sexta-feira, 25 de novembro de 2011

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ITINERÂNCIA E OS “ITINERANTES”

Aprecio bastante os artigos do Pr. Ciro Sanches, pois são inteligentes e nos conduzem a uma reflexão sobre o real quadro da igreja em nossos dias.

Temos hoje uma igreja carente de um alimento genuinamente bíblico, pois o que vemos em nossos púlpitos de um modo geral, infelizmente é estarrecedor. Um verdadeiro batalhão de aproveitadores, exploradores do rebanho de Deus em busca de benefícios, de fama pessoais. Estamos necessitados de bons obreiros, de homens verdadeiramente comprometidos com seu reino.

Segue abaixo, excelente artigo publicado no blog do Pr. Ciro Sanches. Leia e medite.   

Nas áureas décadas de 1980 e 1990, os pregadores mais requisitados e famosos — por serem verdadeiramente usados pelo Senhor —, nas Assembleias de Deus, eram identificados por títulos ministeriais bíblicos. De alguns anos para cá, surgiram títulos novos, como “conferencista internacional” e “itinerante”. Considero o primeiro um tanto pretensioso. Quanto ao segundo... Ah, o segundo é, no mínino, despropositado.


Pessoas que me encontram nos aeroportos ou nas igrejas onde ministro a Palavra de Deus me perguntam se sou um “itinerante”, pelo fato de eu participar de eventos em vários lugares, especialmente escolas bíblicas. E a minha resposta a elas, a priori, parece vaga: “Não sou ‘itinerante’. Mas tenho um ministério que envolve itinerância”.


Não me considero um “itinerante” porque a itinerância, em si, não é um ministério ou uma profissão, e sim uma característica destes. Houaiss define assim o termo “itinerante”: “diz-se de atividade que se exerce com deslocamentos sucessivos de lugar em lugar”.


O piloto de avião e o comissário de bordo, por exemplo, não são chamados de “itinerantes” pelo fato de viajarem para várias partes do Brasil e/ou do mundo. Eles têm um trabalho que envolve itinerância. Da mesma forma, o apóstolo Paulo não era um “itinerante”, a despeito de suas viagens missionárias. Ele era pregador, apóstolo e doutor dos gentios (1 Tm 2.7). Seu ministério, multifacetado, envolvia itinerância.


Considero impróprio o uso do termo “itinerante” para designar o ministério da pregação da Palavra de Deus. Mas muito pior do que um problema de ordem semântica são os procedimentos adotados pelos que se dizem “itinerantes”. No meio assembleiano, especialmente, o aludido termo tem designado um tipo de obreiro que demonstra não ter sido chamado por Deus.


Os “itinerantes”, geralmente, gostam de aparecer. Apreciam roupa que reluz, sapatos que brilham de longe, anéis que ocupam quase metade do dedo, etc. Ter o título de diácono ou de presbítero, para eles, é desonroso. Preferem ser conhecidos como “conferencistas internacionais”. Supervalorizam o título, ignorando que não é o título que faz a pessoa; é a pessoa que faz o título. Duas passagens que eles deveriam examinar são 1 Samuel 16.6-13 e 2 Reis 4.31.


Os “itinerantes” querem ser pregadores a todo custo; são “oferecidos”, mas não possuem mensagem conveniente, à semelhança do rapaz que se apressou em dar a notícia da morte de Absalão a Davi (2 Sm 18.19-22). Em vez de apresentarem mensagens cristocêntricas, discorrem sobre conceitos antropocêntricos da autoajuda. Tais pregadores deveriam atentar para o exemplo de Jeremias: “eu não me apressei em ser o pastor após ti” (17.16).


Os “itinerantes” entram no ministério, mas o ministério não entra em seu coração. Eles foram feitos pregadores pelos homens, e não pelo Senhor (2 Tm 4.3-5; 1 Rs 12.31; 13.33; 2 Rs 17.32,33). Eles confiam apenas em sua capacidade, como o comandante Joabe, que tinha muitos talentos, mas era insensível, desumano, cruel, não inspirava respeito, não reconhecia os seus erros, não respeitava os laços familiares e não foi fiel até o fim (2 Sm 10.9; 1 Cr 19.10; 1 Rs 1.5-8; 2.5,28).


Os “itinerantes” amam o dinheiro (1 Tm 3.3; 6.10; Ef 5.5). E por ele estão dispostos a fazer tudo (Nm 22.10-22; 2 Pe 2.15,16; Is 56.11). Esquecem-se de que o compromisso primaz do pregador não é com as suas próprias necessidades ou com as preferências do povo, e sim com o Deus da Palavra e com a Palavra de Deus (Ez 2; At 7).


Os “itinerantes” se envolvem com a obra de Deus para ter comodidade e riqueza (Ez 34.2-4; Jz 17.7-13). E, por isso, mercadejam a Palavra de Deus (2 Co 2.17). Não se contentam com uma boa oferta da igreja do Senhor. Exigem cachês exorbitantes ou empregam técnicas reprováveis para “arrancar” tudo o que for possível dos incautos, como dinheiro, relógios, alianças, cheques, etc.


Os “itinerantes” gostam de receber glória dos homens (2 Co 10.12-18; At 12.21-23). Mas Deus não dá a sua glória a outrem (Is 42.8). Eles deveriam atentar para Provérbios 27.2 e 25.27, a fim de aprenderem que o Senhor usa — verdadeiramente — os humildes (1 Co 1.26-29; Tg 4.6).


Com temor e tremor,


Ciro Sanches Zibordi

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

O HOMEM ENVIADO DE DEUS

Diga sinceramente: O que você pensaria se entrasse numa igreja muito simples, cuja ventilação fossem apenas as janelas abertas e o púlpito fosse tão somente o mesmo chão de vermelhão no mesmo nível da “platéia”, onde, numa singela cadeira de madeira estivesse sentado um homem de aparência humilde?


E se percebesse que as calças e camisa desse homem fossem daquele tipo que você costuma ver à venda nas bancas de roupa da feira livre de seu bairro ou nas barracas dos camelôs, que são os locais onde compram suas vestimentas aqueles que ganham menos de um salário mínimo e, não raras vezes, têm esposa e filhos para sustentar?


E, se, depois dos cânticos, durante os quais não houve momento de ofertório, você visse aquele homem com o rosto marcado pela vida, abrir a sua surrada Bíblia, ler uma passagem com a voz pausada e mansa e, em seguida, pregasse uma poderosa e ungida mensagem, que chacoalhasse a sua consciência e penetrasse nos mais recôndito canto de seu coração e o confrontasse, de forma inequívoca, com suas próprias fraquezas, como se conhecesse toda a sua vida, desde o ventre de sua mãe?

E, se,afinal, depois de um abençoadíssimo culto, você visse aquele homem fechar a igrejinha, abrir seu guarda-chuvas (pois estava chovendo), dirigir-se parao ponto de ônibus, subir no coletivo e ir para a sua casa, anônimo entre os anônimos passageiros daquela condução?

Isso faria com que você se lembrasse dos pastores, missionários e bispos a quem você está acostumado a ver e a ouvir ou o lembraria de um homem a respeito do qual o evangelho de João assim se refere, no verso 6, do capítulo primeiro:

“Houve um homem enviado de Deus…”

 



Esse “homem enviado de Deus” vestia-se de peles de camelo; alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre, pregava em meio ao deserto, batizava no rio Jordão e sua mensagem atraía a multidão.

Foi o precursor do Messias, mas nenhum título reivindicou para si, a não ser “uma voz que clama no deserto”.

Você vê algo de parecido com ele, entre aqueles que se dizem ser “mensageiros de Deus”, nos diasde hoje?

Pois bem. Saiba que a marca deste homem é a marca dos homens verdadeiramente enviados de Deus, também em nossos dias.

Soli Deo Gloria

Tony Ayres




O MAL SILENCIOSO DA PORNOGRAFIA NAS IGREJAS

Pesquisa revela que o assunto ainda é tabu no meio evangélico


A maioria dos pastores acredita que a pornografia tem impactado negativamente a vida dos membros de sua igreja, mas quase metade deles não consegue estimar quantos de seus fiéis tem acesso regular a material pornô.
 
 
Esta é a conclusão de uma pesquisa recente realizada pelo centro de pesquisas da LifeWay, que entrevistou 1.000 pastores nos EUA.
 
 
Quando questionado se a pornografia tem afetado negativamente as vidas dos membros de suas igrejas, 69% dos pastores ​​concordaram. Destes, 42% concordaram plenamente e 27% dizem concordar apenas parcialmente. Há 9% que discordam parcialmente e 8% discordam totalmente. Apenas 14% não sabem ou preferiram não responder.
 
 
“A maioria dos pastores conhece os efeitos venenosos da pornografia”, explica Ed Stetzer, presidente da LifeWay. ”Eles viram que isso só serve para destruir casamentos, afundar vidas e deformar a moral quando se trata de sexualidade.”
 
 
Quando solicitados a estimar o percentual de homens em suas congregações que veem pornografia toda semana, 43% são souberam ou não quiseram responder. Entre os que se dispuseram a fazer uma estimativa, 62% dos pastores acredita que menos de 10% da congregação. Cerca de 24% dos sacerdotes dizem que de 10 a 24% dos seus membros veem, enquanto 10% dos pastores estimam que entre 25 e 49% dos fiéis tem esse hábito e apenas 4% dos pastores admitiram que 50% ou mais dos cristãos gostam de ver pornografia.
 
 
Os números são semelhantes quando os pastores foram questionados sobre o hábito das mulheres de suas igrejas em ver pornografia. Quarenta e quatro por cento dos entrevistados são incapazes ou não sabem estimar quantas fiéis em suas congregações gostam de ver pornografia ao menos uma vez por semana. Entre os que admitem o problema, 87% dos pastores acreditam que menos de 10%, apenas 10% dizem que de 10 a 24% da congregação e 3% estimam que entre 25 e 49% das cristãs de sua igreja tem esse hábito. Nenhum dos entrevistados disse que 50% ou mais membros da igreja fazem isso.
 
 
Estatísticas de outros estudos similares, entretanto, sugerem que os pastores tendem a subestimar os efeitos da pornografia entre seus fiéis.
 
 
Estima-se que 43% das pessoas que usam a internet visitam sites pornográficos. Cerca de 40 milhões de americanos visitam regularmente esse tipo de site. Imagens ou filmes pornográficos representam 35% de todos os downloads da internet. Dos 40 milhões de visitantes regulares, 33% são mulheres. Cerca de 70% dos homens com idade entre 18 e 24 visitam sites pornográficos pelo menos uma vez por mês.
 
 
“Embora geralmente os pastores saibam que a pornografia é prejudicial, muitos parecem não perceber que isso está chegando até a casa de seus membros”, disse Stetzer. ”Um grande número de membros de igrejas estão incluídos na estatística que mostra que quase metade dos usuários da Internet visitam sites pornôs. Ficamos surpresos que muitos líderes não puderam ou não quiseram pensar seriamente sobre como a pornografia é difundida dentro da igreja. Se um terço acha que menos de 10% dos homens estão olhando pornografia e quase metade dos pastores não tem certeza, podemos perceber claramente uma falta de consciência sobre a presença do pornô em seus lares. Estudos anteriores mostram que os cristãos comprometidos se mantêm mais afastados da pornografia, mas essa questão ainda é um grande problema que a igreja deve enfrentar”.
 
 
Recentemente, o pastor Ed escreveu um artigo que foi publicado no Enrichment, uma revista publicada pelas Assembleias de Deus, onde dizia: “A igreja recebeu tudo que é necessário para lidar com a sexualidade dentro de uma perspectiva bíblica. As Escrituras ensinam claramente o plano de Deus para o sexo. No entanto, nós tropeçamos desajeitadamente no lidar com essas questões. Se a igreja se recusa a abordar de frente esse tipo de assunto, não somente nos tornamos irrelevantes, mas deixamos muitas perguntas sem resposta. Assim, nunca vamos resolver esse problema”.
 
 
Ele questiona ainda a dificuldade ou simplesmente o silêncio total sobre o assunto nos púlpitos da maioria das igrejas. Parece que o assunto ainda é tabu ou, no mínimo, desconfortável para a maioria dos pastores pregarem a respeito ou discutir abertamente com os membros de suas igrejas.

Traduzido e Adaptado por Gospel Prime de Charisma News


terça-feira, 22 de novembro de 2011

A Entrevista de Tony Ramos e a Síndrome da Fama Tele-Evangelística

Por Tony Ayres

Ao assistir, recentemente, à entrevista de Tony Ramos, na Rede Globo; não pude deixar de estabelecer um elo de comparação entre ele e determinado tele-evangelista, cujo desejo de fama subiu à cabeça.

Quando sai da pele de seus personagens, o homem Tony Ramos revela-se um um ser humano de rara beleza. Despoja-se de toda afetação (que, no estágio de sucesso que alcançou, até poderia ser-lhe perdoada, se a tivesse) e permite-se ser simplesmente como é e como sempre foi.

Respeitado por todos os seus colegas de trabalho como um homem íntegro, bondoso e com um enorme carisma, sua simplicidade é conhecida dentro das dependências da Globo, onde trata com a mesma humanidade, tanto colegas de peso, como o ator Lima Duarte; como os camareiros e zeladores da Casa.

Casado desde o ano de 1969 com Lidiane, a esposa por quem confessa publicamente ser apaixonado; aos 61 anos de idade, o ator é pai de dois filhos: um médico e uma advogada e já comemora a chegada dos netos, sem esconder sua alegria.

À apresentadora Ana Maria Braga, Tony confessou ser um homem simples, de família, que respeita as demais pessoas, em suas diferenças; que não abriga qualquer tipo de inveja em seu coração; que não enxerga o sucesso como algo que o seduza e que medir o ser-humano por esse parâmetro é simplesmente algo mesquinho e menor.

A CONTRAPARTIDA

Em nosso mundo cristão evangélico, infelizmente, pessoas que chegam a ganhar alguma notoriedade no meio televisivo, surpreendem-nos com um comportamento completamente oposto.

Há alguns dias, coloquei aqui uma postagem referindo-me a determinado evangelista da TV e critiquei a sua postura, quanto ao envio de $900 reais, "exigidos" pelo "profeta" que o acompanhou, como condição para a liberação da "bênção da prosperidade".

Pois bem, em seu programa do último sábado, o referido pastor da TV "mandou" um aviso" aos críticos, afirmando que poria novamente, por algumas vezes, o tal programa no ar, afirmando que "os críticos são pessoas fracassadas e recalcadas, que ficam incomodadas com o sucesso alheio" (no caso, o dele, obviamente).

Espanta saber que tal pastor não esconde de ninguém ser formado em Psicologia e, ao mesmo tempo, demonstra publicamente, na TV, que esta, infelizmente, parece que não lhe ensinou nada, tanto no que se refere ao trato para com as pessoas, passando pela incapacidade de aceitar críticas de uma forma madura ( e não na infantilidade do "revide" grosseiro); como na falta do verdadeiro conhecimento psicanalítico da "teoria do recalque", elaborada por Freud.

Por outro lado, o que entende tal pastor por "pessoa fracassada"? Provavelmente, para ser coerente consigo mesmo, um "fracassado", para ele, é alguém que não tem o desejo de estar, a qualquer preço, na TV; quem não tem a "gana" por notoriedade e "poder", que não deseja aumentar o número de cruzadas com o fito de auto-promoção pessoal; e que não tem nenhum interesse em enriquecer pedindo ofertas e vendendo livros, para ter mais tempo "no ar".

De acordo com esses parâmetros, pessoas como Albert Einstein, Ghandi, Madre Tereza de Calcutá ou o anônimo médico que dedicou a sua vida a atender as pessoas de uma favela da Casa Verde, em São Paulo, gratuitamente, apenas tomando uma xícara de café em cada barraco onde visitava um paciente; foram todos FRACASSADOS.

O QUE SE OBSERVA, AFINAL, NESTA HISTÓRIA?

Por um lado, um grande artista, famoso e reconhecido em todo o Brasil e até fora dele, como um homem talentoso, humano, realizado, de bem com a vida, que atribui ao sucesso apenas um valor menor, no grande contexto da existência.

Por outro, um tele-evangelista que precisa pagar por seus horários para aparecer na TV, que não consegue disfarçar, sob o título de cristão, o ser humano iracundo e belicoso que, na realidade, demonstra ser; e que, a continuar nesse modo de agir, provavelmente nunca terá qualquer notoriedade que ultrapasse o mundo evangélico.

O que podemos afirmar, resumindo, é que o Jesus sobre quem a Bíblia nos fala. era um homem muito simples:cansado, tomava água à beira de um poço ou dormia no canto de um barquinho.
Mesmo sendo o Filho de Deus, não tinha onde reclinar a cabeça e quando morreu, na cruz cruenta do Monte Calvário, os soldados dividiram entre si o único bem material que possuía: suas vestes pessoais.

Mesmo assim, João Batista, o último dos profetas do período de vigência da Lei, testemunhou dele, nos arredores do Jordão: "É necessário que ele cresça e que eu diminua" (Jo. 3.30).

Procura-se evangelistas de TV que estejam dispostos a seguir o exemplo de Jesus e que tenham o espírito de João Batista.


Fonte: psicoterapeutacristao.blogspot.com

sábado, 19 de novembro de 2011

Joel Engel explica o real início da unção, em resposta ao “cai cai” da Record

SocButtons v1
O pastor Joel Engel, avivalista que participou do início da unção no Brasil e no Canadá, conta detalhes da verdadeira história do começo do movimento, em resposta à reportagem exibida na Rede Record.

A reportagem, que busca denegrir o movimento pentecostal, já foi criticada pela cantora Ana Paula Valadão e pelo pastor Silas Malafaia.

Como o ministério Catch The Fire também aparece na matéria, Joel Engel pode expor aqui o real sentido da unção do Espírito e de que forma ela é ministrada.

O mover do Espírito com manifestações de risos e de cair embriagado não começou em Toronto, mas muitos anos antes no Sul do Brasil com o pastor Joel Engel, na cidade de Faxinal do Soturno-RS.

-Na época aconteceram tantos milagres de cura que os consultórios médicos começaram a fechar. Os drogados foram libertos, os traficantes desapareceram da cidade, todos se converteram. Acabou a violência na cidade e o pr. Engel foi processado acusado de curandeirismo. A perseguição foi tanta que as autoridades nacionais tiveram que intervir.

www.MidiaGospel.Com.br.br / www.estudosgospel.com.br / www.centraldepregadores.com.br

“Muitas vezes tentaram nos matar e quando a perseguição tornou-se insuportável Deus interviu. Foi em 1986, quando eu orava com gemidos inexprimíveis do Espirito Santo, que tive a visão de uma bola de fogo que caía sobre a cidade e a arrebatava até os céu banhada de ouro. Naquele momento 52 pessoas foram batizadas com o Espirito Santo e começaram a falar em novas línguas e a serem usadas por Deus para curar os enfermos e expulsar demônios”, explica Engel.

O fato de pessoas comuns tornassem ministros de Deus irritou alguns pastores que temiam perder seu rebanho e passaram a perseguir Joel Engel.

“Padres, pastores, feiticeiros, maçons, políticos, assassinos, promotores, juízes, repórteres da Globo e outros nos perseguiram dia e noite por causa da Unção e os milagres que estavam acontecendo”, conta o pastor.

- Deputados constituintes na época defenderam a liberdade de culto usando o exemplo da perseguição que a igreja católica moveu contar o pr. Engel.

O pr. visitou o governador Pedro Simon na época para pedir sua intervenção no caso e acabou orando pelo Governador que entregou sua vida á Cristo.

Engel lamenta que no passado foram os católicos que se opuseram à unção e hoje os que se dizem evangélicos é que o estão perseguindo.

- Em 1990 o pr Engel ministra no 1º Seminario sobre a unção em Curitiba, ao qual mais de duas mil pessoas de várias partes do mundo assistiram.

O Bispo Edir Macedo e outros pastores detonaram o acontecido e conseguiram abafar o mover no Brasil, mas ele foi levado a outros países como Argentina, Canadá e Estados Unidos.

Enquanto muitos diziam que o movimento não era de Deus e iria acabar, ele foi aumentando e ganhando espaço em Toronto e demais localidades.

- Anos depois foi dito que este mover que acontece em Toronto era para o Brasil, mas os religiosos conseguiram abafar e parar o que Deus queria fazer, então a nuvem de avivamento foi para Argentina e John Arnot foi até lá buscar a unção.

Engel ministra Seminários ensinando que a Unção tem Propósito e que o objetivo final da unção é:

"GANHAR ALMAS SALVAR VIDAS E LEVANTAR UM POVO PREPARADO E DISPOSTO Á SERVIR O SENHOS COM PAIXÃO E PREPARAR O CAMINHO PARA A VOLTA DE JESUS"

LC: 1:13 a 17 - Esta é a Unção de Elias multiplicada que Deus está enviando para igreja hoje. Pessoas que a recebem tornam-se poderosas e fervorosas como Elias e João Batista e dão a vida por Jesus. Estes "NOVOS UNGIDOS" receberão poder para serem testemunhas de Cristo (At 1:8) até os confins da terra (...) Estes UNGIDOS receberão poder para PREPARAR O CAMINHO para a VOLTA DE JESUS Lc 3.3 a 16 (...) Estes novos ungidos terão poder ESPECIAL NESTE TEMPO - Ap 11: 3 a 14

Jesus disse: O maior dos profetas nascidos de mulher é João Batista, mas o menor no Reino dos Céus é maior que João Batista, mas o menor (UNGIDOS COM A UNÇÃO QUE HOJE DEUS ESTÁ DERRAMANDO)é maior que João Batista.

O Pr. Joel Engel registrou a ESCOLA PROFÉTICA CATCH THE FIRE DO BRASIL justamente para realizar seminários ensinando sobre a Unção e desmistificando o que foi criado em torno dela.

Em setembro de 2011 Engel trouxe o Catch The Fire para o Brasil .Veio com ele uma equipe de pastores liderados por Bruno Ierullo ministrar na ESCOLA PROFÉTICA DE ENGEL.

- Bruno Ierullo e os pastores do Canadá querem espalhar o "FIRE" pelo mundo todo e esta é a intenção de Engel também, por isso que ambos entram em aliança para promover seminário juntos apesar de serem duas pessoas jurídicas diferentes, ou seja:

Catch The Fire é hoje o nome da igreja de Toronto no Canadá (a igreja que aparece na reportagem) e Catch The Fire do Sul do Brasil é o nome que Engel registrou para realizar seminários sobre a Unção do Brasil.

“Em nossos seminários ensinamos o propósito da Unção. Não existe ninguém uivando como lobo, nem rastejando como cachorro. Nunca vi isso em Toronto. Existe, sim, alegria do Espírito Santo, manifestação do Espírito e de poder para curar e libertar”, conclui Engel.

Fonte: Joel Engel Midia Gospel


JORNALISMO TENDENCIOSO

Repórter da Record abandona emprego após insatisfação

Carlos Dorneles, um dos repórteres mais experientes da televisão brasileira, pediu para sair da “TV Record”. Ele se mostrou insatisfeito com a maneira como vem sendo conduzido o jornalismo na emissora, que investe em reportagens para tentar desqualificar os rivais religiosos da Igreja Universal, como no programa Domingo Espetacular, exibido no último domingo, atacando o movimento pentecostal.

Em meio à uma crise de audiência, aparentemente a situação está sendo contornada, mas o clima entre os profissionais que compõem o jornalismo da emissora não é bom.

Além de Dorneles, outros repórteres renomados, com longa passagem pela “TV Globo”, têm se mostrado incomodados com as novas orientações do jornalismo, voltada para recuperar a audiência perdida. “Não estou fazendo jornalismo, estou fazendo entretenimento”, desabafou um profissional da emissora que preferiu não se identificar.

O maior alvo das reclamações é o editor Rafael Gomide, responsável pelos programas “Câmera Record” e “Repórter Record”. Também é Gomide que assina a reportagem sobre o “cai-cai” nas igrejas pentecostais.

Durante os Jogos Pan-Americanos, o veterano Paulo Henrique Amorim, apresentador do “Domingo Espetacular”, teve um desentendimento com Gomide, e esta se tornou pública. “Comigo você não mexe”, teria dito Amorim ao editor.

Fonte: CREIO

Jargões Evangélicos e a Biblia

Muitos “chavões” ou “jargões” têm invadido as igrejas evangélicas no Brasil. Frases como: “Eu te abençôo”, “Eu profetizo”, “Toma posse da bênção”, “Eu determino”, “Eu declaro”, entre outras, viraram formas arrogantes de os crentes exercitarem sua fé ou de se dirigirem a Deus, exigindo bênçãos imediatas. Preocupados com essa nova linguagem e com essa nova postura, faremos uma rápida análise do contexto evangélico atual, para que possamos entender o porquê dessas invencionices, praticadas durante as chamadas “ministrações”, realizadas nos cultos.

1. Os Jargões e as Doutrinas Modernas

Muitos jargões surgiram como resultado de doutrinas controvertidas, como a crença em “maldição hereditária”, a “confissão positiva”, a “incubação de bênçãos”, a “teologia da prosperidade”, entre outros ensinamentos antibíblicos. Essas doutrinas equivocadas são usadas pelo inimigo para enganar e tirar dos cristãos a exclusividade da fé em Cristo, que é suficiente para libertar, curar e proteger os servos de Deus de toda força do mal. O desejo do inimigo é, também, sustentar, na mente dos evangélicos, essas inovações doutrinárias, contaminando-os com doutrinas de demônios.

1.1 Os jargões evangélicos e a confissão positiva

A chamada “confissão positiva” coloca o peso das realizações espirituais “nas palavras pronunciadas e na atitude mental da pessoa”, de quem está ministrando, desconsiderando a genuína fé em Deus (At 3:16; Hb 12:1-2). Essa atitude é apoiada na falsa crença que diz: “Há poder em suas palavras”, como se as palavras humanas tivessem poder de criar, de intervir, de mudar situações. A ênfase é posta no homem, e, raramente, o ministrante cita o poder da Palavra ou o poder de Deus (Rm 1:16-17). Há dezenas de livros ensinando os crentes a agirem assim. A maioria dos fiéis não percebe que está caminhando para o abismo espiritual, lugar daqueles que se afastam das verdades bíblicas.

1.2 Os jargões evangélicos e a incubação de bênçãos

A conhecida “Incubação de bênçãos” é um desdobramento da crença na “confissão positiva”. Consiste no seguinte: O crente incauto é ensinado a “gerar uma imagem mental”, direcionada para o alvo que se pretende alcançar; por exemplo: se o crente deseja um carro, deve engravidá-lo mentalmente, para que Deus possa conceder-lhe a graça. É ridículo, mas, infelizmente, centenas de crentes deixam-se enganar. Essa atitude tem levado muitas pessoas ao comodismo, à inércia espiritual e a uma atitude preguiçosa, pois já não se esforçam para conseguir, com trabalho duro e honesto, aquilo de que precisam. Pelo contrário, ficam à espera do momento em que a bênção irá “cair do céu”. Da crença na “incubação das bênçãos”, surgiu a arrogante frase: “Toma posse da bênção”. Isso simplesmente não existe na palavra de Deus.

1.3 Os jargões evangélicos e a mania de querer mandar em Deus

Chavões tais como: “Eu declaro”, “Eu ordeno”, “Eu profetizo”, “Eu decreto”, são pronunciados sem a menor reflexão ou sentido de responsabilidade. Os crentes e, infelizmente, muitos líderes, comportam-se como se fossem Deus; colocam o “EU” na frente e soltam palavras que não fazem parte das alianças divinas, das promessas divinas, dos oráculos divinos, dos estatutos divinos, da graça divina, da misericórdia divina, do amor divino. Falam da forma como Deus não mandou falar, declaram o que Deus não mandou declarar. “Eu declaro”, “Eu ordeno”, “Eu profetizo”, “Eu decreto” são expressões despidas da espiritualidade ensinada na palavra de Deus; são frases que revelam a altivez do coração humano, são palavras que, por não terem respaldo bíblico, não mudam situação alguma.

Os cristãos precisam entender que não podem dar ordens a Deus! É Deus quem determina; é Deus quem decreta; é Deus quem declara; é Deus quem abençoa. É Deus; não sou eu. Ele é tudo; eu sou nada! Eu sou servo; Deus é Senhor! Ele é soberano; eu apenas obedeço à sua Palavra. A Deus, toda a glória! Assim, não é a minha vontade que deve prevalecer. Jesus não só nos ensinou a orar: … seja feita a tua vontade (Mt 6:9 e 10), como também pôs em prática o que ensinou: … todavia, faça-se a tua vontade … (Mt 26:42). Pronunciar uma frase por deliberação própria e dar a entender que está autorizado por Deus, sem, na verdade, estar, é enganar o rebanho do Senhor. Deus não opera onde há engano; não compactua com enganadores e não terá por inocente aquele que tomar seu nome em vão (Êx 20:7).

1.4 Os jargões evangélicos e o egocentrismo

O que nos chama à atenção nessas manias, nessas invencionices, é o seguinte: quanto mais elas se alastram, mais o nome de Deus desaparece e o “EU” entra em cena. É trágico: os cristãos vão se tornando embrutecidos, achando que podem assumir o lugar do Altíssimo Deus. E não é este o incansável desejo de satanás? Veja, leitor: Cada vez mais os cristãos expressam o desejo de assumir o lugar de Cristo: “Eu ordeno”, “Eu profetizo”, Eu te abençôo”. É o “EU” como centro da fé; é o egocentrismo religioso em marcha; é o endeusamento do egoísmo; é a divinização do homem.
Os cristãos precisam entender que Jesus não permitiu que o seu “EU” aparecesse. Quando alguém o chamou de “bom Mestre”, ele desviou de si a atenção e disse: … bom só há um, que é Deus … (Mt 19:17). É preciso ter muito cuidado com o egocentrismo religioso: o “EU” atrai para o homem a glória que a Deus pertence, sendo o resultado de tal atitude a morte eterna.

2. Reflexões Bíblicas Sobre Alguns Jargões

É necessário muita graça e sabedoria divina para discernirmos o ensino que é de Deus e o ensino que é do diabo. A ausência de estudos da palavra de Deus, ministrados de forma sistemática, tem dado oportunidade para a entrada de heresias, acompanhadas dos chavões religiosos, nas igrejas. Por isso, somos convidados a refletirmos sobre seguinte questão: A utilização dessas estranhas expressões tem o apoio da Bíblia? Avaliemos algumas delas:

2.1 “Eu te abençôo”

Os servos de Deus, em nome do Senhor Jesus, são bênção para as pessoas. A Bíblia diz: … estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome … (Mc 16:17). Todas as bênçãos divinas são derramadas através dos servos, em nome de Jesus.

Em lugar de “Eu te abençôo”, o cristão deve dizer: “O Senhor te abençoe”, conforme o ensino bíblico: Fala a Arão, e a seus filhos, dizendo: Assim abençoareis os filhos de Israel; dir-lhes-eis: O Senhor te abençoe e te guarde. (Nm 6:23 e 24). O nome do Senhor precisa ser invocado e não o “EU”. O “EU” é carne; o “EU” é pecador; o “EU” é corrompido; o “EU” não é divino; é humano.

Vejamos o complemento da palavra de Deus: Assim porão o meu nome sobre os filhos de Israel, e eu os abençoarei. (Nm 6:27). Vejamos também quem pode ordenar a bênção: … porque ali o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre (Sl 133:3); … então eu mandarei a minha bênção sobre vós … (Lv 25:21); … o Senhor mandará que a bênção esteja contigo … (Dt 28:8); … Eu o abençoarei (…) abençoarei os que o abençoarem … (Gn 12:2-3). Será que Deus mudou? Não encontramos, nem no Antigo nem no Novo Testamento, alguém fazendo uso do “EU te abençôo”. Se esse ensino esquisito não vem da Bíblia, de onde vem?

2.2 “Eu profetizo”

O ministério profético cessou. Todos os profetas de Deus foram rejeitados e mortos (Mt 23:37). Segundo a palavra de Deus, o que existe hoje, na igreja do Senhor, é o “Dom da Profecia”. Profecia, então, é um “Dom espiritual” (I Co 12:10), útil para que Deus fale de maneira sobrenatural às pessoas, assim como, pela “variedade de línguas”, se fala sobrenaturalmente a Deus. O “Dom espiritual” é uma capacidade sobrenatural que atua nos filhos de Deus, quando Deus quer, e para o que ele achar proveitoso (I Co 12:11). Por isso, o uso da frase “Eu profetizo” é totalmente inadequado.

A Bíblia ensina que a profecia não depende do “EU” querer: … porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirado pelo Espírito Santo. (II Pe 1:21). É bom observarmos que os homens santos de Deus também não usaram essa frase; ao contrário, quando profetizaram, disseram: Assim veio a mim a palavra do Senhor … (Jr 1:4); Assim diz o Senhor … (Jr 2:5; Is 56:1; 66:1); Ouví a palavra do Senhor … (Jr 2:4); E veio a mim a palavra do Senhor (…) disse o Espírito Santo … (At 13:2); … Isto diz o Espírito Santo … (At 21:11); Mas o Espírito expressamente diz … (I Tm 4:1). Em todos os casos, não aparece o “EU”, aparece a pessoa divina.

Pense bem: Como é que eu e você vamos profetizar bênçãos, sem que Deus tenha nos autorizado, em sua palavra, a Bíblia Sagrada? Como é que eu e você vamos profetizar, se, em nós mesmos, não há bênçãos para oferecermos, visto que a Palavra afirma que, em nossa natureza, não habita bem algum? Como é que eu e você vamos profetizar bênçãos em nosso nome, se a Bíblia afirma que toda boa dádiva, todo dom perfeito vem do alto, do Pai das luzes, em quem não há mudança e nem sombra de variação?

Essa arrogância do “Eu te abençôo” deriva da falsa crença na “confissão positiva”, que leva as pessoas a crerem em que há poder nas suas próprias palavras. Daí acharem que podem profetizar bênçãos a qualquer momento e a qualquer pessoa. A Bíblia condena essa falsa crença, pois somente Deus tem poder para abençoar.

Além de tudo isso, é estranho o fato de que as pessoas que vivem dizendo: “Eu profetizo” só “profetizem” bênçãos e mais bênçãos, sendo que, nas profecias bíblicas, o Espírito Santo inspirava os profetas a anunciarem bênçãos, castigos, catástrofes, juízos aos desobedientes à palavra de Deus, repreensão, etc. Não é estranho, hoje, as pessoas “profetizarem” somente bênçãos? Se Deus não muda, de onde está vindo a inspiração para essa gente “profetizar”?

Outro fator a pensar é este: As pessoas que profetizam bênçãos não esclarecem que tipos de bênçãos. As profecias bíblicas sempre especificaram que tipo de bênção ou de juízo sobreviria ao povo. Mas, hoje, é só isto: “Eu te abençôo”. É um procedimento totalmente fora da palavra de Deus.

2.3 “Tomar posse da bênção”

Não encontramos o uso dessa expressão no Antigo e nem no Novo Testamento. É um jargão de uso freqüente nas igrejas cujas reuniões têm como tema e propósito principal pregar e receber a prosperidade material, que eles reduzem a bênçãos. Os seus líderes não se preocupam com nutrir o rebanho com as verdades da palavra de Deus, que conduzem à salvação em Cristo Jesus (II Tm 3:14 e 15)

Essa frase surgiu para fortalecer a doutrina da “incubação de bênçãos”. Como já vimos, neste texto, primeiramente a pessoa tem a “visualização positiva” da bênção desejada, isto é, concebe, em sua mente, o que ela quer receber, e, em seguida, é motivada a “tomar posse bênção”.

A “incubação de bênçãos”, a “visualização positiva” e o uso do termo “tomar posse da bênção” são atitudes que substituem a fé operante e a atuação divina, levando as pessoas a crerem em que tudo depende da força da mente e das palavras de poder pronunciadas por elas. Comparando isso com o procedimento de Jesus e dos apóstolos, afirmamos que é errado usar o termo “Toma posse da bênção” como meio de termos as bênçãos divinas concretizadas em nossa vida. Os discípulos de Jesus nunca cometeram esse tipo de equívoco, pois, em lugar de dizerem: “Toma posse da bênção”, eles disseram: … se tu podes crer; tudo é possível ao que crê (Mc 9:23); … Tende fé em Deus … (Mc 11:22), … grande é a tua fé! … (Mt 9:28) … Seja-vos feito segundo a vossa fé (Mt 9:23); Em nome de Cristo, o nazareno, levanta-te e anda … (At 3:6). Assim, em vez de as bênçãos serem direcionadas para o homem, a palavra de Deus ensina as pessoas a direcionarem suas esperanças para Deus, através da fé.

Conclusão

Doutrinas heréticas têm ocupado a mente e o tempo de muitos crentes. Elas não conduzem as pessoas a confiarem no sacrifício do Calvário, na cruz do Senhor, no sangue de Jesus, que nos purifica de todo o pecado, mas levam as pessoas a se envolverem com várias práticas estranhas à Palavra inspirada pelo Espírito Santo. Essas heresias são caracterizadas, na Bíblia, como o “outro evangelho” (Gl 1:8), chamado, pelo apóstolo Paulo, de anátema ou maldito.

Conhecendo a origem de algumas doutrinas, como, por que e para que surgiram, e somando isso aos esclarecimentos feitos à luz da palavra de Deus, você deve pedir a Deus graça e sabedoria, para ensinar à igreja o caminho da luz e para conduzir os filhos de Deus dentro dos propósitos do evangelho da graça divina, para que não se percam, mas tenham a vida eterna.

Fonte: CACP – www.padom.com

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Ex-missionário lança livro contando bastidores do ministério do Pastor Mike Murdock e o acusa de vícios e prostituição

Agora, um ex-missionário e amigo da família de Murdock escreveu um livro sobre o Pastor, e faz diversas acusações. O livro intitulado “Thieves: A dirty TV pastor and the man who robbed him” (em tradução livre para o português: “Ladrões: um pastor da TV desonesto e o homem que o roubou”) traz diversas e detalhadas acusações contra Mike Murdock e ainda relata a obsessão do Pastor por riqueza e mulheres.

O autor do livro, Brian “Trey” Smith foi amigo pessoal de Jason Murdock, filho do Pastor. Trey estudava no Seminário Cristo para as Nações, e tornou-se íntimo da família, frequentando a casa e divertindo-se com Jason. Ele afirma que conheceu uma sala secreta na mansão da família, que mais parecia um grande cofre, onde o Pastor mantinha bebidas, relógios e moedas de coleção e revistas pornográficas.

A motivação para que o autor publicasse o livro, segundo o “D Magazine”, foi a revolta em ver os bastidores da casa de Murdock e sua pregação na TV, totalmente contrária. Em um trecho do livro, Trey expõe seu repúdio: “Odiava as mentiras, o engano, a ganância, os acordos de bastidores, os segredos, o sexo e toda a dor que ele causava aos cristãos falando sobre a necessidade de eles terem fé no “deus dólar”. Para mim, dentre os televangelistas, Mike Murdock era o pior. Enquanto o mundo estava assistindo-o pregar de terno, gravata e Bíblia aberta em suas telas de televisão, eu conhecia os lugares que ele nunca mostraria perante as câmeras”.

Brian “Trey” Smith afirma que não foi fácil viver amordaçado sem poder revelar o que conhecia sobre o Pastor Murdock. “É um fardo viver em uma bolha cristã, sem nunca poder falar sobre o paraíso escondido do pregador, com prostitutas siliconadas, brinquedos sexuais, pornografia pesada, e tudo que o dinheiro podia comprar”, conta o escritor, ressaltando que o ódio que nutria pelo Pastor o fez roubá-lo: “Naquela época, eu entrava no closet do pai do meu melhor amigo como o cara que descobriu a tumba do faraó. Havia caixas e caixas de anéis, braceletes e colares de ouro, moedas raras e uma desorganizada coleção de selos muito valiosos… Mas nada se comparava ao que imaginávamos haver dentro do grande cofre, que ficava no meio do quarto. Nunca conseguimos abri-lo, mas passei a deseja-lo. Sonhava com isso, fantasiava como seria… Não queria apenas roubar o seu dinheiro… Mais do que isso, eu tinha realmente aprendido a odiar aquele homem e tudo que ele representa”.

Para Trey, o desvio das doações dos fiéis era algo inaceitável. Em 1999 ele planejou um assalto à casa de Mike Murdock, entrou no cofre, roubou o que pode e fugiu para o México. Após o fim da investigação, voltou para os Estados Unidos, mas foi encontrado por investigadores particulares que o Pastor contratou, e entregue à Polícia.

Trey cumpriu dez anos de condenação, e aproveitou o tempo na cadeia para escrever seu livro. “Eu sentia que todos seus mantenedores tinham sido injustiçados. Iria apenas consertar as coisas. Eu sabia que praticamente nada daquele dinheiro era destinado para o que Murdock chamava de ‘instituições de caridade’. Por todas estas razões, eu não me sentia nem um pouco mal por tomar até o último centavo que ele tinha. Eu não era herói. Eu tinha me tornado um canalha sujo e podre como todos eles”.

Agora, o escritor afirma que se reconciliou com Deus e está livre das drogas, e pretende divulgar de todas as maneiras possíveis tudo o que sabe sobre o Pastor Mike Murdock. O livro foi lançado sem ajuda de uma editora e está disponível também no formato e-book.

O Gospel+ entrou em contato com a assessoria de imprensa do Pastor Silas Malafaia para saber se iriam se pronunciar sobre a publicação desse livro, porém até o fechamento da matéria, não houve resposta aos nossos contatos.

Fonte: Gospel+


quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Ex-missionário faz sérias denúncias contra o Pr. Mike Murdock em livro




Salomão ficou famoso nas páginas da Bíblia por sua sabedoria, bem como pelas mulheres que colecionou e pela lendária fortuna que acumulou. Entre os televangelistas que fizeram fama no mundo gospel, alguns ficaram conhecidos por ministérios de cura, outros por enfatizar a prosperidade e alguns por afirmarem ser capazes de realizar milagres.

O pastor Mike Murdock se diferencia entre a maioria deles por enfatizar justamente a necessidade de sabedoria. Ele escreveu dezenas de livros sobre o assunto e criou, inclusive, o Centro de Sabedoria, sede de seu ministério em Fort Worth, Texas.
Mas quando ele se tornou famoso, aparecendo em programas diversos e sempre comparando a busca por sabedoria com o acúmulo de riquezas, passou a chamar atenção de muita gente dentro e fora da igreja.

O jornal texano Star-Telegram fez, em 2003, uma série de reportagens investigativas sobre O Centro de Sabedoria e o ministério de Mike Murdock. A questão levantada pelos repórteres era o acúmulo de riquezas por um pastor que afirmava manter uma organização sem fins lucrativos. O jornal, dedicou um grande espaço para mostrar os jatinhos e carrões que ele possuía, além dos esplendores da imensa propriedade de 7 hectares que Murdock mantém em Argyle, Texas.
Naquela ocasião, o Star-Telegram contou com o apoio da Trinity Foundation [Fundação Trindade], que se descreve como uma organização disposta a “monitorar e investigar a fraude religiosa desde 1987”. O próprio pastor Mike contou, quando esteve no Brasil, que depois de muitas investigações do departamento de Imposto de Renda e do jornal, nada ficou provado e ele nunca foi condenado.

Em 2011, novamente Mike Murdock e seu ministério estão sendo acusado de fraudes, mas de uma maneira diferente. O ex-missionário Brian “Trey” Smith publicou um livro chamado “Thieves: A dirty TV pastor and the man who robbed him” [Ladrões: um pastor da TV desonesto e o homem que o roubou], onde descreve, com riqueza de detalhes, os bastidores do ministério de Murdock e sua obsessão, a exemplo de Salomão, por mulheres e riquezas.
Em 1998, Trey estudava no seminário Cristo para as Nações, em Dallas. Seu melhor amigo naquela época era Jason Murdock, filho único do pastor Mike. Ele diz que rapidamente passou a ficar íntimo da família e passava horas na mansão da família e conheceu uma “sala secreta”, que possuía alarmes eletrônicos e abrigava um grande forte.

Trey e Jason passavam horas naquela sala, experimentando os caros relógios Rolex, pulseiras de ouro e anéis de diamante, jogando cara ou coroa com valiosas moedas antigas e folheando uma grande coleção de revistas pornô. Eles também faziam uso de bebidas alcoólicas e drogas.
Aos poucos, Trey relata que foi ficando com raiva de ver o pastor Murdock aparecer na TV o tempo todo falando sobre Deus enquanto vivia uma vida que não condizia com suas pregações. Ele relata que o pastor Murdock mantinha um mini-zoológico, que incluía inclusive um leão de estimação, várias limusines e vivia acompanhado de prostitutas de luxo.

Em seu livro ele descreve a situação assim:

“Considerava a sala secreta de Mike uma conta pessoal, onde podia fazer saques pequenos enquanto, em troca, mantinha minha boca fechada. É um fardo viver em uma bolha cristã, sem nunca poder falar sobre o paraíso escondido do pregador, com prostitutas siliconadas, brinquedos sexuais, pornografia pesada, e tudo que o dinheiro podia comprar… Em minha mente, era tudo um comércio, um arranjo sórdido…

Naquela época, eu entrava no closet do pai do meu melhor amigo como o cara que descobriu a tumba do faraó. Havia caixas e caixas de anéis, braceletes e colares de ouro, moedas raras e uma desorganizada coleção de selos muito valiosos… Mas nada se comparava ao que imaginávamos haver dentro do grande cofre, que ficava no meio do quarto. Nunca conseguimos abri-lo, mas passei a deseja-lo. Sonhava com isso, fantasiava como seria… Não queria apenas roubar o seu dinheiro… Mais do que isso, eu tinha realmente aprendido a odiar aquele homem e tudo que ele representa.

Odiava as mentiras, o engano, a ganância, os acordos de bastidores, os segredos, o sexo e toda a dor que ele causava aos cristãos falando sobre a necessidade de eles terem fé no “deus dólar”. Para mim, dentre os televangelistas, Mike Murdock era o pior. Enquanto o mundo estava assistindo-o pregar de terno, gravata e Bíblia aberta em suas telas de televisão, eu conhecia os lugares que ele nunca mostraria perante as câmeras.

Eu sentia que todos seus mantenedores tinham sido injustiçado. Iria apenas consertar as coisas. Eu sabia que praticamente nada daquele dinheiro era destinado para o que Murdock chamava de “instituições de caridade.” Eram apenas uma fachada que ajudavam a manter seu desejo por ter ouvintes obedientes, posses terrenas, contas bancárias de grande porte, mulheres bonitas, escapadas sexuais e sede de poder. Por todas estas razões, eu não me sentia nem um pouco mal por tomar até o último centavo que ele tinha. Eu não era herói. Eu tinha me tornado um canalha sujo e podre como todos eles.”

Trey acabou usando seus conhecimentos e familiaridade com a mansão para roubar o cofre de Murdock enquanto ele estava em sua viagem anual a Israel em 1999. Sabendo a combinação dos alarmes, entrou na sala secreta e fugiu para o México. No relatório para a polícia, Murdock afirmou que no cofre havia 125 mil dólares, nos vídeos disponíveis na internet ele diz que foram milhões. Trey afirma que foi tudo uma armação, o pastor teria colocado pilhas de papel cortadas do tamanho de notas verdadeiras e escrito um bilhete dizendo que jamais perdia que sua fortuna estava a salvo no banco e que iria atrás do ladrão. Com medo do que podia acontecer, Trey fugiu para o México sem dinheiro e com mais raiva ainda do pastor.
Depois de extensa investigação nos Estados Unidos, provas contra Trey foram reunidas, mas ele estava fora do alcance da lei americana. Murdock então contratou investigadores particulares que o rastrearam quando ele voltou para os Estados Unidos.

Ele respondeu por esse roubo e outras acusações e cumpriu pena numa penitenciária durante quase uma década. Enquanto estava preso, escreveu boa parte seu livro, onde diz relatar com detalhes muitos outros segredos do ministério de Murdock e também de outros pastores conhecidos.

Trey Smith agora se diz arrependido e livre das drogas, e que deseja mostrar ao mundo que está mudado. Afirma ter se reconciliado com Deus, mas continua disposto a mostrar quem realmente é o pastor Mike Murdock. Além de publicar Thieves de maneira independente em forma impressa e como ebook, Trey mantém o site godinanutshell.com que oferece várias informações sobre seu passado e traz “provas” de seu roubo e de todas as acusações que faz.
A revista texana D Magazine publicou o primeiro capítulo do livro e tentou ouvir o pastor Murdock ou alguém que pudesse falar em nome do Centro de Sabedoria. Não teve resposta.

Fonte: Traduzido e adaptado por Gospel Prime de Dmagazine e Trinityfi