quarta-feira, 21 de março de 2012

Removendo os lobos de nossos púlpitos

 

 
Muitos pregadores se tornaram profissionais de altar. Pregam bem, manipulam a unção do ambiente, causando a impressão de que são espirituais, mas na verdade são pessoas que não tem o coração no Reino de Deus.
Altivos, egocêntricos, carnais, alguns manifestam até poderes demoníacos, espírito de anti-cristo.
Nem sempre o falso profeta sabe que é falso profeta. São tomados por espírito de engano, e se possível enganam até mesmo os escolhidos.
Abaixo eu relaciono alguns testes para descobrir quem não deve subir no altar de sua igreja:
 
1) Teste de integridade: Procure observar como é a vida pessoal do pregador, incluindo casamento, relação com os filhos, caráter, sinceridade (caráter vale mais do que carisma).
 
2) Veracidade: Veja se o pregador não é mentiroso ou exagerado. O que não falta são contadores de história. Exageram nos testemunhos, nos sinais, no número de membros da igreja. São filhos do “pai da mentira”.
3) Teste da humildade: Você precisa abençoar o pregador, pois isso é bíblico. Mas procure observar nas “entrelinhas da negociação”, se este pregador lhe trata com humildade. Mas não se esqueça, que o pregador tem direito de dizer o que ele precisa. A humildade não é percebida pela maneira que a pessoa se posiciona.
4) Teste dos sinais permanentes: Não queira apenas agitadores de massas. Muitos pregadores chegam na igreja, sacodem a alma do povo, geram emoções, motivações, mas quando vão embora, as “luzes espirituais” se apagam. Procure frutos que permaneçam.
5) Teste do mundo real: Cuidado com as pregações fantasiosas. Existem pessoas que pregam uma mensagem tão transcendente, que não serve de nada para o dia a dia do ouvinte.
 
6) Teste da transferência de unção: Antes de deixar o pregador colocar as mãos sobre a cabeça de seu rebanho, procure discerni-lo bem.
Se houver dúvidas, não deixe! Também é importante observar como a vida da pessoa está, dias depois da “imposição de mãos”.
Existem muitos pregadores que pregam uma coisa com a boca, mas transferem “outra coisa” na imposição de mãos.
7) Teste da ética: Cuidado com aqueles que dizem: “ … se Deus mandou eu falar, falo …”.
Muitos usam este argumento para falar o que querem, destruindo assim projetos e conceitos das igrejas que visitam. Se Deus tem algo para a igreja, primeiro ele vai confirmar no coração do pastor local.

Tenha cuidado com aqueles que entregam “revelações” no altar de sua igreja. Muitas “revelações” tornam-se cativeiros espirituais, pois quando faladas, geram “fé” no coração do ouvinte, mudando os rumos que Deus tem para o ouvinte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário