terça-feira, 14 de novembro de 2017

Ator da Globo detona ideologia de gênero: “estão brincando de Deus”

Ator da Globo detona ideologia de gênero: “estão brincando de Deus”

Carlos Vereza pediu que o presidente Temer impeça que tema seja ensinado em sala de aula

O presidente Michel Temer recebeu no início noite desta segunda-feira (13) o ator global Carlos Vereza.
Durante o encontro, o ator reclamou que a ideologia de gênero está “erotizando as crianças” e irá gerar “traumas quando adultos”. Ele pediu que Temer, “como comandante supremo do país”, tomasse uma medida para “parar com a solerte ideologia de gênero”.
Segundo Vereza, os professores “estão brincando de Deus e mudando toda a biologia”. “Por mais que eles inventem, homem não tem útero e mulher não tem pênis”, finalizou.
No final da reunião, o ator disse que Temer foi “receptivo” ao seu pedido. Com informaçõesO Globo

Ativistas LGBT fazem com que a ONU se posicione oficialmente contra os cristãos

Ativistas LGBT fazem com que a ONU se posicione oficialmente contra os cristãos

Relatório afirma que "fundamentalistas" violam os "direitos culturais" dos LGBT

Para os ativistas LGBT – pró-aborto e pela ideologia do gênero – os cristãos são um obstáculo crescente para a imposição de sua agenda. A ONG Promsex, com sede no Peru, fez uma denúncia junto à Organização das Nações Unidas (ONU), alegando violação dos “direitos culturais”.
O “Relatório Especial de Direitos Culturais”, elaborado pela ONU a partir das “denúncias” da Promsex, insiste que “o fundamentalismo religioso tende a causar um impacto desproporcional sobre os direitos das mulheres”. Na verdade, eles reclamam da pressão feita pelos movimentos cristãos (evangélicos e católicos) contra as organizações feministas que lutam pela legalização do aborto, alegando que se trata de “direitos reprodutivos”.
O termo “fundamentalistas” foi usado para se referir aos grupos que, segundo eles, “rejeitam a igualdade e universalidade dos direitos humanos, baseando-se em visões mundiais rígidas”. Também protestam que “alguns desses grupos costumam impor sua interpretação de doutrinas religiosas, de modo que as leis e políticas que eles promovem são baseadas em ideias estereotipadas e sexistas sobre as relações de gênero”.
Em seu Relatório Especial, a ONU afirma que é obrigação dos Estados “prevenir e punir os atos cometidos por atores não estatais, como grupos da sociedade civil, igrejas, entre outros, que são fundamentalistas e extremistas, contrários aos direitos humanos”.
Por fim, acusam os cristãos de serem “o muro que os impede de avançar” com sua agenda. Propositalmente, ignoraram o fato de que as organizações cristãs é que são responsáveis – através de asilos, orfanatos, e abrigos – pelo cuidado de mulheres, crianças e idosos que não recebem o apoio das autoridades. Não se conhece instituições similares fundadas e mantidas por feministas e ativistas LGBT.
A Promsex é mais uma ONG ligada à Planned Parenthood, fazendo parte da rede que George Soros tem montado para impor sua agenda globalista na América Latina.
Em um texto publicado recentemente no site da Open Societydivulgado no Twitter oficial de Soros, ele lamenta o crescimento na América Latina do “movimento conservador”. Para Soros, essa é “uma ideologia falsa”, que se opõe ao conceito “libertador da ideologia do gênero”.  Quem são os culpados? Sobretudo os cristãos, que “procuram benefícios religiosos”. Por isso, argumenta, é preciso um acirramento de posições em 2018.
No mês passado ele divulgou que está investindo 18 bilhões de dólares na Open Society para a “promoção dos direitos humanos”. A julgar pela argumentação da Promsex, isso significa, na prática, promoção das pautas anticristãs.
Por Jarbas Aragão / via gospelprime.com.br

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Saiba porque este homem perdoou a esposa após ela ter engravidado de outro

Fonte: gospelmais.com.br

Uma traição pode fazer ruir toda a estrutura familiar a partir do justificado divórcio, mas também pode ser uma provação que traz renovo e avivamento quando o perdão vence a mágoa. Esse é o testemunho do pastor Bob, que perdoou um caso extraconjugal da esposa com um jovem da igreja que eles dirigem.
Tudo começou quando este jovem passou a flertar com sua esposa, que iniciamente, não correspondeu às investidas do rapaz, e falou com o marido sobre o que tinha acontecido. “Como pastor eu vi que esse jovem só precisava de alguma orientação. Nós o convidamos para fazer parte de nossas atividades familiares”, disse Bob.
A esposa de Bob, Audrey, afirmou que a proximidade com a família parece ter encorajado o rapaz: “Ele começou a fazer tudo pela gente. Quanto mais ficávamos juntos, mais ele me elogiava, dizendo ‘você é tão linda em todos os sentidos, eu queria encontrar uma garota tão bonita quanto você’. Apesar disso, nada havia acontecido”, relatou.
“O pecado leva a gente para mais longe do que imaginamos”, constatou Audrey, antes de relembrar o momento em que cedeu à investida. “Um pequeno toque da mão me eletrificou de alguma forma e eu queria mais daquilo. O pecado nunca está satisfeito. Eu tive um caso sexual com esse rapaz por três semanas e eu sabia que não poderia continuar”, afirmou.

Destruição

Quando Audrey constatou que estava em uma situação que não poderia ser mantida, tomou uma decisão de romper com o pecado e decidiu revelar seus erros ao marido. “Eu disse toda a verdade”, resumiu, de acordo com o relato feito à Associação Evangelística Billy Graham.
O pastor Bob admitiu que o ódio rondou seu coração: “Minha mente começou a ficar inundada com imagens desse rapaz”, disse ele. Porém, a provação seria ainda maior, e ele ainda precisaria encontrar forças para perdoar a esposa e conviver com as consequências daquele affair, pois descobriram que Audrey havia engravidado do rapaz.
“Naquele dia, eu não pensei que poderia enfrentar tudo. Eu senti que tinha explodido toda a minha família”, disse Audrey. “Eu gritei para Deus: ‘Você vai me perdoar?’. Eu procurei meu marido e perguntei se ele poderia encontrar em seu coração algum motivo para me amar de novo”, acrescentou.
O pastor, que pregou o Evangelho a vida toda, contou como foi estar na situação em que aconselhou diversas outras pessoas a perdoar: “Eu sabia que tinha de perdoá-la. O perdão foi um processo para mim. Mas, juntos, escolhemos Deus. Estávamos esperando que Ele pudesse nos resgatar, minha família e meus filhos”, disse Bob.

Recomeço

O perdão expõe evidências de sua presença. E a prova está na postura do pastor, que resolveu batizar o filho nascido da traição com seu próprio nome: “Eu dei-lhe meu nome, ‘Robert’. Eu não quero que o meu filho pergunte de quem ele é. Ele é meu filho agora”, disse.
“O fato de ele ter seu nome mostra uma aceitação completa. É um vislumbre do que Deus faz por nós. Ele não só nos aceita, não só nos perdoa, mas Ele nos dá Seu nome e redime a nossa vida”, conclui Audrey.
“Há um avivamento após o arrependimento”, complementou o pastor Bob, livre de mágoas. Assista ao depoimento emocionado do casal, em inglês, para o canal da Associação Evangelística Billy Graham no YouTube:





FonteFonteFontr










“Dobre os joelhos e ore até se tornar amigo íntimo de Deus”, diz Billy Graham em vídeo comemorativo a seus 99 anos

Resultado de imagem para billy graham


“Dobre os joelhos e ore até se tornar amigo íntimo de Deus”, diz Billy Graham em vídeo comemorativo a seus 99 anos

O aniversário de 99 anos de Billy Graham aconteceu na última terça-feira, 07 de novembro, e seu filho, pastor Franklin Graham, divulgou um vídeo com uma breve mensagem do evangelista a respeito da importância da oração para a jornada de fé cristã.
O vídeo, produzido de forma prévia, contou com depoimentos de amigos, familiares e pastores que fizeram parte do ministério de Billy Graham enquanto ele ainda estava na ativa, viajando para pregar.
No vídeo, Billy Graham revela que ainda hoje ora por um “despertar espiritual” nas pessoas, e destacou a importância do evangelismo para que isso aconteça, pois só será possível se as pessoas “entregarem suas vidas a Jesus Cristo”.
Com experiência de sobra, o evangelista aconselha fazer “tudo o que for possível para seguir os passos de Jesus”, que resulta inevitavelmente em uma vida em que as pessoas “se amam e ajudam umas às outras”, seguindo a Palavra de Deus com a ajuda do Espírito Santo para manter “um estilo de vida profundo […] de amor, gentileza e paciência”.
“Dobre seus joelhos e ore até que você e Deus se tornem amigos íntimos”, ensinou o evangelista que entrou em seu 100º ano de vida. O vídeo, abaixo, contem as declarações de amigos e familiares, e também traz trechos de um sermão pregado por Billy Graham em 1986 na cidade de Amsterdam. Confira:
Fonte: gospelmais.com.br

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

“Deus te livrou de Ló”, diz Samuel Ferreira à Wellington Júnior

“Deus te livrou de Ló”, diz Samuel Ferreira à Wellington Júnior

Fala foi referência à saída do pastor Samuel Câmara da CGADB
Nesta segunda-feira (6) a Assembleia de Deus Belém de São Paulo realizou um culto especial em comemoração ao aniversário do pastar Wellington Júnior, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB).

Entre os convidados estavam o pastor Samuel Ferreira, da Assembleia de Deus do Brás, Ministério Madureira, que fez uma declaração polêmica a respeito da saída do pastor Samuel Câmara da CGADB.
Na pequena ministração, Ferreira comparou Câmara com Ló, sem citar seu nome, mas declarando que Ló queria a posição que era de Abraão. “Ló queria o que não era dele e não aceitava o lugar dele (Abraão). Tentou fazer campanha para ganhar, brigou, mas não era o lugar dele”, declarou.
Ao finalizar a palavra, Ferreira declarou: “Um dia Deus dividiu Ló e Abrão. Primeiro quero te dar parabéns, pois de Ló Deus já te livrou”, declarou Samuel Ferreira para Wellington Júnior.
“Depois de Ló ir embora, graças a Deus que foi, Deus chamou Abraão e disse: ‘Abraão, agora aquilo que seus olhos virem e seus pés conseguirem chegar, esse lugar Eu te dou e tenho dado como cumprimento da minha promessa”, continuou.
Fonte: jmnoticia.com.br

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Pastor Samuel Câmara protocola desligamento da CGADB e dá passo decisivo para fundar nova convenção


Resultado de imagem para Dissidencia de Samuel Câmara

Pastor Samuel Câmara protocola desligamento da CGADB e dá passo decisivo para fundar nova convenção

O pastor Samuel Câmara deu um novo passo para a fundação de uma nova convenção das Assembleias de Deus, dissidente da entidade que hoje é majoritária na denominação, a CGADB, presidida pelo pastor José Wellington Jr, ao pedir seu desligamento de forma oficial.
O documento foi protocolado no último dia 31 de outubro e o pastor destaca que a escolha da data coincidiu com a celebração dos 500 anos da Reforma Protestante e seu aniversário de 60 anos de vida.
Câmara passou 33 anos filiado à CGADB e disputou diversas eleições para a presidência, e a disputa com o clã Bezerra da Costa sempre resultou em atritos e disputas judiciais. Na última eleição, realizada através de uma plataforma na internet, a Justiça supendeu o pleito, mas a diretoria da CGADB levou os procedimentos adiante, ignorando a invalidação de mais de 10 mil inscrições por causa de irregularidades e deu posse a José Wellington Jr. filho do ex-presidente, José Wellington Bezerra da Costa, que passou aproximadamente 30 anos no comando da entidade.
“Venho requerer, de forma irretratável e irrevogável, meu desligamento dessa Convenção Geral, nos termos do Artigo 5º da Constituição Federal, inciso XX. Esclareço que este pedido se restringe, tão somente, ao desligamento da CGADB, nada tendo a ver com pastorado e membresia da Assembleia de Deus, Igreja da qual faço parte e sirvo, desde sempre”, frisou Câmara no protocolo.
De acordo com informações do portal JM Notícia, a ideia de Câmara é fundar, com o apoio de 25 mil pastores espalhados pelo Brasil, a Convenção da Assembleia de Deus do Brasil (CADB): “É um novo movimento que vem trazer avanços, dinamismo e resgate histórico da Assembleia de Deus. […] Nasce frutífero e abençoado com inúmeros pastores, ministérios e convenções que se unem para fazer um Assembleia de Deus mais forte”, declarou Samuel Câmara.
No último domingo, 05 de outubro, a Convenção Estadual das Assembleias de Deus no Amazonas, presidida pelo pastor Jônatas Câmara, anunciou em uma reunião com mais de três mil obreiros que a entidade estava se desligando oficialmente da CGADB, confirmando que há uma articulação em andamento para a fundação da nova entidade.
Esse movimento maciço e coordenado é uma resposta à postura adotada pelo clã Bezerra da Costa na direção da CGADB. Muitos pastores da Assembleia de Deus acusam a família do ex-presidente de ter transformado a entidade em uma monarquia. A CGADB é controladora, por exemplo, da editora Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD).
Às vésperas da última eleição, o pastor Cícero Tardim, da Convenção das Igrejas Evangélicas Assembleia de Deus do Paraná (CIEADEP), teceu duras críticas à família Bezerra da Costa: “Como membro da CGADB ele [Wellington Jr.] tem todo direito de se candidatar, porém, o fato de ser filho do atual presidente da instituição deveria ser um ponto de reflexão. Muito tempo no poder, então deveria deixar de ser egoísta e pensar que não são os únicos capacitados e habilitados para presidir a nossa magna CGADB. Não é uma monarquia”, disparou.
O movimento de fundação da nova convenção nasce, segundo o pastor André Câmara, filho de Samuel Câmara, em um vácuo aberto pela própria CGADB: “Muitos pastores do Brasil já saíram ou estão em processo de sair, mas de forma espontânea e pessoal. Parece inevitável que um movimento levantado por Deus aconteça para dar dinâmica e visão para pastores assembleianos”, afirmou, salientando que a nova entidade seria “livre e fiel às ideias históricas da Assembleia de Deus”.

Trecho da carta de desligamento protocolada junto à CGADB

Fonte: gospelmais.com.br

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Movimento de “ex-evangélicos” cresce entre cristãos que não apoiam discursos “radicais”

Movimento de “ex-evangélicos” cresce entre cristãos que não apoiam discursos “radicais”

Um movimento no meio cristão quer abandonar o termo “evangélico” para se distanciar da imagem formada pela sociedade de posturas radicais, comumente chamadas de “extrema direita”.
A postura desse movimento é de recusa à abordagem evangélica em relação a temas complexos que permeiam a sociedade atual. Um dos principais nomes dessa linha de pensamento é Boz Tchividjian, neto do evangelista Billy Graham.
“Eu não me identifico mais com esse termo. As palavras importam. E ‘evangélico’ não é como ‘batista’ ou ‘episcopal’, que podem ser claramente definidos. Quando você usa esse termo para uma pessoa, é definido pela forma que ela interpreta”, explicou Boz Tchividjian ao jornal The Guardian.
Segundo informações do jornal brasileiro O Globo, existe um crescente número de religiosos americanos que está aderindo a esse movimento, abandonando o rótulo “evangélico” como forma de protestar contra manifestações consideradas radicais, mas, mantendo os princípios da fé cristã protestante.
Um exemplo disso foi a mudança realizada recentemente pela conceituada Sociedade Evangélica da Universidade de Princeton, que removeu o “evangélica” do nome, sendo rebatizada oito décadas depois como Sociedade Cristã de Princeton.
William Boyce, atual secretário-executivo da entidade, afirmou que a mudança foi necessária porque “nos últimos anos estamos vendo mais estudantes que não se reconhecem ou não compreendem corretamente o termo ‘evangélico’”.
Tony Campolo, pastor, fundador do movimento Red Letter Christians, e ex-conselheiro espiritual de Bill Clinton durante sua presidência, também aderiu à iniciativa de abandonar o rótulo “evangélico”: “Nos sentimos desconfortáveis em nos chamarmos como evangélicos, porque o público em geral supõe coisas sobre nós que não são verdadeiras. Não somos favoráveis à pena de morte, não somos a favor da guerra, não odiamos gays e não somos antifeministas”, esclareceu, em entrevista ao portal Premier Christianity.
Boz Tchividjian considera o termo “evangélico” muito amplo, pois a essência da palavra é uma referência às pessoas que seguem os evangelhos da Bíblia Sagrada, incluindo denominações centenárias, como luteranos, metodistas, presbiterianos e batistas, como também igrejas pentecostais e neopentecostais.
“Como temos uma definição tão ampla e vaga do evangélico, uma pessoa pode assumir automaticamente que todo evangélico é defensor do Trump. Estamos olhando a fé através de uma lente política, e isso é perigoso”, opinou Tchividjian, demonstrando postura oposta à do tio, o pastor Franklin Graham, um apoiador do atual presidente dos EUA.
Um apóstata da fé cristã chamado Christopher Stroop se tornou um crítico dos evangélicos e também dos “ex-evangélicos”, afirmando que muitos adotam o discurso politicamente correto de não querer ser associado a ideias “radicais”, mas em sua opinião, continuam defendendo ideias igualmente rejeitadas pela sociedade, como a tipificação da homossexualidade como um pecado.
“Eles apenas querem escapar das associações negativas, mas continuam votando contra os direitos LGBT ou das mulheres. Eu lembro que nos anos 1990 o termo ‘religião’ tinha associações negativas, e então os evangélicos diziam: ‘não é sobre religião, é sobre o relacionamento com Deus’. Eles são muito bons em marketing e esta é uma nova tentativa de ‘rebranding‘ (termo usado para remoldar uma imagem que esteja arranhada)”.
Fonte: gospelmais.com.br

Ativista ateu massacra 26 pessoas durante culto em igreja e deixa outros 30 feridos

Resultado de imagem para Atentado na igreja Batista

Ativista ateu massacra 26 pessoas durante culto em igreja e deixa outros 30 feridos

Um atentado motivado por intolerância religiosa deixou 27 mortos e outros 30 feridos no último domingo, 05 de novembro, na cidade de Sutherland Springs, no estado do Texas (EUA). O autor da barbárie era um ativista ateu que serviu nas Forças Armadas do país e terminou morto pela Polícia.
Por volta das 11h30 da manhã do domingo, Devin Patrick Kelley, 26 anos, invadiu o templo da Primeira Igreja Batista de Sutherland Springs e abriu fogo contra os fiéis. As primeiras investigações sobre o crime dão conta que o atirador Kelley era descrito por seus colegas como “louco”, “assustador” e “estranho” que “pregava o ateísmo”.
A Polícia agiu de forma rápida e terminou matando o atirador durante a perseguição. Em suas redes sociais, Kelley seguia ateus formadores de opinião que pregam uma abordagem radical contra a fé e incentivam o ódio a todas as formas de crença.
Patrick Boyce, que cursou o Ensino Médio com o assassino, o descreveu ao portal Daily Mail: “Ele tinha um filho ou dois, bastante normal, mas um pouco tranquilo e, ultimamente, parecia deprimido. Ele foi o primeiro ateu que conheci. Ele foi da Força Aérea depois do Ensino Médio, foi exonerado, mas não sei por quê”, disse o morador da cidade.
“Eu estava apenas chocado [com as notícias]. Ainda não processei bem como ele poderia ter feito isso”, acrescentou Boyce.
Nina Rose Nava, que também estudou com Kelley, usou as redes sociais para comentar o incidente: “Em choque completo! Eu acabei de excluí-lo do me Facebook porque não aguento sua postagem. Ele sempre estava falando sobre como as pessoas que acreditam em Deus são estúpidas e tentava pregar seu ateísmo”, afirmou.
Christopher Leo Longoria respondeu: “Eu o removi do Facebook por esses mesmos motivos! Ele estava sendo inconveniente o tempo todo”.
Michael Goff acrescentou: “Ele era estranho, mas nunca tão malditamente estranho, sempre postando seu ateísmo, como Nina escreveu, mas ele sempre publicou fotos dele e seu bebê. Louco”.
A internauta Nina Rose Nava foi procurada pela imprensa e reiterou sua visão sobre o assassino: “Fui à escola com ele. Tivemos algumas conversas aqui e ali. Não era algo que eu esperava dele. Ele era um pária, mas não um solitário. Ele era popular entre outros párias. Eu não falava com ele desde o Ensino Médio”.
Um ex-amigo de Kelley escreveu no Facebook: “É assustador saber que este psicopata esteve em minha casa. Eu não posso acreditar que eu era amigo desse cara e eu literalmente passaria a noite em sua casa quando nós éramos crianças”, afirmou.

O atentado

Kelley entrou na Primeira Igreja Batista de Sutherland Springs no domingo, vestido com um equipamento tático preto com um cinto balístico e um rifle de assalto, e começou a disparar, de acordo com informações da Polícia.
Na perseguição, o policial Stephen Willeford, de 55 anos, o feriu a tiro na porta da igreja, mas Kelley conseguiu entrar em seu carro e empreender fuga. Durante a perseguição, ele perdeu o controle do carro e saiu da estrada, e foi achado já sem vida em decorrência da perda de sangue por causa do tiro.
Os policiais descobriram múltiplas armas e possíveis explosivos em seu veículo. A polícia de San Antonio, cidade próxima, também foi à casa de Kelley no domingo à noite e encontrou armas automáticas e outros assessórios militares.

Ateísmo

Uma página do Facebook chamada The Activist Mommy comentou o incidente e chamou atenção para a necessidade de responsabilizar formadores de opinião que agem encorajando a hostilidade contra cristãos no país.
“Realmente, não é surpreendente que o vil assassino em massa ateu dos tiroteios do Texas hoje seguia a página do Facebook de Hemant Mehta”, afirmaram os administradores da página, fazendo referência ao famoso ateu que costuma incentivar protestos agressivos contra cristãos.
“Hemant é um mentiroso cruel sem bússola moral. Quase todas as suas publicações no blog são direcionadas contra os cristãos e o próprio Deus. A sua página alimenta o ódio contra os cristãos”, pontuou a página.
“Em um extraordinário e compassivo show de crueldade hoje, com o susto da tragédia do Texas ainda fresco, Hemant estava a gozar com Deus e os crentes cristãos para orarem pelas vítimas e suas famílias. É realmente chocante o quão baixo os ateus vão se rebaixar para apertar o seu punho em um Deus que não existe”, acrescentou, expressando indignação.
“O tiro em massa de hoje é o resultado final da visão do mundo do ateu. Eles não têm base para reclamar que nada está certo ou errado”, concluiu.
Fonte: gospelmais.com.br

sábado, 4 de novembro de 2017

Dissidência na CGADB: movimento de 25 mil pastores quer fundar nova convenção

Resultado de imagem para samuel camara e a dissidencia na CGADB

Dissidência na CGADB: movimento de 25 mil pastores quer fundar nova convenção

Um movimento surpreendente de dissidência vem se organizando nos bastidores da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) e poderá dar origem a uma nova entidade organizacional dos pastores assembleianos. A estimativa é que 25 mil sacerdotes da denominação migrem para a convenção a ser criada.
Ao longo dos últimos anos a CGADB tem sido o centro de constantes polêmicas que sempre terminam em batalhas judiciais. Em geral, o ponto de partida dos embates são as eleições para a presidência, vice-presidências regionais e demais cargos da diretoria. Samuel Câmara, opositor do clã Bezerra da Costa na entidade, seria parte do movimento de criação de uma nova convenção.
Câmara é pastor da chamada “Igreja-mãe” das Assembleias de Deus no Brasil, em Belém (PA), e nas últimas três eleições da CGADB, disputou com reais chances de vencer. Na última, em especial, o resultado que deu vitória ao filho do pastor José Wellington Bezerra da Costa (que comandou a entidade nos últimos 30 anos) é alvo de ação na Justiça por conta da validação de votos de 10 mil pastores que haviam tido seus registros anulados pela Justiça.
A notícia de que Câmara e outros 25 mil pastores estariam deixando a CGADB foi revelada primeiramente pelo portal JM Notícia, a partir do relato de uma fonte que aceitou falar sob sigilo: “É um caminho inevitável”, teria dito o informante. Câmara, que está há 33 anos na CGADB, teria chegado à conclusão de que essa seria a opção menos traumática, diante dos últimos escândalos.
O pastor André Câmara, filho de Samuel Câmara, deu declarações admitindo que existe realmente esse movimento, mas negou que a iniciativa seja de seu pai. “Isso é um movimento de todos os pastores do Brasil, é um movimento do Brasil, não é do pastor Samuel Câmara viu. O pastor Samuel Câmara não tem ingerência nisso, é uma coisa muita espontânea”.
Em outra declaração, dada ao portal GospelPrime, André afirmou que “é muito natural que pastores do Brasil inteiro estejam saindo e querendo se reorganizar em outras estruturas, pois não há espaço nem objetivos na atual gestão familiar e sindicalizada”.
“Muitos pastores do Brasil já saíram ou estão em processo de sair, mas de forma espontânea e pessoal. Parece inevitável que um movimento levantado por Deus aconteça para dar dinâmica e visão para pastores assembleianos”, acrescentou, frisando que a nova entidade seria “livre e fiel às ideias históricas da Assembleia de Deus”.
“A Assembleia de Deus é uma igreja e movimento que tem potencial de incendiar o Brasil para Jesus com apoio de uma convenção, mas nada se faz nos últimos 30 anos e aparentemente permanecerá assim. Friso que não estou falando da estagnação das igrejas da Assembleia de Deus, mas da convenção que tenta representá-la. Convenção é para servir a igreja, mas o que existe hoje é uma convenção que deseja ser servida pela igreja”, concluiu André Câmara.
A dissidência, pelo que se apurou, tem se encorpado por diversos estados brasileiros, com uma espécie de convocação a Samuel Câmara para que ele lidere a nova entidade em seus primeiros anos, implantando a visão que foi proposta nas eleições para a CGADB, mas que nunca teve a oportunidade de sair do papel. O pastor da AD em Belém do Pará não nega que tenha sido procurado por colegas de ministério e muito menos que possa liderar a nova convenção.
Fonte: gospelprime.com.br

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Aos gritos de “Alá é grande”, terrorista muçulmano mata oito pessoas em Nova York

Aos gritos de “Alá é grande”, terrorista muçulmano mata oito pessoas em Nova York

Resultado de imagem para Atentado em NY
A cidade de Nova York voltou a ser o cenário de um atentado terrorista pouco mais de 16 anos após a tragédia das Torres Gêmeas ceifar a vida de quase três mil pessoas, oficialmente. Um extremista muçulmano, aos gritos de “Alá é Grande”, invadiu uma ciclovia com um caminhão e atropelou várias pessoas, matando oito delas.
O “ato covarde de terror”, na visão do prefeito de Nova York, Bill de Blasio, aconteceu no sul da ilha de Manhattan, na tarde da última terça-feira, 31 de outubro. O incidente aconteceu no começo da noite no horário de Brasília.
No caminhão usado para o atentado, o homem – identificado como Sayfullo Saipov, um homem de 29 anos nascido no Uzbequistão – havia deixado diversos bilhetes escritos em árabe, e em um deles havia uma referência ao Estado Islâmico. No entanto, as autoridades da cidade ainda não confirmam que o grupo extremista seja o responsável pelo incidente.
O terrorista só parou quando o caminhão que usava bateu em um ônibus escolar. Ele desceu do carro, gritando “Allahu Akbar” (“Alá é grande”, em árabe) e exibindo duas armas esportivas, uma de paintball e outra de ar comprimido. A Polícia o deteve com um tiro na barriga e o levou para o hospital, onde foi submetido a uma cirurgia.
De acordo com informações da CNN, das oito vítimas fatais, cinco eram argentinas, uma belga e outros dois norte-americanos. Do total, seis morreram ainda no local, e outras duas morreram a caminho do hospital. Onze feridos estão recebendo atendimento médico e a Polícia acredita que outros feridos podem ter fugido do local por conta própria.

Reação

O presidente Donald Trump afirmou que não é possível assistir aos ataques passivamente, e mandou endurecer os vetos à entrada de estrangeiros nos Estados Unidos. Ele havia tomado essa medida nos primeiros dias de seu mandato, mas a Justiça suspendeu a decisão.
“Acabo de ordenar ao [Departamento de] Segurança Nacional que endureça nosso programa de vetos, que já é extremo. Ser politicamente correto é bom, mas não para isto!”, disse Trump através de sua conta no Twitter. “Não devemos permitir que Estado Islâmico volte, ou entre, em nosso país depois de derrotá-los no Oriente Médio e em outros lugares”, acrescentou.
O presidente uzbeque, Shavkat Mirziyoyev, se prontificou a ajudar nas investigações: “O Uzbequistão está disposto a usar todas as suas forças e recursos para ajudar na investigação sobre este ato terrorista”, afirmou.
Fonte: gospelmais.com.br

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Adolescente se arrepende de ter mudado de sexo dois anos após cirurgia


Adolescente se arrepende de ter mudado de sexo dois anos após cirurgia

Adolescente se arrepende de ter mudado de sexo dois anos após cirurgia
A mãe disse que ele costumava vestir-se com roupas de menina (60 segundos)

Estudante australiano que decidiu fazer a cirurgia para troca de sexo mudou de ideia dois anos mais tarde.

Com apenas 12 anos, o menino pediu sua mãe para começar a tomar hormônios estrogênio depois que os médicos lhe diagnosticaram com disforia de gênero – isto é “uma condição em que uma pessoa experimenta angústia porque há uma incompatibilidade entre o seu sexo biológico e identidade de gênero”.
De acordo com a reportagem do site The Daily Wire, o menino contou com a orientação de profissionais, médicos e de sua própria mãe para realizar o processo de “mudança de sexo”. Embora fosse ainda uma criança, tomou hormônios para iniciar a transição, fazendo crescer seios e também os cabelos.
“Quando ele era mais novo, se vestia com roupas de menina. E em um determinado momento me perguntou se poderia ser levado ao médico para virar uma menina”, contou a mãe.
Ao programa 60 minutes o estudante contou como surgiu o desejo de querer ser menina: “Você deseja que poderia simplesmente mudar tudo sobre você. Você só vê qualquer menina e diz: eu mataria para ser assim”, disse.
No início deste ano, quando seus professores, na escola, começaram a se referir a ele como uma menina, começou a questionar se tinha tomado a decisão certa.
Dois anos depois da cirurgia que o transformou em “menina”, com sinais de arrependimento, conversou com a mãe, querendo fazer a transição de volta para ser do sexo masculino. A mãe de Patrick começou a notar que ele já não tinha mais a antiga confusão a respeito de sua identidade sexual.
Agora, em uma tentativa de voltar a seu corpo original, parou de tomar os remédios e está prestes a se submeter a uma cirurgia para remover excesso de tecido mamário no que será a fase final da sua transição.
O site The Daily Wire ainda destaca: “A dura verdade é que os adultos que cercam Mitchell e incentivaram sua “transição” falharam com ele. Embora tenham tido boas intenções, facilitar a “transição” de um adolescente gera efeitos emocionais e físicos ao longo da vida. Estudos descobriram que, acima de 80% das crianças que sofrem de confusão de gênero, crescem fora dela antes da idade adulta, eventualmente se identificando com o sexo nascido”. Como disse o editor-chefe Ben Shapiro“Os adultos devem ser livres para tomar decisões sobre sua sexualidade e seus corpos. Mas as crianças não devem ser submetidas aos caprichos de adultos com orientação política quando se trata de mutilação corporal maciça que prejudica a função durante toda a vida – antes da criança ter experimentado a puberdade”.
Mitchell é mais uma jovem vítima de adultos que compram propaganda de “tolerância” de esquerda sobre gênero e sexo biológico.
Assista ao vídeo:
Esta mãe australiana ajudou seu filho de 12 anos diagnosticado com disforia de gênero para se tornar uma menina. Mudaram o corpo com drogas de substituição hormonal. Então o impensável aconteceu – ele mudou de opinião. É tarde demais para ter tudo de volta?
Por Paulo Pontes / Fonte: searanews / Com informações de Daily Wire

Reforma Protestante, uma volta às Escrituras

A Reforma religiosa do século dezesseis, foi deflagrada quando o monge agostiniano, Martinho Lutero, fixou nas portas da igreja de Wittenberg, na Alemanha, as noventa e cinco teses contra as indulgências e os desmandos do papado. A Reforma não foi uma inovação na igreja, mas uma volta à doutrina dos apóstolos. Não foi um desvio de rota, mas uma volta às Escrituras. A Reforma colocou a igreja de volta nos trilhos da verdade. Quais foram as grandes ênfases da Reforma?
Em primeiro lugar, a singularidade das Escrituras. O conhecido Sola Scriptura, acentua que as Escrituras são a nossa única regra de fé e prática e que devemos rejeitar, peremptoriamente, qualquer doutrina que não esteja fundamentada na Palavra de Deus. Não podemos acrescentar nada às Escrituras nem retirar delas qualquer de seus ensinamentos. A Palavra de Deus é inspirada, inerrante, infalível e suficiente. Sua origem não é humana, mas divina. É inerrante quanto ao seu conteúdo, infalível quanto às suas profecias e suficiente quanto ao seu propósito. Não precisamos nem podemos acrescentar nossas experiências nem as tradições da igreja à Palavra de Deus. Não são nossas experiências que legitimam as Escrituras, mas elas é que julgam as nossas experiências.
Em segundo lugar, a singularidade da Fé. O conhecido Sola Fide, enfatiza que a salvação é recebida por meio da fé e não através das obras. Não somos aceitos por Deus por causa das nossas obras. Somos aceitos em Cristo, por causa de seus méritos, e recebemos essa salvação gratuita por meio da fé. A fé não é a causa meritória da nossa salvação, mas a causa instrumental. Não somos salvos por causa da fé, mas através da fé. A causa meritória da salvação é o sacrifício substitutivo de Cristo, enquanto a fé se apropria dos benefícios desse sacrifício. A fé é a mão estendida de um mendigo para receber o presente do Rei. Vale destacar que a fé salvadora é, também, um dom de Deus. O apóstolo Paulo é meridianamente claro a esse respeito: “Pela graça sois salvos, mediante a fé, e isso não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie” (Ef 2.8,9).
Em terceiro lugar, a singularidade da graça. O conhecido Sola Gratia, destaca que não somos salvos pelas obras que fazemos para Deus, mas pela obra que Cristo fez por nós. Graça é um dom precioso concedido a alguém que não merece, mas precisa. Deus nos amou quando éramos fracos, ímpios, pecadores e inimigos. Deus nos buscou quando estávamos perdidos. Deus nos deu vida quando estávamos mortos. Atraiu-nos para ele, quando todas as inclinações da nossa carne eram inimizades contra ele. Seu amor foi incompreensível, pois sendo nós filhos da ira, ele nos amou infinitamente, e enviou-nos seu Unigênito Filho para morrer em nosso lugar, para nos adotar como filhos e nos receber em sua família, constituindo-nos filhos do seu amor. Isso é graça! Graça bendita, maravilhosa graça!
Em quarto lugar, a singularidade de Cristo. O conhecido Solus Christus, evidencia que Jesus Cristo, o Filho de Deus, é o único Mediador entre Deus e os homens. Ele é a Porta do céu, o Caminho que nos leva ao Pai. Por sua morte na cruz, rasgou o véu do santuário e abriu-nos um novo e vivo caminho para Deus. Jesus é o único Salvador e não há nenhum outro nome dado entre os homens pelo qual importa que sejamos salvos. Jesus é único Senhor do universo. Diante dele se dobra todo joelho no céu, na terra e debaixo da terra, para que toda língua confesse que ele é o Senhor para a glória de Deus Pai.
Em quinto lugar, a singularidade de Deus. O conhecido Soli Deo Gloria, destaca que tudo foi criado por Deus e existe para a glória de Deus. O fim último da nossa própria existência é glorificar a Deus e gozá-lo para sempre. O homem não é o centro do universo, Deus é. A salvação é pela graça, pela fé, para as obras, com o único propósito de que Deus seja glorificado por toda a eternidade. Diz o apóstolo Paulo: “Porque dele, por meio dele e para ele são todas as coisas”.A Deus, portanto, honra, glória e louvor, agora, e pelos séculos eternos!
Por Rev. Hernandes D. Lopes

sábado, 14 de outubro de 2017

Veja se une à Globo na imposição da ideologia de gênero

Veja se une à Globo na imposição da ideologia de gênero

Revista insiste que há um milhão de transgêneros no país

Poucos dias após o programa Fantástico, da rede Globo, ter veiculado reportagens tendenciosas, que tentam impor a agenda da ideologia de gênero como o “novo normal”,  a revista Veja dedica a matéria de capa desta semana ao mesmo assunto.
O semanário mais lido do Brasil há muito se distanciou da postura que a tornou famoso. Após a chegada do progressista André Petry como editor, um a um os jornalistas mais conservadores da revista foram saindo, sendo demitidos ou se demitindo por não concordar com a nova “linha” da Veja.
A manchete desta semana lê “Meu filho é trans”, trazendo logo abaixo “Veja narra a saga dos pais de  crianças que não se identificam com seu sexo biológico” e afirma, sem oferecer fontes confiáveis, que essa “condição” afeta um milhão de brasileiros.
No miolo, a matéria entoa louvores ao personagem trans de Carol Duarte na novela A Força do Querer. A jornalista Giulia Vidale, que assina o texto, afirma: “Os transgêneros fazem parte do cotidiano brasileiro, e já não se pode fingir que não existem, apenas por não combinarem com o padrão. Nem são muitos – 0,5% da população mundial –, mas a dificuldade de aceitação os faz envoltos em preconceito e um mar de dúvidas”.
A revista acompanhou o cotidiano de famílias onde as crianças sofreriam com a “disforia de gênero” e defende que isso já é possível aos 6 anos de idade. Também entrevistou psicólogos, psiquiatras, endocrinologistas e educadores, tentando pintar um retrato simpático dessa condição.
De modo muito semelhante ao que fez o Fantástico, os especialistas são apenas um reforço do argumento já estabelecido desde o início do texto. Seu objetivo, conforme ela deixa claro é “barrar a intolerância”. Chama atenção ainda que a matéria é encaixada na categoria “saúde” e não “comportamento”.
Em tempos onde os brasileiros já demonstraram repetida vezes, sobretudo nas redes sociais, que estão cansados da imposição dessas agendas esquerdistas, financiadas por grupos globalistas, não será surpresa se, a exemplo do que aconteceu com o Santander, as pessoas comecem a cancelar suas assinaturas ou, como ocorreu com a rede Globo, a hash #Vejalixo entre para os assuntos mais comentados do mundo.
Por Jarbas Aragão / via gospelprime.com.br