística, em Lagos, na Nigéria, em novembro de 2017. (Foto: Christ for all Nations)

Vida e ministério
Reinhard Bonnke nasceu em 19 de abril de 1940 em Königsberg, na Alemanha. Ele se entregou a Jesus aos nove anos de idade, depois que sua mãe falou com ele sobre um pecado que ele havia cometido. Ele partiu para o trabalho missionário na África aos 10 anos de idade e, nesse período, disse que teve a experiência do batismo no Espírito Santo. 

Depois de se formar na Faculdade Bíblica do País de Gales, ele pastoreou na Alemanha por sete anos e então partiu, com sua esposa e seu filho recém-nascido, para a África a fim de começar seu trabalho missionário. Foi no pequeno país de Lesoto, em 1967, que ele começou a fazer reuniões evangelísticas que se espalharam por todo o continente.

Ele passou a adotar evangelismo em massa, em vez da tradicional abordagem missionária em escala menor. Em 1974, Bonnke fundou a organização missionária Christ For All Nations. Hoje, a CfaN possui 9 escritórios nos 5 continentes — inclusive no Brasil.

Por mais de três décadas, desde a primeira cruzada evangelística realizada em Botswana no ano de 1975, milhões de vidas tem ouvido do Evangelho. Somente nos últimos anos, mais de 76 milhões de pessoas declararam sua fé em Jesus durante as cruzadas do CfaN. 

Bonnke deixa esposa e três filhos.

FONTE: GUIAME