quarta-feira, 22 de março de 2017

População mais pobre é a mais fiel no dízimo, aponta pesquisa

Pesquisa sobre o padrão de consumo das famílias mais humildes comprova que o dízimo é um dos compromissos mais importantes para os cristãos evangélicos

O dízimo é uma prática tradicional entre os cristãos evangélicos, visto como uma doutrina ou recomendação social bíblica para o sustento e expansão missionária da igreja. Uma pesquisa recente revelou algo interessante que aponta para a passagem da “viúva pobre”, em Marcos 12: 41 a 44, onde mesmo com poucos recursos, teve a preocupação de contribuir com uma oferta voluntária.

No estudo iniciado em 2013, feito pela Associação de Educação Financeira do Brasil (AEF-Brasil) com o objetivo de fornecer dados para o Ministério da Fazenda e ao Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, ficou constatado que a população cristã mais humilde tem a mesma preocupação da “viúva pobre”, em contribuir com o Reino de Deus a partir do que possui. 

O público da pesquisa foi mulheres e homens aposentados, com renda de até dois salários mínimos e beneficiários do programa “Bolsa Família”. Envolvendo 49 municípios em 16 Estados, os pesquisadores participaram do cotidiano dessa população, entrando em suas casas e observando seus costumes de gasto financeiro.

“Tivemos um trabalho prévio e vivência de meses em várias casas de famílias pesquisadas para entender hábitos de consumo e identificar a linguagem”, disse Claudia Forte, superintendente da AEF-Brasil, em publicação no site O Povo. 

O que os pesquisadores nunca haviam imaginado, foi que ao entrar nas casas dessas pessoas, pudessem observar que o dízimo estava na lista de gastos mensais do orçamento familiar. Eles constataram que para grande parte dessas famílias, o valor do dízimo é um dos compromissos mais importantes:

“A religião é a válvula de escape para muitos e o dízimo talvez seja o compromisso financeiro mais importante de algumas famílias”, disse Claudia, sem compreender a experiência de fé e vida prática implícita no ato de dizimar, motivo pelo qual pessoas humildes, mesmo com poucos recursos, são fiéis nesse compromisso como símbolo de reconhecimento da providência divina, a exemplo da “viúva pobre”.

A pesquisa constatou que os católicos também  fazem suas contribuições para a Igreja Católica, porém, de forma semanal e de valor variável. Os cristãos evangélicos, todavia, apesar de adotarem a oferta como uma prática voluntária também do dia-a-dia, encaram o dízimo como um compromisso mensal assim como qualquer outro, porém, atribuído de fé e incentivo à obra de Deus.

Por Will R. Filho / via gospelmais.com

Rússia abre guerra contra seitas e quer banir Testemunhas de Jeová

Conhecido mundialmente na atualidade por ser um país rígido contra medidas “politicamente corretas”, a Rússia não tem se manifestado apenas contra o chamado “casamento gay” e o feminismo radical, mas também contra pequenos grupos religiosos. Esta semana, o mundo começou a tomar mais conhecimento sobre os motivos de as Testemunhas de Jeová entrarem para a lista de proibição do Kremlin.

Com cerca de 175 mil fiéis no território do atual Presidente Putin, a religião das Testemunhas de Jeová passou a ser considerada “extremista” na Rússia, que pediu ao Supremo Tribunal de Justiça a proibição de qualquer prática religiosa do grupo no país, após uma investigação que considerou suas atividades religiosas “contrária às leis russas e aos próprios estatutos da organização”, segundo publicação de O Globo obtidas da agência EFE.

“Não entendemos que objetivo as autoridades perseguem. Nos parece sem sentido. Achamos que se trata de um equívoco […] e o Ministério da Justiça retirará sua ação”, disse Ivan Balenko, porta-voz das Testemunhas de Jeová na Rússia.

Com 2.200 mil grupos e 400 organizações religiosas no país, as Testemunhas de Jeová temem sofrer o mesmo que a “Igreja da Cientologia”, que teve suas práticas de culto proibidas em 2015. Até então, assim como os mórmons, as Testemunhas de Jeová são consideradas uma seita religiosa em uma país que tem a Igreja Católica Ortodoxa como espécie de “religião oficial”, muito embora a liberdade religiosa ainda exista.

“Todas as decisões judiciais contra nós se baseiam em uma única acusação: que alguns de nossos livros e discursos estão na lista de literatura extremista que existe neste país”, disse ainda Balenko, se referindo a interpretação que o governo russo fez de uma citação feita em uma literatura das Testemunhas de Jeová, mencionando o filósofo espanhol Miguel de Unamuno:

“Unamuno escreveu que para crer na imortalidade da alma é preciso desejá-la, e o desejo deve ser forte o bastante para silenciar a voz da razão. Incluímos a citação em um discurso e a procuradoria nos acusou de extremistas. Só na última hora alguém retirou a denúncia, seguramente por respeito ao filósofo”, explicou o porta-voz da religião.

Por fim, a preocupação da comunidade Testemunhas de Jeová na Rússia é que com a classificação de “extremistas”, eles não apenas sejam proibidos de realizar suas atividades religiosas, como possam sofrer discriminação e violência em seu próprio país.

Por Will R. Filho / gospelmais.com.br

segunda-feira, 20 de março de 2017

Assembleia de Deus articula criação de partido pró-‘família tradicional’

Assembleia de Deus articula criação de partido pró-‘família tradicional’


O termo “cristão” e variações aparecem no nome de seis dos 56 partidos na fila do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para virar a 36º legenda brasileira. Tem o PEC (Partido Ecológico Cristão), o PPC (Partido Progressista Cristão)…


O PRC (Partido Republicano Cristão) leva vantagem sobre os concorrentes: está sendo articulado com ajuda da Assembleia de Deus, a maior igreja evangélica do Brasil (30% dos 42 milhões de fiéis no Censo 2010, sendo que o total de evangélicos já saltou para três em dez brasileiros).

Essa gigantesca rede de fé deve facilitar a coleta de assinaturas mínimas, recolhidas em ao menos nove Estados, que o TSE exige para formar um novo partido –486 mil, ou 0,5% dos votos válidos na última eleição para a Câmara.

Já foram 300 mil registradas em cartórios país afora, calcula o presidente do PRC, deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), coordenador da bancada de 24 deputados ligados à Assembleia de Deus.
O deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), presidente do futuro Partido Republicano Cristão

Fonseca assinou relatório pró-Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em 2016, quando o agora ex-parlamentar presidia a Câmara e tentava anular sua cassação na Casa. Os dois são assembleianos.

Fundada por missionários suecos em 1911, a Assembleia de Deus (AD) se multiplicou em várias ramificações, e elas não necessariamente dialogam entre si. Não raramente, estão em lados avessos da política (algumas ficaram com a petista Dilma Rousseff, outras com o tucano José Serra, e parte com a então verde Marina Silva em 2010, por exemplo).

A AD Ministério do Belém (que, apesar do nome, tem sede paulista) controla a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. É essa ala que fomenta a criação do PRC. O secretário-geral do partido será o deputado Paulo Freire (PR-SP), filho do pastor José Wellington Bezerra da Costa, líder da AD Belém.

Suas irmãs também estão no Legislativo: Marta Costa é deputada estadual em São Paulo e Rute Costa, vereadora paulistana. “Como instituição, oficialmente, igreja não tem partido, a lei não permite. Mas ela pode ter representatividade. Isso está sendo trabalhado [por meio do PRC]”, diz à Folha o coordenador político da convenção das ADs, pastor Lélis Marinhos.
A principal bandeira da nova sigla será a família, diz. “Aquela chamada tradicional, com o princípio básico bíblico da família hétero.” Segundo Marinhos, há fóruns dedicados a preparar lideranças para o quadro partidário.

Pesquisador da Fundação Getúlio Vargas, Diogo Rais lembra do abuso de poder religioso nas eleições, como um candidato pedir voto em igrejas –em 2016, o prefeito reeleito de Penápolis (SP) foi alvo de ação, depois desconsiderada por um juiz. Motivo: um pastor o exaltou em culto e chegou a dizer que o acessava com facilidade (“quando preciso falar com ele, tenho o WhatsApp dele”).

Mas seria preconceito achar que pessoas de fé não têm vez na política, diz Rais. “Por que ter legendas que representem trabalhadores ou ambientalistas, mas não religiosos?”

O pastor Silas Malafaia lidera uma AD, a carioca Vitória em Cristo –e é contra igreja ter vida partidária.

“A hora em que ela quer se meter em fazer partido político, perde sua essência. Aí, minha filha, a gente vai se perder”, diz o pastor, que contudo apoia o apadrinhamento de candidatos. Seu próprio irmão, Samuel Malafaia, é deputado estadual no Rio. O religioso também manifesta simpatia pelo prefeito João Doria, do PSDB-SP.

O deputado Fonseca estima que o PRC já saia com uma bancada de pelo menos 20 deputados, que em março de 2018 poderão se aproveitar de uma janela da Justiça que autoriza o troca-troca partidário sem sanções eleitorais.

A ideia é protocolar o pedido de criação do partido no TSE até o fim do ano e investir em cargos legislativos em 2018. Fonseca quer que o número da sigla seja 80. “Ou oito ou 80, né?”

Fonte: pavablog.com.br

quarta-feira, 15 de março de 2017

Pastor Jabes Alencar se afasta da Assembleia de Deus Bom Retiro e Samuel Ferreira é o novo presidente

A Assembleia de Deus Bom Retiro está trocando de liderança, e tem desde a última segunda-feira, o pastor Samuel Ferreira como seu novo presidente. O fundador da denominação, pastor Jabes Alencar, se afastou da função por problemas de saúde.

Samuel Ferreira é investigado na Operação Lava-Jato por suspeita de integrar o esquema de lavagem de dinheiro que seria liderado pelo ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e teria movimentado aproximadamente US$ 5 milhões. O caso será julgado pelo juiz Sérgio Moro.

A transição da liderança da Assembleia de Deus Bom Retiro foi feita em um culto no templo da denominação, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo. Ferreira manterá sua posição de presidente da Assembleia de Deus Brás, igreja filiada ao Ministério de Madureira.

De acordo com informações das assessorias de imprensa de ambas as igrejas, a escolha de Jabes Alencar por Samuel Ferreira se deve ao relacionamento de anos que ambos mantém.

“É uma grande responsabilidade suceder o pastor Jabes Alencar, que foi o fundador desta igreja, um grande pastor, o apóstolo da unidade da igreja; com absoluta humildade, chego para servir e não para ser servido, para ser cooperador, para ser o pastor, e o meu compromisso diante de Deus é cuidar destas almas com a minha própria vida”, disse Ferreira.


+ Jabes Alencar enfrenta problemas de saúde desde 2010


Alencar explicou que sua decisão foi direcionada por Deus, pois tinha o desejo de manter a igreja funcionando de forma integral: “Não poderia jamais sair e deixar a igreja órfã, por isso também busquei de Deus orientação sobre essa situação, e o nome do pastor Samuel Ferreira veio como liderança mais indicada para cuidar desse precioso rebanho, por sua experiência, com 35 anos de atuação ministerial, preparo e seriedade”.

Os problemas de saúde de Jabes Alencar se estendem há anos, e ele já havia tirado licenças anteriormente para descansar e se tratar. Em certa ocasião, foi substituído pelo filho, pastor Dayan Alencar, que contou com o aconselhamento do pastor Silas Malafaia à época.

Samuel Ferreira afirmou estar “muito tranquilo e confortável” com a nova responsabilidade “porque na verdade […] só sei ser pastor”.

“A igreja [Assembleia de Deus] do Brás é a maior igreja evangélica de São Paulo e temos uma equipe pronta para assumir esse novo compromisso. Estamos debaixo de oração, debaixo da graça e da dependência completa de Deus, e o Bom Retiro vai voltar a viver os seus melhores dias, em nome de Jesus”, concluiu, garantindo que não haverá mudanças significativas na liturgia dos cultos, programação e nome da denominação.

Por Tiago Chagas / via gospelmais.com.br

segunda-feira, 13 de março de 2017

Pastor diz que evangélicos estão em busca de “igrejas sérias” porque cansaram de apóstolos e bispos

Pastor diz que evangélicos estão em busca de “igrejas sérias”


Os cristãos evangélicos brasileiros são divididos em diversas denominações, que entre si, são identificadas por categorias como, por exemplo, pentecostais, reformadas, neopentecostais.
Mas há um movimento não organizado de cristãos à procura de igrejas sérias, que pregam o Evangelho como ele é, sem doutrinas criadas por homens e com foco na mensagem de Jesus.
Sobre essa tendência registrada nos quatro cantos do país, o pastor Renato Vargens – líder da Igreja Cristã da Aliança, em Niterói (RJ), usou seu blog para publicar um artigo que propõe uma reflexão sobre os motivos de existirem tantos evangélicos em busca de “igrejas sérias”.
“Em todo lugar no Brasil cresce o número de cristãos procurando igrejas sérias. Tornou-se comum, ouvir irmãos dizendo que cansaram do evangelho da autoajuda, do entretenimento, da prosperidade, do gospel e da libertinagem. De fato há uma enorme procura por igrejas bíblicas e centradas nas Escrituras, cujos pastores pregam as maravilhosas verdades do Evangelho”, comentou.
De acordo com Vargens, que é escritor e conferencista internacional, esse movimento é resultado de uma insatisfação que nasceu a partir do comportamento das próprias lideranças evangélicas, que – salvo exceções – distorcem a mensagem do Evangelho a seu próprio interesse pessoal.
Confira os motivos listados pelo pastor a seguir:
1 – Os cristãos estão procurando igrejas sérias porque cansaram de ouvir pregadores fracos e despreparados tanto bíblica quanto teologicamente,
2 – Os cristãos estão procurando igrejas sérias porque não suportam mais ouvir mensagens antropocêntricas cujo foco é a satisfação do freguês e não a glória de Deus.
3 – Os cristãos estão procurando igrejas sérias porque não suportam mais uma igreja com louvores ensimesmados, cujo conteúdo encontra-se absorto em autoajuda.
4 – Os cristãos estão procurando igrejas sérias porque não suportam mais ver o dinheiro e os recursos do Reino de Deus sendo mal administrados por pastores inescrupulosos.
5 – Os cristãos estão procurando igrejas sérias porque não suportam mais ouvir heresias, distorções teológicas, e absurdos doutrinários dos mais variados possíveis.
6 – Os cristãos estão procurando igrejas sérias porque estão cansados de mensagens legalistas, desprovidas de graça e sabedoria.
7 – Os cristãos estão procurando igrejas sérias porque estão cansados de apóstolos, bispos e pastores messianistas, cuja o Evangelho pregado é espúrio, “coronelesco”, despótico e ditatorial. 
Por Tiago Chagas / via gospelmais.com.br

quinta-feira, 2 de março de 2017

Eleições CGADB: Justiça cancela inscrições de 5 mil pastores e estipula multa diária

Terceira ação judicial em apenas alguns dias, dessa vez Juiz do Amazonas cancela mais de 5 mil inscrições de pastores para eleições da CGADB, acirrando a disputa eleitoral que deve acontecer dentro de 43 dias.


As eleições da CGADB ainda está dando muito o que falar, restando apenas 43 dias para a eleição da nova Mesa Diretora da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. Dessa vez, o Juiz Jânio Tutomu Takeda, do município de Juruá, no Amazonas, deferiu uma liminar ajuizada pelo pastor Cloves Rocha de Freitas, onde cancela inscrições de 5 mil pastores e estipula multa diária de 10 mil reais, caso a ordem não seja cumprida.

A decisão do magistrado foi tomada com base na resolução nº 01/2016 da CGADB e publicada na última quinta feira (23). Segundo Takeda, a CGADB tem 48 horas para cumprir a ordem; “Fica a ré proibida de corrigir os dados incorretamente no site eleitoral para com essa medida não abrir precedentes futuros”, disse o magistrado em nota publicada no site JM Notícias, na ação nº 0000005-67.2017.8.04.5101, acrescentando ainda:

“Quanto a probabilidade do direito, este verifica-se das alegações do autor e os documentos acostados aos autos, que são suficientes, ao menos, preliminarmente para a análise da medida”.


Motivo da ação judicial contra a CGADB

O Pastor  Cloves Rocha de Freitas entrou com a ação afirmando que o ex-presidente da Comissão Eleitoral da CGADB, Antônio Carlos Lorenzetti de Mello, teria ignorado a Resolução Eleitoral nº 01/2016, da própria CGADB, validando inscrições que já haviam sido impugnadas. O resultado foi o cancelamento de 5.207 inscrições consideradas ilegais.

O mesmo pastor também validou a candidatura do pastor José Wellington Júnior à presidência da CGADB, descumprindo a mesma resolução, motivando o seu afastamento do cargo no dia 08 passado através de liminar proferida pelo Estado de Goiás.

Noticiamos recentemente que a eleição da CGADB está prevista para acontecer na 43ª Assembleia Geral Ordinária, em abril desse ano, e deve enterrar o clima desagradável que envolveu o Pastor Samuel Câmara e o atual Presidente da CGADB, Pastor José Wellington Bezerra da Costa, devido a divergências no número de inscritos no último pleito, quando Pr. Wellington foi reeleito.

Sendo a terceira liminar proferida pela Justiça em decorrência das eleições da CGADB em apenas alguns dias, a corrida eleitoral pela Presidência da CGADB deve permanecer acirrada, gerando muita expectativa para os mais de 13 milhões de assembleianos no Brasil.

Por Will R. Filho / via gospelmais.com.br

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Trump anula norma que permitia aos transexuais escolher banheiro nas escolas

Norma proclamada por Barack Obama deixava a decisão sobre qual banheiro da escola usar aos próprios estudantes transexuais.




O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decidiu anular a norma imposta pelo antecessor, Barack Obama, em que permitia a alunos que se declarassem transexuais usar os banheiros e vestiários que preferissem nas escolas públicas.
Na prática a norma estabelecia que alunos do sexo masculino que declarassem ser do sexo feminino pudessem escolher usar o banheiro destinado as garotas. Caso alunas do sexo feminino declarassem ser do sexo masculino poderiam usar o banheiro destinado aos garotos.
A decisão de anular a norma foi anunciada pelo procurador-geral, Jeff Sessions, nesta quarta-feira (22), em um comunicado oficial do governo de Trump. O procurador-geral afirmou que a norma vinha causando confusão e que não houve “uma análise legal suficiente” sobre a adoção da norma.
Desde que a norma foi imposta pelo então presidente Barack Obama diversos estados americanos controlados por republicanos entraram com ações judiciais questionando a decisão do governo americano. As diretrizes impostas por Washington eram vistas como interferência imprópria nos assuntos escolares.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, já havia dito em entrevista que a questão envolvendo os banheiros escolares deveria ser dos estados, e não do governo federal. “Isso não é algo que o governo federal deva ser envolvido. Essa é uma questão de direito dos estados”, destacou ele.
A norma imposta nas escolas americanas já estava sendo adotada por grandes cadeias de lojas, mas passou a enfrentar resistência por parte da população que considera abusivo que um homem tenha acesso ao mesmo banheiro que as mulheres.
A imposição da Teoria Queer, popularmente conhecida como Ideologia de Gênero, tem preocupado lideranças religiosas e políticas nos Estados Unidos. É a partir desta ideologia que leis de privilégios estão sendo criadas com o objetivo de desconstruir a entidade familiar, como a lei imposta pelo estado de Massachusetts, que obriga igrejas a adotarem banheiros transgêneros.
Barack Obama criou um clima constrangedor ao declarar que a norma de uso dos banheiros uma compreensão da Bíblia. O então presidente americano utilizou uma citação indireta de Mateus 7.12 [façam aos outros o que vocês querem que lhes façam] para defender o uso de transexuais nos banheiros escolares.

Fonte: http://noticias.revivaltimes.com.br/

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Líderes cristãos fazem campanha contra ministério Billy Graham: “conservador demais”

Cruzada de Franklin Graham enfrenta oposição por sua postura anti-LGBT



Diversos líderes cristãos da cidade canadense de Vancouver se reuniram para tratar da cruzada promovida pela Associação Evangelística Billy Graham. Mas, ao contrário do que aconteceu durante décadas, eles estão se opondo ao evento.
Desde a aposentadoria do seu fundador, as cruzadas são realizadas pelo seu filho Franklin Graham, que preside o ministério. Contudo, seu posicionamento favorável a Trump durante a eleição fez com que ele passasse a ser tachado de “radical”.
O prefeito de Vancouver, Gregor Robertson, convocou lideranças católicas e evangélicas para compartilhar suas “preocupações” com a visita de Graham. Reclamou da postura pública do evangelista quando fala sobre muçulmanos, gays, ateus e democratas (partido de Obama e Hillary).

Marcado para acontecer entre 3 e 5 de março, o evento público pretende reunir mais de 25 mil pessoas. O ministério de Graham realiza várias cruzadas e pregações em todo o mundo, sendo geralmente muito bem acolhido pela igreja local. Mas em tempos de discursos politicamente corretos, ele está atraído críticas de vários segmentos cristãos.
Embora muitos líderes evangélicos canadenses tenham demonstrado apoio, a articulação do prefeito parece estar levando vantagem. “O prefeito está preocupado com a segurança. As  declarações que [Franklin] Graham faz sobre muçulmanos e gays realmente podem causar problemas”, assegura o conselheiro municipal Tim Stevenson. Além de político, ele é também o primeiro homossexual assumido a ser ordenado pastor pela Igreja Unida do Canadá.
Em uma reunião na última semana, liderada por Stevenson, foi elaborado uma petição para que se mantenha a cruzada, mas com outro pregador. Quatorze líderes cristãos apoiam essa decisão, incluindo o arcebispo católico Michael Miller, diretores de universidades evangélicas e líderes denominacionais de ramos liberais do cristianismo.
Um dos argumentos usados é que o discurso “extremista”, no sentido conservador, gera divisão na igreja. “Ele desumaniza a comunidade LGBT”, reclamou um dos presentes.
Franklin é conhecido por sua postura aberta contra o casamento gay e sua visão crítica do Islã. Recentemente, classificou os transexuais de “estranhos”. Na ocasião, reconheceu que não era uma linguagem polida, mas lembrou que: “Jesus não era muito amoroso às vezes. Ele chamou os fariseus de víboras, serpentes e sepulcros caiados”.
Também vem apoiando a decisão de Donald Trump de proibir a entrada de muçulmanos no país. Justificou-se dizendo que “o Islã é uma religião muito má e perversa”, que declarou guerra com o Ocidente cristão. 
Com informações de Vancouver Sun e Christian Today

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Pastor Antonio Gilberto diz que ordenação de mulheres ao ministério pastoral é antibíblico: “Igreja vai prestar conta”




A ordenação de mulheres a cargos eclesiásticos, como o diaconato e pastorado é uma realidade, mas não unanimidade. Diversos ministérios aceitam e elegem mulheres para esses cargos, porém diversos outros se recusam a fazê-lo.
Nas Assembleias de Deus, uma das mais tradicionais denominações, algumas convenções tem aceitado a ordenação de mulheres ao ministério, outras não, e por isso o assunto tem rendido bons debates entre líderes.
O consultor doutrinário da Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD), pastor Antonio Gilberto, afirmou ser contra a ordenação de mulheres ao diaconato ou pastorado, por ser anti-bíblico: “Muitas vezes elas fazem o trabalho melhor do que os homens. Mas ordenar para o Santo Ministério, não tem base nas Escrituras. E como é que isso está acontecendo?”, questiona.
Para Gilberto, as pessoas que lideram as denominações terão que prestar conta a respeito do assunto: “É a igreja a culpada e a igreja vai prestar conta disso. A igreja que eu digo não é a igreja o prédio, os responsáveis vão prestar conta disso. Jesus nunca ordenou mulheres”, enfatizou.
Como o debate gira em torno da legitimidade bíblica ao redor das nomeações, o pastor enfatizou que não é somente as ordenação de mulheres que será cobrada da liderança das igrejas. Segundo ele, muitas outras coisas que não estão na Bíblia, mas que são impostas pelas igrejas, serão pesadas por Deus.
-É anti-bíblico. E o que fazer? Quem estiver fazendo vai prestar conta a Deus. Mas infelizmente não é só ordenação de mulheres, é muita coisa que a igreja decide por ela. Eu podia fazer menção aqui, não vou, não há necessidade. Para ninguém pensar que é só esse fato: São várias coisas que a igreja faz sem ter… Por exemplo, há igrejas que só separam (consagram) obreiros para o diaconato se forem casados, não estou criticando a igreja local, há igreja que só separa (consagra) casados, porque o escândalo está sendo grande de obreiros solteiros […] Onde está isso na Bíblia? Lugar nenhum. É a igreja que decide! – observou.
Apesar de não encontrar base bíblica para a questão, o pastor apazigua os ânimos afirmando que não vale a pena estimular o embate: “Não tem base na Escritura, nem no Antigo, nem no Novo Testamento. Deus quer a mulher no ministério, quanto mais, melhor, para muita tarefa. Mas ordenação para cuidar do rebanho Deus reservou para o homem. De modo que esse negócio está dando problema. E os que estão na Assembleia de Deus? Vão prestar conta a Deus! Vamos brigar com eles? Deixa pra lá, vão prestar conta a Deus! Esse é que é o problema, a Bíblia diz cada um de nós. Eu vou dar conta e os irmãos vão dar conta também. Se o Tribunal de Cristo fosse coletivo…, mas a Bíblia diz cada um. Então nós temos que pensar nisso”.
Confira abaixo, a íntegra da entrevista do pastor Antonio Gilberto ao pastor Paulo Pontes, do site Seara News:
O movimento neo-pentecostal tem levado as pessoas ao entendimento de que a moda agora é ser pentecostal. O que o senhor diz?
O ponto principal está na palavra neopentecostal, que é um desvio da doutrina. Se alguém é desse movimento não queira me querer mal, mas o movimento neo-pentecostal ou neopentecostalismo, é desvio da doutrina da Bíblia.
A Assembleia de Deus vem entrando nesse campo e aceitando porque nossos queridos pastores – (pastor que eu digo não é ter o título, é o homem conduzir o rebanho. Então o irmão venha entender que eu não estou falando do pastor porque tem o título e a carteira de pastor, mas o homem que Deus colocou à frente do rebanho segundo o Novo Testamento) – não ministra a doutrina. Ensinar, não tem tempo. Eu não estou querendo dizer que o pastor faça isso sozinho, é claro que não faz. Uma igreja quando tem dez membros, quinze membros, o pastor consegue fazer muita coisa, mas quando tem cem, quinhentos, mil, dez mil, é claro que Deus dá para ele uma equipe imensa. Agora eu pergunto: “Quem são esses homens e mulheres que estão ajudando o pastor?” Então, o movimento neo-pentecostal é um desvio da doutrina da Bíblia.
Uma coisa que ajuda na resposta: por que eles se desviaram? – Falta de ensino doutrinário na igreja. É só pular, cantar, falar em buscar o batismo, falar em línguas, etc. E a doutrina bíblica que é a doutrina que equilibra? Então oremos para que eles voltem.
Nós estamos entrando pelo mesmo caminho, porque o movimento neo-pentecostal, do dia para a noite, enche os templos. Mas encher de quantidade, não é encher de qualidade! Deus quer o templo cheio! Mas, como é que um templo se enche pela quantidade? Através da conversão! E como é que um templo se enche através da qualidade? Pelo discipulado! Mas vejamos, nós não temos tempo para ministrar discipulado. O rebanho cresce e muita gente pensa que discipulado é ter um grupo de pessoas que se reúnem certos dias, mas discipulado, aquele que Jesus disse “ide e fazei discípulos”, é algo maravilhoso. Então nós temos milhões e milhões de abandonados, crianças abandonadas nas igrejas (criança que digo, é no sentido espiritual). Fala-se tanto, a prefeitura, Vila Velha, o Brasil, “menor abandonado, menor abandonado”, e na igreja menor abandonado é uma coisa horrível (menor abandonado que eu digo, é na fé). Os irmãos se recordam daquele brado do salmista Davi quando disse “ninguém cuidou da minha alma”. Aquilo dói na alma da gente. Como é que Davi escapou? “Ninguém cuidou da minha alma”. Então, do lado de cá nossa culpa é ministrar a doutrina, porque é difícil, é difícil. A doutrina todo mundo sabe que não é fácil. Não existe uma só doutrina organizada, catalogada como de A a Z, mesmo a mais simples, desdobrada, ou seja, é preciso à pessoa com graça, unção e sabedoria, coligir, reunir, orar, jejuar e horas e horas a sós com Deus. Então o resultado está aí, o movimento neo-pentecostal ganhando tempo em nosso meio, e nós da Assembleia de Deus (a Assembleia que eu digo é a igreja ortodoxa) acabamos sofrendo com isso.
Então essa a minha resposta pode ajudar o irmão depois a passar um filtro, mas, neo-pentecostal (nome bonito: neo-pentecostal) movimento pentecostal novo, nada, desvio! Eu inclusive tenho dado aulas lá a pedido deles, pelo menos lá no Rio de Janeiro, ministrando estudos algumas vezes, mas é difícil devido o tempo. São pessoas conhecidas. Mas nós estamos absorvendo, ou seja, no passado, vinte, cinquenta anos atrás, eram eles que vinham a nós pedir ajuda, batistas que eram batizados, presbiterianos que recebiam o batismo, hoje somos nós que vamos beber lá. Deus tenha misericórdia de nós. Os irmãos não pensem que eu estou dizendo que a Assembleia de Deus é a única igreja certa, a Assembleia de Deus não é uma igreja, é uma denominação. Igreja que eu estou falando é a igreja do Novo Testamento, lá de 1 Co 12.
Renovação e Inovação são palavras parecidas, mas com significados diferentes dentro da visão pentecostal. Qual a correta definiçãos dos termos, para esclarecimento da nova geração de obreiros, líderes e crentes em geral?
Eu confesso, não é correto dizer isso, “dentro da visão pentecostal”, eu sugiro que esse termo seja trocado. Não existe visão pentecostal, existe visão escriturística dentro da visão pentecostal. Irmão Gilberto, por quê? Porque a igreja do Deus vivo, a igreja dos primogênitos, é aquela de Atos capítulos de 1 a 28. Igreja do Senhor.
Por que chamam a gente de pentecostal? Devido o fato de Deus ter despertado a igreja lá pelo século XVIII e XIX, e começou aquele movimento entre os metodistas lá na Inglaterra, depois passou para a América, em 1850, 1870 e foi aumentando, em 1880 eles começaram a jejuar e sentir fome de mais poder e quando o século virou Jesus começou a batizar entre os metodistas. Era coisa nova, batizar, batizar, como é que vamos chamar? Chamaram primeiro de Movimento da Santidade (Holiness Movement) e etc. Até que em 1901 começou a formar um grupo e depois surgiram outros (Apóstolos da Fé). Mas isso é coisa local, em Atos dos Apóstolos é a Igreja como tal.
Prosseguindo, renovação e inovação são termos opostos. Renovação (renovação é claro, espiritual) é a pessoa ser libertada por Deus (Deus usa os instrumentos que Ele quer) e a pessoa buscar o cristianismo bíblico. E onde está esse cristianismo bíblico? No sentido público, de Atos 1 a 28. Graças a Deus pelo livro de Atos. E daí para frente lá se vai principalmente de Romanos até o livro de Judas. Então renovação é algo maravilhoso. Renovação é para quem envelheceu, caiu na rotina, o que é um perigo. Nossos irmãos batistas, presbiterianos, são uma benção de Deus, a gente os ama, mas o que aconteceu com eles, coitados? Rotina, eles caíram na rotina. Quem é que aguenta rotina? Feijão com arroz todo dia, arroz com feijão todo dia, rotina. Não, rotina não minha gente! Então, renovação, todo crente normal precisa viver uma vida renovada. Por que irmão Gilberto? Porque envelhece, espiritualmente falando. E como que acontece isso? O Espírito Santo tendo predominância. E inovação? A inovação, Deus nos guarde! Inovação são modismos descabidos, que surgem na pessoa, passam para a família, passam para a igreja. Por causa de que? Falta de conhecimento doutrinário ungido da parte de Deus. Porque a doutrina é viva, a doutrina tem poder vivo. Então a doutrina é a base fundamental da igreja. Naquela manhã que estivemos junto com os colegas lá no templo, eu li Atos 2.42, bem no princípio do livro de Atos: “e perseveravam na doutrina”. Muita gente pensa que doutrina é conversa fiada, quando o termo que está ali, o termo que o Espírito Santo usou (que às vezes é traduzido diferente) é conteúdo bíblico normativo, conteúdo bíblico normatizador. Pronto, eu estou de parabéns, é isso que eu preciso! Eu preciso, usando uma linguagem secular, de um estatuto, um regimento interno, usando uma linguagem figurada, como é uma empresa, um estado, um país, constituição. Então o que é doutrina? Doutrina é um ensino bíblico normatizador. Nem para a direita nem para a esquerda, sempre permaneciam perseverando na doutrina dos apóstolos. É uma pena que aquilo não continuou. Os irmãos se lembram de que a igreja de Corinto se desviou, inclusive deu problemas, problemas, problemas, e quando chega ao capítulo 15 o que Paulo diz? Muitos de vocês não são salvos. Está lá escrito, infelizmente muitos de vocês não são salvos. Mas não é novidade, porque o Senhor Jesus…, se lembra de João capítulo 2, quando Jesus disse: eu não confio em vocês, vocês estão crendo naquele milagre que aconteceu em Caná, mas não confio. O próprio Jesus não confiava neles, está escrito. E eram crentes. O próprio Jesus não confiava neles, é uma pena! Então, a doutrina é a chave. Agora, é claro, a doutrina não é feito um “b – a – bá”. Mas a doutrina é ungida, a doutrina é inspirada pelo Espírito Santo, tem poder.
Então, renovação, Deus envie sobre nós, busquemos a renovação. Agora inovação, Deus nos guarde. Sim, mas lá, do dia pra noite enche. Encher de quantidade não é encher de qualidade. Deus conta primeiro não é com quantidade. Quantidade é uma benção. Não sou contra! Quem é contra isso? Mas quantidade com qualidade!
Irmão Gilberto, como é que se enche uma igreja de quantidade correta? Conversão, conversão genuína. E como é que uma igreja enche de qualidade? Conversão com discipulado, ou seja, doutrina.
Um assunto polêmico, cujo debate já dura por décadas, é o ministério pastoral feminino. Hoje algumas Assembleias de Deus já reconhecem a ordenação de mulheres. Existe respaldo bíblico-doutrinário para isso?
Não, não e outra vez não! Não existe! Ordenação… Mulheres no Santo Ministério, tanto venham. Inclusive muitas vezes elas fazem o trabalho melhor do que os homens. Mas ordenar para o Santo Ministério, não tem base nas Escrituras. E como é que isso está acontecendo? É a igreja a culpada e a igreja vai prestar conta disso. A igreja que eu digo não é a igreja o prédio, os responsáveis vão prestar conta disso. Jesus nunca ordenou mulheres. O apóstolo Paulo que é um paradigma, não separou, nunca ordenou mulheres. Agora, mulheres trabalharem no Santo Ministério, tanto venham. Cantoras, professoras de escola dominical e etc. Mas irmão Gilberto, e diaconisa? Lá no livro de Romanos o apóstolo Paulo disse que aquela irmã era diaconisa na igreja de Cencréia. Onde está isso no original? Não existe! Sim, mas o comentário que eu li diz que era diaconisa. Conversa! No grego está na forma masculina, ou seja, Paulo deixou aquela mulher ali provisoriamente, ou então o trabalho era novinho e não tinha homem nenhum para exercer o diaconato, ele disse vem cá “fulana” (Febe), faz o trabalho aqui, a obra de Deus não pode parar por causa de problema humano. Está no masculino.
Uma vez um pastor presidente de uma grande e renomada convenção, nós estávamos juntos em Goiânia ministrando, e ele no hotel conversando comigo, disse: “estou agora na presidência, vou incentivar, irmão Gilberto, o diaconato das mulheres que está praticamente parado. O que o irmão diz?”
– Eu prefiro primeiro que o senhor que é o chefe, me dê alguma coisa.
Ele disse: “eu me baseio lá em Rm 16, Febe, aquela irmã que era um tesouro na igreja de Cencréia (inclusive quando os irmãos forem a Grécia visitem as ruínas de Cencréia. Eu fui lá visitar, só tem ruínas, e eu fiquei pensando onde é que ficaria aqui a casa dela, porque tudo indica que era uma mulher de muito dinheiro. Paulo disse: “ela me hospedou muitas vezes, e hospedou a muitos”), que era diaconisa, a Bíblia em português diz: que serve ao Senhor na igreja de Cencréia, outra versão que eu tenho diz que ela servia como diaconisa”. Eu me calei, e ele disse: “uma segunda passagem, irmão Gilberto, que eu tenho em mente é lá em Timóteo quando a Bíblia diz: e as mulheres…”
Eu disse: Pastor, a passagem de Romanos no original está no masculino, pode pegar qualquer manuscrito bíblico. Ou seja, ou o trabalho era novinho e não tinha homens habilitados, e o apóstolo Paulo um homem cheio do Espírito Santo, a obra de Deus não ia parar por causa de problema humano. Vem cá, Febe, exerce aqui enquanto não se prepara um homem, ou então não sei a razão, a Bíblia não explica, mas está no masculino.
“E lá em Timóteo?”
Pode pegar o termo original que a oração no grego pára, e quando diz as mulheres, são as esposas dos obreiros. Ele parou, e parou até hoje.
Voltando a pergunta, o que o irmão diz disso? É anti-bíblico. E o que fazer? Quem estiver fazendo vai prestar conta a Deus. Mas infelizmente não é só ordenação de mulheres, é muita coisa que a igreja decide por ela. Eu podia fazer menção aqui, não vou, não há necessidade. Para ninguém pensar que é só esse fato: São várias coisas que a igreja faz sem ter… Por exemplo, há igrejas que só separam (consagram) obreiros para o diaconato se forem casados, não estou criticando a igreja local, há igreja que só separa (consagra) casados, porque o escândalo está sendo grande de obreiros solteiros. Enfim, a igreja que tomou a decisão, não é a Bíblia.
Batismo em águas: tem igreja que a pessoa se entregou pra Jesus, foi perdoada ali mesmo, foi convertida, batiza na água. Tem igreja que diz: “Não, aqui pra ser batizado tem que fazer um cursinho”. Lá na minha igreja, por exemplo, tem um cursinho de três meses, onde está isso na Bíblia? Lugar nenhum. É a igreja que decide!
Realização de matrimônio, esse caso é mais um, só que este é grave.
Então, em resumo, não tem base na Escritura, nem no Antigo, nem no Novo Testamento. Deus quer a mulher no ministério, quanto mais, melhor, para muita tarefa. Mas ordenação para cuidar do rebanho Deus reservou para o homem. De modo que esse negócio está dando problema. E os que estão na Assembleia de Deus? Vão prestar conta a Deus! Vamos brigar com eles? Deixa pra lá, vão prestar conta a Deus! Esse é que é o problema, a Bíblia diz cada um de nós. Eu vou dar conta e os irmãos vão dar conta também. Se o Tribunal de Cristo fosse coletivo…, mas a Bíblia diz cada um. Então nós temos que pensar nisso.
Qual o posicionamento do pastor diante das mudanças dos crentes na conjuntura sociológica na pós-modernidade?
Em primeiro lugar, o que é pós-modernidade, no sentido bem popular? É o predomínio do humanismo, (não estou falando de humanitarismo, estou falando de humanismo). E o que é humanismo em filosofia? É o homem ser o centro e Deus jogado fora. É isso que o mundo, inclusive o Brasil vive. E como começou isso? Começou há décadas, logo depois da Segunda Guerra Mundial. Então não é o humanitarismo, porque este é uma coisa maravilhosa, eu estou falando de humanismo. E o que é humanismo, onde está na Bíblia? 2 Timóteo 3, está bem claro isso lá, como sinal da vinda de Cristo. O homem passa a ser o centro de tudo e Deus na periferia jogado fora. E pode ver, a sociedade chegou nesse ponto. Nem na igreja Católica, eles vão à missa só pra marcar ponto, nem sabem quem é o vigário, acabou. A igreja Católica hoje vive somente de forma.
Então qual o posicionamento do pastor diante das mudanças dos crentes na conjuntura sociológica na pós-modernidade? Pós-modernidade é um movimento filosófico de inspiração satânica que começou logo depois da Segunda Guerra Mundial, por volta do ano de 1947.
E qual é a filosofia? O homem é o centro de tudo. Pode-se ver, colégio, faculdade, fábrica e tudo. E Deus? Jogado fora, nem é mencionado.
E no passado? Não, no passado pelo menos em teoria, hoje nem em teoria. E o que é que diz a Bíblia lá nas epístolas? Moralmente o mundo irá de mal a pior. Tecnicamente não. Quem é que não sabe que tecnicamente o mundo está se tornando uma maravilha? São satélites, computadores, é uma benção. Mas moralmente, irmãos queridos, não vai mudar, vai piorar. Mas essa nova geração, e escola, e programas do governo, as associações? Não dá em nada, a Bíblia diz, irá de mal a pior. Em que sentido? Moralmente. Graças a Deus que a igreja está na terra pregando o Evangelho, só que a igreja tem que tomar cuidado pra se manter renovada, e isso custa um preço porque o humanismo, ou seja, o pós-modernismo tomou conta da sociedade e principalmente da juventude. Deus tenha misericórdia da juventude! O irmão Edenin Pontes Neto tem 22 anos, essa idade é difícil. Então um jovem como o irmão, na igreja, devemos levantar as mãos não sei quantas vezes para o céu e louvar a Deus.
Quando eu estive na Escandinávia, pouco tempo em viagem de pesquisa, mas ninguém sabia, os irmãos sabem que foi a Escandinávia que evangelizou a América do Sul, muita gente pensa que foi só o Brasil, na época eles mandaram missionários também para a Argentina, Peru, Chile, Colômbia, nós somos brasileiros destacamos o Brasil. Os irmãos sabem disso, que vieram da Escandinávia, da Suécia, da Finlândia, da Noruega. E vejam, claro que eu estou repartindo isso porque os irmãos são obreiros, se fossem novos convertidos eu não compartilharia isso. Na nossa despedida lá, o pastor da Igreja Filadélfia, pastor Scott, nome bem difícil dele, um pastor ainda bem jovem, disse:
– “irmão Antônio Gilberto, eu gostaria de saber como será sua volta”.
Eu disse: “eu tenho que pegar um vôo às 16 horas para Berlim e preciso estar liberado, enfim, até a hora do almoço”.
Ele disse: “Olha, eu vou convocar hoje à noite, domingo, o ministério pra uma despedida, com um café, uma palavra da parte do irmão”.
Eu falo um pouquinho de sueco, era pra falar melhor, mas a gente perde o controle. O sueco é muito parecido com o inglês, o finlandês é mais parecido ainda. Bom, veja só o que aconteceu: no momento certo eu estava numa sala muito bonita, aproximadamente uns 60 homens e mulheres, diáconos, etc. Eu compartilhei um texto bíblico, ele apresentou os obreiros que eram obreiros-chave, logo em seguida ele disse:
– “Meus irmãos, o irmão Gilberto ele precisa se organizar para viajar, agradeço os irmãos por terem vindo, tiramos foto, agora eu dispenso os irmãos, por favor, deixem o recinto calmamente”.
Ele chegou pra mim e disse:
– “Irmão Gilberto, eu preciso, eu e minha esposa que está aqui, ficar alguns minutos com o irmão antes do irmão ir para o hotel”.
Então os obreiros se despediram, nos abraçamos ali, tiramos fotos e foram embora. Logo que saíram, ele disse:
– “Vamos para o meu gabinete”.
E quando chegamos lá no gabinete ele disse:
– “Olha irmão Gilberto, fomos nós”. Ele disse isso com os olhos lacrimejando e com a voz embargada.
– “Irmão Gilberto, o irmão bem sabe que fomos nós que no século passado, a Escandinávia, principalmente a Suécia, que Deus abalou o país, batizou com o Espírito Santo levantou aquela igreja poderosa e uma das primeiras coisas foi mandar missionários, e missionários para o Brasil, Daniel Berg e Gunnar Vingren e dezenas de outros”.
Deus os abençoou que levantaram aquela obra no Brasil e depois vieram os missionários americanos, enfim. Aquilo me doeu. De fato nós estamos pecando.
Ele disse isso comovido:
– “A gente nota irmão Antônio Gilberto, ida e volta de obreiros do Brasil pra América, para o Canadá e nós aqui abandonados”. Então com lágrimas nos olhos ele disse: “Venham nos socorrer!”
Aquilo me doeu, eu não agüentei e chorei também. “Venham nos socorrer!” Mas, meu irmão em que sentido?
Ele disse: “Jejuem por nós, jejuem por nós, morram por nós num certo sentido”.
Está difícil a situação na Escandinávia. Agora o pós-modernismo está uma maravilha lá, entre aspas. Então, irmãos, significa que Jesus está voltando. Isso serve para gente botar as barbas de molho.
Há uma afirmação de que a igreja evangélica brasileira está cansada, o que ocasiona mudanças de paradigmas em relação aos modelos tradicionais, e leva muitos crentes ao abandono do convívio fraterno, substituindo-o por um modelo de vida cristã alternativa. Como o senhor avalia essa situação?
Falta de um avivamento espiritual de acordo com o livro de Atos. Vamos buscar um avivamento de acordo com John Edward? Não! Vamos buscar um avivamento de acordo com “Fulano de tal”? Não! Um avivamento segundo o Livro de Atos do Apóstolos!. Aonde? Capítulo 2, 8, 13 e 19, o livro de Atos. E aquele avivamento de John Edward? Aquilo foi para aquele tempo. Não vamos copiar modelo dos outros. Então a resposta aqui é uma só: um avivamento! Agora, um avivamento com base na doutrina, se não ele pode descambar para a direita. Os irmãos já notaram que sempre que a Bíblia previne sobre desvio, e não tem nenhum texto contrário, sempre que a Bíblia alerta sobre desvio, cuidado com o desvio para a direita e depois para a esquerda?
A Bíblia nunca diz primeiro para a esquerda. Nós fizemos um levantamento criterioso disso à luz do texto original e só tem 11 vezes na Bíblia. Só tem 11 vezes Deus dizendo: cuidado com o desvio para direita e depois para esquerda. Deus nunca diz primeiro esquerda. Não!
E o que é desvio para direita? Desvio para o lado certo, ou seja, exagero, fanatismo, torcer a verdade bíblica, pegar as escrituras e adulterar. Isso arrasa a igreja. Nós estamos tendo essa dificuldade. Essa igreja que eu fui ministrar lá no RJ, neo-pentecostalista, meu Deus! Desvio total. Eu estava ministrando, já do meio para o fim do estudo bíblico, quando um homem se levantou no auditório, começou a pular e profetizar. O pastor que me convidou disse: “irmão Gilberto, me dê licença”. Pegou o microfone e disse: “irmãos diáconos vão lá e mandem esse homem parar!” Os diáconos correram lá e o homem se revoltou, inclusive pegou uma cadeira, levantou e pulou com a cadeira. Aí uma irmã se levantou e disse: “é o espírito, é o espírito!” O pastor disse: “Mas não é o Espírito do Senhor!”.
Olha, levaram uns 5 minutos para ele acalmar. Arrancaram o homem e o levaram de quatro pés lá para o lado de fora. Avivamento… Levaram o homem de quatro pés, seguram nas duas mãos e nos dois pés. E a irmã? Disse o pastor: “Diaconisas venham depressa!”
As irmãs vieram, seguraram a saia dela, saia muito curtinha, e a levaram de quatro pés lá para não sei aonde.
Avivamento… Devido o que? Desvio para direita. O desvio para direita é pior que desvio para esquerda.
O que é desvio para esquerda? Desvio para pecar. Esquerda é o lado do erro. Deus nunca diz: Cuidado com o desvio para esquerda e depois direita. A Bíblia sempre diz… Se lembram de Josué? Josué, não te desvie nem para direita nem para esquerda. Então nós temos que ter cuidado com isso, avivamento é uma benção de Deus, mas um avivamento bíblico, se não pode desviar para direita.
O senhor afirmou, durante o seminário, que a família está fragilizada. Qual a conseqüência disso para a igreja e como revitalizar a família?
Os irmãos sabem o que é fragilizada? É uma coisa que se quebra com facilidade. Se não for dado um jeito nisso, ele se fragmenta. A família dentro da igreja – fora da igreja, Deus tenha misericórdia – está fragilizada. E qual é o passo seguinte se não houver uma providência Divina? Fragmentar a família. Sabe o que é fragmentar? Virar pedaços. E o qual é o terceiro passo? Ruína. Onde está isso na Bíblia? Lucas 17, quando Jesus alertou. E onde está mais sobre isso? 2 Timóteo 3, está bem claro isso. Lá no final diz: “proibindo o casamento”. Então a igreja vive este tempo, ou seja, em suma, busquemos a renovação, busquemos o avivamento.
Agora, doutrina é a chave: “permaneciam na doutrina dos apóstolos”. Então, os irmãos sabem que isso dói, porque a família é sagrada. Meu Deus, a família é a chave de tudo. De onde vem o governo? De onde vem o município? De onde vem o operário da fábrica? De onde vem o membro da igreja? De algo maravilhoso chamado família. E quais são os dois esteios da família? O marido e a mulher, a mulher e o marido, são os esteios.
O que o senhor diz da igreja brasileira em face da atual política governamental?
Voltar ao Livro de Atos dos Apóstolos! Como assim? O livro de Atos está repleto de políticos, mas fora da igreja. Nada de mandar na igreja. Lá está o nome de Cláudio, lá está o nome de Festo, lá está o nome de Herodes, o nome de Agripa. Todos eles eram grandes políticos, mas nada de se meter na igreja, ou seja, não deve haver intervenção, intromissão com político e político na igreja pra mandar. O livro de Atos está repleto de políticos, só que no seu lugar e a igreja no lugar dela. Hoje em muitos lugares estamos vendo a mistura. O livro de Atos é o nosso modelo. Lá está Cláudio, César, está Festo… Inclusive o caso de Festo! Por falar nisso, irmãos, é uma coisa terrível, porque ele veio com Berenice, quando veio para comparecer diante de Paulo. Ele veio com sua esposa Berenice. Os irmãos sabiam que Berenice era irmã carnal dele? Vejam como estava o mundo romano! Berenice era irmã carnal e ele vivia com ela e ela com ele como marido e mulher. É pavoroso! A Bíblia não diz isso porque a Bíblia não tem nada haver. Mas quando o irmão pesquisa nos anais, como eu pesquisei em Roma… Irmãos carnais, ele largou a mulher com quem ele tinha casado e se juntou com a própria irmã e apareceu perante Paulo. Terrível, terrível!
Voltando a pergunta… Políticos na igreja? Bem dito seja Deus. Nos cultos, como membro da igreja, tudo bem, agora se imiscuir, não, não, não!
Para ilustrar isso aqui, eu cheguei a mencionar que eu tive um convite, muito honroso de ministrar para os executivos da grande empresa de cimento, a Votorantim. Os irmãos sabem que a Votorantim é uma potência, aqui no Espírito Santo deve ter sucursal, escritório. A Votorantim é magnata, imaginem o privilégio! Eles mandaram um ofício para a Convenção Geral e caiu nas mãos do Pr. José Wellington, nosso presidente, para ele designar alguém para ministrar numa palestra religiosa de 50 minutos, na reunião nacional dos executivos, numa cidade do Rio de Janeiro chamada Friburgo, onde fica uma das grandes fábricas deles. O irmão Wellington ligou pra mim, eu disse: “irmão Wellington por que o senhor não vai?” Ele disse: “Eu não vou nada. Gilberto, você aceita?” Eu disse: Só se eu receber pormenores e o senhor orar por mim. Ele disse: “A gente ora!” Concluindo, eu aceitei e então o secretário da empresa entrou em contato comigo e disse: “A primeira coisa que pedimos, por obsequio, é o senhor enviar o seu currículo, é norma”. Está bem, eu não gosto de mandar para ninguém, mas eu envio. Eu enviei meu currículo. Ele disse: “Segunda coisa, desde agora o senhor está com motorista e carro a sua disposição, é seu. Se o senhor quiser vir de helicóptero, nós temos, pegamos o senhor, levamos em casa. Mas se o senhor quiser vir de avião, daqueles jatos de dois motores, aqui tem aeroporto, tem tudo. O senhor pode trazer sua família. E outra coisa, o senhor quer hotel de cinco, quatro ou três estrelas?” Eu disse que não faço questão de estrelas, contanto que seja bonzinho. Resultado: fomos lá para a reunião e quando completaram os 50 minutos, o mestre de cerimônia (o MC), me chamou a parte e disse: “O auditório está pedindo se o senhor pode prorrogar meia hora mais?” Eu fiquei surpreso. Ele disse: “O auditório está pedindo se o senhor pode prorrogar a palestra por mais meia hora?” Eu disse: Poder, eu posso. Mas eles não vão se cansar? Ele disse: “São eles que estão pedindo! Segundo, o auditório, os executivos estão perguntando se é o possível o senhor responder perguntas?” Eu disse que perguntas já é fórum, e o convite que eu tenho aqui é uma mensagem religiosa. Ele disse: “Está certo, deixe comigo que eu dou a resposta para eles”. Eu digo então, perguntas já é um fórum, eu não me nego se eu souber, mas misturar… Ele disse: “Está certo, o senhor é pastor, deixe comigo”.
Voltando… A que ponto quero chegar? Quando terminou tudo, foi servido um coquetel. O executivo chefe me chamou num canto e disse: “Isso aqui não é um pagamento, ao contrário, isso aqui é um honorário”. Foi uma benção de Deus, Yolanda pulou de alegria. Porque foi um bom dinheiro e eu estava com alguns problemas de aperto financeiro, inclusive um seminário que eu precisava participar na Alemanha e a coisa estava feia, porque a moeda de lá é o Euro e o Euro não é fácil, dói na gente, pois a gente pega um tanto de Real e quando cambia fica pouquinho… Eu agradeci. Aí ele já veio para o lado de fora, com a cúpula dos executivos e disse: “Senhores executivos, setor do Maranhão, setor gaúcho, etc. Senhores executivos, ouçam bem o que nós vamos dizer agora. O reverendo já está saindo, indo embora. Os senhores se lembram de que até agora quem fazia esse trabalho era padre. Todo ano vinha um monsenhor ou um bispo, só, reverendo, que eles só falavam aqui de política. Só vinham falar de política e filosofia. Chega! Política nós temos, filosofia nós temos. Aqui está o doutor ‘Fulano’ que é catedrático de ‘não sei do que’. Reverendo, não dá! Então nós resolvemos mudar agora e chamar um pastor”. Eu digo, como é que estão as coisas na face da terra? Incrédulo mudando. Eu digo, gente isso é uma lição para nós. A gente às vezes não quer mudar nada quando é hora de mudar. Ele disse: “Resolvemos mudar, porque todo ano é um bispo, um arcebispo, um monsenhor. Só reverendo, que ultimamente eles só vinham falando de Planalto, Brasília, ONU, política, etc. E nós queremos é alguma coisa para nossa alma!” Eu lá dentro de mim eu dei um glória a Jesus e ainda falei algumas línguas em segredo, eles viram os lábios se mexendo, mas eu segurando as línguas ali no espírito. E de fato, este ano o convite foi feito para a igreja presbiteriana e quem foi lá este ano foi o reverendo Estevão. Mas vejam como que está o mundo, o mundo pedindo socorro à igreja. Agora eu pergunto, nós temos o pão pra dar? Graças a Deus!
Que mensagem o senhor deixa para os crentes capixabas, diante da crise de identidade vivida nos últimos dias?
A última mensagem que deixo é que nós precisamos realizar retiros espirituais, realizar reuniões da porta para dentro das igrejas, só para o rebanho do Senhor, para essa finalidade de oração, de estudo da Palavra, de concentração com o fim de buscar de batismo com o Espírito Santo. Mas batismo genuíno! Pois muita gente não busca porque acha que não precisa, quando o batismo com o Espírito Santo, os irmãos sabem, que é uma dádiva tão preciosa que Jesus disse para ficar lá até receber. Mas também quem é batizado, renovar-se, renovar-se, renovar-se! É a nossa mensagem. É a mensagem de Atos. Renovação, renovação espiritual. E concluindo, eu deixaria também para o programa, em Romanos 15.29, onde Paulo disse: “eu vou a vocês, até Roma, só que eu vou pregar o evangelho completo”. Ou seja, que Jesus salva, que Jesus cura, que Jesus batiza, que Jesus renova, que Jesus vem outra vez. Ele disse, “eu vou a Roma sim, só eu vou levar o evangelho pleno”.
Que Deus nos conceda viver o evangelho pleno. Em Romanos 15.29 ele disse: “Eu vou a Roma levando o evangelho pleno”. O evangelho que não é pleno, ele é uma benção, ele abençoa. Mas o evangelho pleno, ele é maravilhoso.
Quem é o pastor Antônio Gilberto?
Eu sou membro da Igreja Assembleia de Deus no Brasil (em Cordovil/RJ). Pela graça de Deus, salvo por Jesus. Ele por sua graça, além de me salvar, me trouxe para o Santo Ministério e nele tem me usado. Mas toda honra, glória, louvor e mérito é dEle e só dEle. E por sua graça Ele também me deu uma esposa (Irmã Yolanda) paciente, compreensiva, que coloca o ombro debaixo da carga e geme sozinha. Eu chego muitas vezes, às vezes a noite eu venho de certos compromissos, lá está ela sentada ou ajoelhada ou em pé orando, orando, orando. Portanto 75, 80, 85 por cento do que eu faço para Deus, eu devo a Deus através dela. Mas eu sou um servo, os irmãos sabem que duas maravilhas na vida do crente, duas grandes maravilhas, é que o crente primeiramente é filho. Filho de Deus só tem um tipo, ou a pessoa é ou não é. Não existe neto, Deus não tem neto. Deus só tem filhos. E em segundo lugar, servo. Filho de Deus só existe um tipo. Mas tem muito tipo de servo, inclusive tem o servo mal e lá no livro de Isaías 42 tem servo cego. Meu Deus! Está lá escrito. Então Deus tem tido misericórdia e nos tem feito filho e servo.
Algumas outras coisas que são seculares, que qualquer pessoa tem. Algumas faculdades. Alguns idiomas. Mas isso é coisa normal que todo mundo pode fazer. Mas a grande maravilha é que eu sou filho, como os irmãos também são filhos. Não são netos, nem afilhados, filhos de Deus! E a maravilha? Ser servo!
Eu agradeço esse privilégio da entrevista e lhe peço o obsequio do irmão editar e, por favor, coloque isso em cinco minutos. (rs) – “As perguntas são muito bem feitas, muito abrangentes. Cada pergunta dessas merecia uma entrevista à parte”. Pr. Antônio Gilberto
Por Pr. Paulo Pontes / Seara News / Por Tiago Chagas, para o Gospel+