quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Pastor convida fiéis a autoexame e diz que Deus deve ser o “tesouro supremo” dos cristãos

Pastor convida fiéis a autoexame e diz que Deus deve ser o “tesouro supremo” dos cristãos
O pastor e teólogo John Piper, líder do ministério Desiring God, afirmou que um cristão deve ter em Deus seu “tesouro supremo”, e não apenas como seu redentor.
A reflexão do pastor convida os fiéis a fazerem um autoexame para descobrirem se estão colocando a vida profissional, a saúde ou qualquer outra coisa acima de Deus.
“Os verdadeiros cristãos devem olhar para Deus, não apenas como um libertador, redentor e justificador, mas também devem valorizá-Lo como um tesouro em suas vidas acima de todas as outras coisas”, escreveu Piper, no artigo publicado na última segunda-feira, 28 de dezembro.
Piper pontua que “não é suficiente” que os cristãos olhem “para Deus como seu Salvador para que eles possam ser absolvidos de seus pecados e alcançar a justiça”, e aponta: “Junto com a glória de Deus, os cristãos devem valorizar Deus como o mais alto, o tesouro mais importante em suas vidas”.
“Onde Jesus não é estimado acima de todas as coisas, ele não é confiado com a fé salvadora […] a fé recebe Jesus como o Salvador estimado, o Senhor estimado. E se você disser que uma pessoa pode ser cristã, nascida de novo, justificada, curtindo a vida eterna e destinado ao céu… que esta pessoa poderia ser cristã e ter um tesouro maior do que Jesus em sua vida, eu não sei qual Bíblia você está lendo”, explicou.
Ao final, o pastor explica que um cristão não está obrigado a ser perfeito em sua fé, mas reforça que apenas deve guardá-la como seu tesouro mais importante, e renovar esse pensamento diariamente: “A questão é: eu coloco a minha face, o meu coração, a minha mente, a minha alma e a minha força o máximo que posso para que Cristo seja o tesouro acima de todas as coisas? E eu tenho mais ou menos sucesso, apenas acreditando em altos e baixos? […] Receber Jesus pela fé inclui um receptor de tudo o que Deus é para nós em Jesus, ou seja, ele é o nosso tesouro supremo como está escrito grandemente em toda a Bíblia”, concluiu.
Por Tiago Chagas / via gospelmais.com.br

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Apóstolo emergente das igrejas neopentecostais promete apagar a memória dos fiéis

Numa incansável cruzada por arrecadação, o autointitulado apóstolo Agenor Duque, da Igreja Plenitude do Trono de Deus, pede à plateia que raspe a carteira e que doe até o décimo terceiro salário. Já anda de Porsche e voa de jatinho

Fonte: revista época / ALINE RIBEIRO, COM HARUMI VISCONTI


culto do Bispo Agenor Duque da igreja evangelica  Plenitude do Trono de Deus (Foto: Rogério Cassimiro/ÉPOCA)
Do alto do púlpito, diante de cerca de 7 mil fiéis com as cabeças cobertas por um pequeno pano avermelhado, um homem vestindo uma roupa que imita estopa aponta o dedo para um rapaz da plateia: “Você é homossexual?”, diz ao microfone. Ao ouvir uma resposta afirmativa, continua: “E você quer sair do homossexualismo?”. O interlocutor diz que sim, e é convidado a subir no altar. Enquanto uma canção entorpecente embala a cena, o líder espiritual cerra os dois punhos, ergue os braços e grita: “No milaaaagre de Manassés, Deus apaga da memória agora todo o passado de sofrimento. No milaaaagre de Manassés, Deus faz a pessoa esquecer que um dia foi homossexual”. Volta a se dirigir ao rapaz.

– Seu nome?
– Junior.
– Você tinha alguma vida errada no passado?
– Não.
– Pensei que você era gay... Pensei que você morava com um homem...
– Não, Deus me livre.

Como que num passe de mágica, Junior diz que nunca gostou de homens. Na semana seguinte, volta ao mesmo altar para contar o desfecho de sua história. Diz que seu namorado, ao saber da conversão, caiu no choro. A mãe, surpresa com o esquecimento súbito, cogitou levar o filho a um hospital. Entre gritos entusiasmados de “aleluia” e “eu creio”, o público se levanta e aplaude a transformação.
O homem das vestes de saco – um figurino para demonstrar humildade diante de Jesus Cristo – é o autoproclamado apóstolo Agenor Duque, um paulistano de 37 anos, filho de pais separados, crescido numa família pobre da Zona Leste de São Paulo, ex-viciado em drogas. No concorrido mercado das igrejas neopentecostais, Duque é o pastor emergente do momento. Com uma forte vocação teatral e adepto da prática de prometer o impossível, Duque abocanha cada vez mais fiéis e começa a incomodar as igrejas concorrentes. Além das usuais curas de doenças e vícios, Duque promete apagar o passado da mente dos fiéis.
Não hesita em abusar de condutas preconceituosas, como propagar o “milagre” de fazer um homem esquecer a homossexualidade ou enfrentar num duelo um suposto adepto do candomblé. Prova de sua destreza para lotar igrejas e influenciar opiniões, o deputado e pastorMarco Feliciano não sai do altar da Igreja Apostólica Plenitude do Trono de Deus*. Na campanha eleitoral do ano passado, o tucanoGeraldo Alckmin, reeleito governador de São Paulo, ajoelhou-se no púlpito de Duque.
Num roteiro já conhecido entre os pastores das neopentecostais, Duque começou na Igreja Universal do Reino de Deus e migrou para a Mundial – até que teve uma “visão espiritual” e decidiu criar seu próprio templo. Em setembro de 2006, abria a porta da Igreja Plenitude do Trono de Deus. Com R$ 25 mil da venda de um Astra, Duque comprou algumas poucas horas nas madrugadas de rádios e alugou um galpão na Avenida Celso Garcia – que, pela facilidade de acesso e circulação intensa, concentra boa parte das igrejas neopentecostais. Há dois anos, Duque tinha cinco modestas igrejas em São Paulo.
Hoje, são pelo menos 20, espalhadas por São Paulo, Amazonas, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Goiás e Distrito Federal – sem contar as dezenas de núcleos, galpões abertos pelo interior que, ainda sem documentação, não são considerados templos. No ano passado, a Igreja Plenitude do Trono de Deus firmou uma espécie de joint venture evangélica com a igreja de André Salles, o líder evangélico responsável pela conversão da ex-senadora Marina Silva, para aportar em Brasília. Em dois anos, a Igreja Plenitude do Trono de Deus saltou de quatro para 18 horas no canal de televisão RBI. Só entre outubro e novembro, passou de quatro para mais de nove na Rede Brasil TV.

>> “Deus me revelou que Marina será a próxima presidente”, afirma o pastor que converteu a candidata
O traje de saco nos cultos é uma espécie de abadá para uma encenação de pobreza. Há tempos Duque deixou a dureza para trás. Como os adeptos do funk ostentação, fora do palco ele se enfeita com cordões, anéis e relógios dourados, bonés e tênis de marcas como Nike e Hugo Boss e adora exibir-se no Instagram. Dirige um Porsche e um BMW. Já se exibiu em um vídeo com uma Ferrari – após críticas de internautas, recuou e disse que o carro era de um “amigo”, o pastor Arthur Willian Van Helfteren, da Igreja Universal do Reino de Deus.
Sempre que viaja, Duque evita apertar o corpanzil nas poltronas da aviação comercial; prefere o conforto de um bimotor Cessna Citation. De acordo com os registros da Agência Nacional de Aviação Civil, a aeronave pertence à Cimeeli Comércio e Indústria, uma empresa sem rastro. O telefone atribuído à Cimeeli é residencial e seus sócios não foram localizados.
Em um universo em que não faltam exageros, os cultos de Duque são espetáculos ainda mais histriônicos. Ele atua em parceria com a mulher, a autointitulada bispa Ingrid Duque, e mais recentemente com o filho adotivo, o pastor Allan. Em suas performances, Agenor Duque intercala suas falas com expressões incompreensíveis que diz virem da língua do Espírito Santo – “Traz o óleo, quibalamacia balabaliã”, diz, em meio ao culto, enquanto checa mensagens no telefone. Suas orações quase sempre terminam com um “hallelujah”, num esforçado sotaque americano.
“A religiosidade brasileira sempre foi muito sincrética. O brasileiro valoriza tudo o que o ajuda a se relacionar diretamente com o sagrado”, afirma Rodrigo Franklin de Sousa, professor de pós-graduação em ciências da religião da Universidade Presbiteriana Mackenzie. “O teatro cai como uma luva.” Os cultos da Plenitude do Trono de Deus reúnem dramas humanos de todos os tipos. Há mulheres traídas pelo marido, fiéis com pendências com a Justiça, mães desesperadas para tirar o filho da prisão, pais de família desempregados, viciados que tentam resgatar a dignidade.
Converter os dramas em espetáculo e gerar lucro requer organização. Nos cultos de domingo, mais lotados, a igreja é dividida em quadras imaginárias, cada qual vigiada por um pelotão de obreiros. Numa cerimônia, um homem se exaltou e foi contido por seguranças. Curiosa, parte da plateia foi repreendida pelos obreiros: “Deus está no altar lá na frente. Parem de olhar para o lado”.
culto do Bispo Agenor Duque da igreja evangelica  Plenitude do Trono de Deus (Foto: Rogério Cassimiro/ÉPOCA)
Em um dos episódios mais plásticos, no ano passado, Duque estava no altar quando um dos obreiros avisou sobre um homem que, sem abrir a boca, se apresentava como pai de santo e o desafiava. Rodando uma jaqueta ao redor do corpo, o homem subiu ao palco e foi ao encontro de Duque. Como se estivesse num MMA espiritual, Duque encostou a cabeça no adversário, deu dois gritos e – shazam! – o sujeito desmilinguiu-se. A plateia foi ao delírio. “O público gosta”, diz Paulo Romeiro, doutor em ciências da religião. “A igreja neopentecostal brasileira é cega, infantilizada, cheia de picaretas e cambalacheiros.”
Tanto cultos quanto programas no rádio e na TV da Igreja Plenitude do Trono de Deus têm um roteiro simples, que converge para a arrecadação. A pregação da Bíblia é quase inexistente. Invariavelmente, o pastor apresenta um “milagre” e, na sequência, pede dinheiro ostensivamente. Numa tarde de terça-feira, em outubro, uma pastora da Plenitude do Trono de Deus pediu aos fiéis que abrissem suas Bíblias em 1 Reis 17. A passagem conta a história de uma viúva miserável que, diante de uma onda de fome, doou tudo o que tinha – um punhado de farinha na panela e um pouco de azeite numa botija – a um profeta desconhecido, antes mesmo de alimentar o filho.
Ao final da leitura do capítulo, a pastora gritou ao microfone: “Deus está me dizendo que alguém aqui tem R$ 50 na carteira, é tudo que essa pessoa tem. Se você sentiu que esse chamado é para você, faça como a viúva. Ela deu tudo que tinha, e foi recompensada”. Uma mulher se encaminhou ao altar e retirou a única nota de R$ 50 da carteira. Os pedidos aos demais continuaram num crescente. “Prova para Deus que você acredita. Precisa ser um sacrifício grande, algo que dói! Limpa a carteira! Raspa a carteira! Ou faz como uma mulher no culto desta manhã, que doou o próprio carro.”
A adivinhação no púlpito, diz um ex-obreiro da Igreja Plenitude do Trono de Deus, não passa de uma trapaça. Na chegada à igreja, os fiéis com um pedido especial preenchem uma ficha com sua história – depois colocada no altar. Enquanto lê disfarçadamente o relato, o pastor repete tudo ao microfone como se estivesse tendo uma epifania. Ao reconhecer sua história, o fiel emocionado se dirige ao altar e confirma o milagre. “São verdadeiras empresas da fé”, afirma o teólogo João Flávio Martinez, presidente do Centro Apologético Cristão de Pesquisas. Os pastores que arrecadam mais são recompensados e ascendem. “Eles recebem até bônus”, afirma um ex-obreiro da Plenitude do Trono de Deus. “Eles dizem que você tem de entrar na mente da pessoa, convencê-la a aceitar o que você diz”, afirma.
Às quintas-feiras, numa reunião fechada de presbíteros, os mais experientes recomendam “agressividade” e “olhar clínico” para identificar potenciais doadores. “Os pastores dessas igrejas são bem preparados, fazem cursos de marketing, de gestão, de oratória. A lógica é unicamente de mercado. Não existe uma base de doutrina”, diz Rodrigo Sousa. Os pastores das maiores agremiações fazem cursos específicos de gestão financeira de igrejas no exterior. A hierarquia é rígida. Como um presidente de empresa, Agenor Duque convive com poucos de seus comandados. Usa até mesmo uma entrada exclusiva na sede. Os insistentes pedidos de entrevista de ÉPOCA – todos negados – percorreram três instâncias antes de chegar a ele.
Em sua incansável cruzada por arrecadação, a Igreja Plenitude do Trono de Deus promove campanhas temáticas com objetivos específicos. Uma do Vale de Elah, traz um boneco recente, gigante que procura reproduzir a figura do rei David, vestido como um guerreiro, com escudo e espada no altar da igreja. Uma loja vende diversos badulaques inspirados longinquamente em temas bíblicos. A gama de produtos inclui a marca própria de roupas e acessórios femininos da bispa Ingrid, na loja Amor Oficial.
Os looks – saias estampadas, calças boca de sino, bolerinhos e vestidos longos com estampas em três dimensões – usados por Ingrid na TV e nas redes sociais são reproduzidos por boa parte das fiéis nos cultos. “Quem usa é escolhida por Deus”, diz Ingrid no Instagram da marca. Como a inflação não respeita nem o sagrado e não está fácil nem para milagreiros, na Amor Oficial também tem liquidação – só muda o nome: a Black Friday, o dia internacional do desconto, chama-se White Friday.
O ritmo de inovação da Plenitude do Trono de Deus é incessante. Recentemente, Duque passou a pedir o 13º salário dos fiéis – e até o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Para os próximos meses, planeja a construção de um novo templo, para o qual criou uma campanha específica, cuja contribuição começa em R$ 1.000. Em fevereiro, pretende lotar o Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, com capacidade para 13 mil pessoas, e o estádio do Canindé, em São Paulo, que acomoda 21 mil pessoas, com uma atração internacional: o controverso pastor Benny Hinn, que percorre o mundo com seus megacultos milagrosos. “Com a crise financeira, as igrejas neopentecostais estão tendo de se reinventar para entregar resultados”, afirma Rodrigo Sousa. No que depender da criatividade de Duque, a Igreja Apostólica Plenitude do Trono de Deus pode superar limites.
*Nota da redação: A Igreja Internacional Plenitude de Deus não tem vínculos com a Igreja Apostólica Plenitude do Trono de Deus. 
Banca da unção  (Foto: Época )

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Os perigos que devemos evitar no Natal



O dia 25 de dezembro em quase todo o mundo é uma data muito especial, a qual se comemora popularmente o nascimento de Jesus. Mas, por onde passamos vemos casas e estabelecimentos comercias com árvores enfeitadas, luzes e um Papai Noel que parece transmitir certa alegria. E não é somente isso que o Natal, supostamente, nos proporciona. Ele também faz com que as pessoas tenham um “espirito natalino” que dura, em média, 48 horas.
 

Mas esses não são os únicos perigos que o Natal pode nos levar. Uma volta em qualquer shopping center da cidade, veremos um local extremamente enfeitado, com o velhinho de roupa vermelha e barba branca, rodeado de criancinhas querendo tirar foto com ele. E, se já não bastasse isso, muitos entram no embalo e ensinam os seus filhos que este velhinho de barba branca mora no Polo Norte, que têm ajudantes (elfos ou duendes) e que no dia 25 de dezembro ele sairá por todo o mundo presenteando as boas criancinhas.

No entanto, a enganação não para por aí. Pois, além de propagar essas mentiras, tais pessoas fazem com que o foco do Natal seja mudado – de Cristo para Noel – ensinando que: 

• O Papai Noel é onipresente: Porque quando der a meia-noite do dia 24 para o dia 25, este bom velhinho estará em todo mundo presenteando cada criança; 

• O Papai Noel é onisciente: Pois tais criancinhas que receberão os presentes são aquelas que se comportaram bem, obedecendo ao papai e a mamãe, e que fizeram a lição de casa. E o Papai Noel sabe quem são cada uma; 

• O Papai Noel é especial (único): Este bom velhinho tem um trenó com renas que voam e um saco que contém presentes para todas as boas criancinhas. Mas não é somente isso. O Papai Noel recebe cartinhas (como se fosse orações) de pedidos para serem atendidos. 

Não, isso não é uma teoria da conspiração! O que eu quero mostrar é que até aquilo que pode fazer uma ligação com uma verdade bíblica, se for usada para substituir Jesus, é pecaminoso. Pois estaremos trocando a realidade de Cristo por um folclore. 

Não obstante, devemos ensinar às nossas crianças que o verdadeiro sentido do Natal não é somente dizer que Cristo nasceu, mas que o Seu nascimento teve um propósito, para que fôssemos salvos da escravidão do pecado. Ele sofreu na cruz a nossa morte - o Inferno que era para nós - para que tivéssemos vida e vida com abundância diante de Deus. 

***
Autor: Denis Monteiro
Fonte: Bereianos

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Parlamento grego vota a favor de reconhecimento do Estado palestino

Parlamento grego vota a favor de reconhecimento do Estado palestino

Todos os partidos votaram a favor de texto que pede esforço diplomático

Fonte: G1 / CPADNews
Parlamento grego vota a favor de reconhecimento do Estado palestino
O Parlamento grego adotou nesta terça-feira (22) uma resolução para pedir ao governo que reconheça o Estado palestino, durante uma sessão especial na presença do presidente Mahmmud Abbas, em Atenas desde segunda-feira (21).
Todos os partidos do Parlamento votaram a favor de um texto que pede ao governo grego que "promova os passos adequados para reconhecer um Estado palestino e qualquer esforço diplomático para retomar as negociações de paz" na região, indicou o presidente do Parlamento, Nikos Voutsis.
O texto menciona uma série de documentos internacionais a favor de continuar as negociações para solucionar o conflito entre israelenses e palestinos, assim como resoluções sobre o reconhecimento da Palestina adotadas por outros países e pelo Parlamento Europeu, disse Voutsis.
Há uma semana, a comissão de Defesa e Relações Exteriores já adotou por unanimidade uma resolução para reconhecer o Estado palestino.
O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, aplaudiu na segunda-feira o voto do Parlamento, depois de se reunir com Abbas, e anunciou que a palavra "Palestina" substituirá os termos "Autoridade Palestina" nos documentos oficiais gregos.
"A Grécia se compromete à instauração de um Estado palestino viável, independente e soberano com base nas fronteiras fixadas em 1967 e com Jerusalém Oriental como capital, um país que coexistirá de forma pacífica com Israel", declarou Tsipras.
Abbas agradeceu, por sua vez, "o povo e o governo gregos por seu apoio" e "sua solidariedade para que os palestinos tenham seu próprio Estado".
A visita de Abbas à Grécia é um sinal "do fortalecimento" das relações históricas entre os dois países, acrescentou o primeiro-ministro grego.
A Grécia se aproximou de Israel nos últimos anos, sobretudo no âmbito da energia, mas sempre manteve boas relações com os palestinos.
Em relação ao reconhecimento propriamente dito do Estado palestino, Tsipras esperou "uma solução viável" após negociações substanciais. A Grécia "considerará o bom momento" para este reconhecimento, levando-se em conta "as relações fraternais com o povo árabe e as relações de cooperação com Israel".

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Igreja Católica perdoa padre Cícero e abre caminho para beatificação do religioso cearense

Igreja Católica perdoa padre Cícero e abre caminho para beatificação do religioso cearense
O padre Cícero Romão Batista, cearense, ícone dos católicos da Região Nordeste e popularmente conhecido como “padim Ciço”, foi perdoado pelo Vaticano das acusações de heresia.
Em 1889, padre Cícero passou a ser punido pela Igreja Católica após alegar que havia vivenciado um milagre por que uma hóstia teria sangrado na boca de uma beata. “Padim Ciço”, então, teria dado um pano para a fiel limpar a boca, e passado a mostrar o sangue como se fosse o sangue do próprio Cristo.
Nos dois anos seguintes, o fato teria se repetido, o que gerou novas punições, até que em 1892 ele foi impedido de oficiar missas por 24 anos. Especula-se que o sangue expelido pela beata fosse resultado de tuberculose.
Mesmo afastado da sacristia, o padre Cícero ganhou fama de milagreiro, passou a atuar na política, sendo eleito prefeito de Juazeiro do Norte (CE) em 1911 pelo Partido Republicano Conservador. Permaneceu no cargo por 15 anos, e em 1926 foi eleito deputado federal, mas não assumiu o mandato, e morreu em 1934, aos 90 anos.
Ao longo da vida política, enriqueceu, acumulando imóveis, grandes extensões de terra e milhares de cabeças de gado.
Agora, nove anos após um apelo do bispo dom Fernando Panico, da diocese de Crato (terra natal de Cícero), o papa Francisco enviou uma carta reconhecendo que não existem motivos para que o religioso não tenha sua condição perante a Igreja Católica reabilitada.
De acordo com o jornal O Globo, Francisco reconhece ainda que, caso os critérios estabelecidos para beatificação e/ou canonização sejam atingidos, “padim Ciço” poderá alcançar status de santo católico, mas frisa que a mensagem pregada através da figura do religioso cearense deve ser centrada em Jesus Cristo.
“A presente mensagem foi redigida por expressa vontade de Sua Santidade, o papa Francisco, na esperança de que Vossa Excelência Reverendíssima não deixará de apresentar à sua diocese e aos romeiros do padre Cícero a autêntica interpretação da mesma, procurando por todos os meios apoiar e promover a unidade de todos na mais autêntica comunhão eclesial e na dinâmica de uma evangelização que dê sempre, e de maneira explícita, o lugar central a Cristo, princípio e meta da História”, dizia trecho da carta enviada pelo secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin.
A história do padre Cícero atrai, todos os anos, 2 milhões de romeiros à cidade de Juazeiro do Norte. Armando Lopes, chanceler da diocese de Crato, comemorou a decisão do papa: “Com o perdão e reconciliação, fica entendido que padre Cícero não errou. Todas as punições foram suspensas. A Igreja entendeu que sua pregação estava no caminho certo, e por isso a devoção a ele continuou crescendo durante todos esses anos”, concluiu.
Por Tiago Chagas / via gospelmais.com.br

“Não se paga pela Salvação. Ela é gratuita”, diz papa Francisco, alertando sobre aproveitadores da fé

“Não se paga pela Salvação. Ela é gratuita”, diz papa Francisco, alertando sobre aproveitadores da fé
O papa Francisco voltou a denunciar os aproveitadores da fé que tentam tirar vantagens em cima dos fiéis, cobrando pela Salvação.
A mensagem do pontífice católico possuía um contexto mais urgente, dado que a denominação romana está atualmente celebrando o Ano do Jubileu, mas também tinha um prisma mais amplo, denunciando práticas muito comuns em diversas partes do planeta.
“Sejam cuidadosos. Tomem cuidado com qualquer um que tente ser rápido e esperto, dizendo que vocês têm que pagar. Não! Não se paga pela salvação. Ela é gratuita”, alertou o papa, durante sermão para milhares de fiéis na Praça de São Pedro, na última quarta-feira, de acordo com informações do Charisma News.
A preocupação mais urgente do papa era com os relatos de fiéis que teriam sido obrigados a pagar valores a golpistas para terem o direito de atravessar as “portas sagradas” de catedrais católicas de todo o mundo, num ritual simbólico conhecido por motivar fiéis a buscarem perdão por seus pecados.
No contexto mais amplo, essa mensagem coincide com a recorrente postura do papa de alertar contra a chamada “teologia da prosperidade”, em que se prega uma mensagem distorcida do Evangelho, propondo barganhas com Deus por bens materiais.
Curiosamente, a atual postura do papa, enfático na gratuidade da Salvação, é diametralmente oposta ao conceito que existia na Igreja Católica há aproximadamente 500 anos, quando o pontífice era Leão X e existiam vendas de indulgências, o que motivou Lutero a propagar suas 95 teses e iniciar a Reforma Protestante.

O Ano do Jubileu

O Ano Santo, na tradição católica, foi iniciado em 1300 e era realizado a cada 100 anos. Após a segunda celebração (1400), o intervalo foi reduzido para 50 anos, e em 1475 aconteceu o primeiro Ano Santo com um intervalo de 25 anos em relação ao anterior.
Essa mudança foi feita para permitir que os fiéis, de cada geração, tenham a oportunidade de ao menos uma vez participar da celebração.
Há ainda a possibilidade da declaração de um Ano Santo extraordinário, que é o caso do atual. O último, regular, havia sido realizado no ano 2000, sob decreto do papa João Paulo II. Como Francisco pretende difundir o conceito de uma Igreja mais aberta a seus fiéis e mais prática, resolveu decretar um Ano Santo antes do próximo, que seria realizado em 2025, com a misericórdia, compaixão e perdão como temas principais.
Por Tiago Chagas / via gospelmais.com.br

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Pregador que havia sido condenado por falar contra a homossexualidade recorre e é absolvido

Pregador que havia sido condenado por falar contra a homossexualidade recorre e é absolvido
Um cristão que havia sido multado e condenado a indenizar um homossexual por pregar em praça pública a visão bíblica sobre a homossexualidade teve sua apelação aceita e foi inocentado.
Michael Overd, ex-paraquedista militar, prega há anos nas ruas do bairro de Taunton, no condado de Somerset, na Inglaterra, e já enfrentou diversas situações de constrangimento e críticas por causa dos transeuntes que não concordam com a mensagem que ele prega.
Em junho de 2014, um homossexual ouviu a pregação de Overd sobre a homossexualidade, baseada na passagem de Levítico 20:13, e resolveu acioná-lo na Justiça, que em primeira instância, acatou o pedido de indenização por homofobia em março desse ano.
No entanto, Overd recorreu e agora, a Justiça o livrou de pagar a multa de £ 200 (equivalente a R$ 1.190 na cotação de hoje, 16 de dezembro) e uma £ 1.200 de indenização ao homossexual (R$ 7.140). O juiz David Ticehurst, da Corte de Taunton, emitiu a decisão favorável ao pregador na última sexta-feira, 11 de dezembro, de acordo com informações do Christian Today.
“Dou graças a Deus pela vingança de hoje. Eu tenho experimentado a paz e a presença de Deus durante todo este tempo difícil […] Hoje o Tribunal de Justiça foi confrontado com a ridícula situação de uma testemunha dizendo ao juiz coisas que não conseguia sequer lembrar que eu tinha dito, mas simplesmente afirmava que eu era ‘homofóbico’ – como se a mera afirmação de que alguém é ‘homofóbico’ fosse o suficiente para limitar a liberdade de expressão”, comentou Overd.
O pregador deixou sua impressão sobre o atual cenário social: “Neste país, estamos uma situação absurda em que a menor acusação de ‘fobia’, seja ela ‘homofobia’ ou ‘islamofobia’, é suficiente para paralisar a ação racional das autoridades. O dogma altamente politizado das ‘fobias’ muitas vezes também resulta em acusações forjadas e ações judiciais”, criticou.
O recurso de Overd teve suporte jurídico do Centro Legal Cristão, que designou o advogado Michael Phillips para representá-lo. A diretora da entidade, Andrea Williams, comentou que a prática do pregador é “motivada pelo amor, e ele simplesmente quer compartilhar as boas novas de Jesus Cristo”.
Williams acrescentou ainda que “o debate público está cada vez mais superficial e frágil”, e lamentou: “As pessoas sentem que certas coisas não podem ser ditas. Isso é perigoso. [O conceito ‘politicamente correto’] nos impede de ter ideias desafiadoras, crenças e comportamentos que precisam ser desafiados. Pode fazer algumas pessoas se sentirem mais confortáveis, mas não tornar o país mais seguro”, concluiu.
Para o pregador, esse é o final de um capítulo sobre um obstáculo, mas não o final de sua missão: “Minha motivação em toda a minha pregação é compartilhar a mensagem de amor e perdão através de Jesus Cristo. Para isso eu tenho que falar sobre a realidade da vida, incluindo o nosso pecado”.
Por Tiago Chagas / via gospelmais.com

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Deputado evangélico pede impeachment de Michel Temer

Deputado evangélico pede impeachment de Michel Temer

Cabo Daciolo lembra que vice assinou também as `pedaladas fiscais´

Fonte: CPADNews/ via Gospel Prime / com informações de O Globo
Deputado evangélico pede impeachment de Michel Temer
O deputado Cabo Daciolo é um dos membros da bancada evangélica que mais fala sobre sua fé na tribuna da Câmara. Em maio, foi expulso do PSOL, partido pelo qual se elegeu, por pedir que a Constituição dissesse que “todo poder emana de Deus”.
Sem as amarras partidárias, passou a usar seu tempo para pronunciamentos para enfrentar questões que outros parlamentares preferem se esquivar. Em outubro, pediu que Eduardo Cunha, que se diz evangélico,renunciasse ao cargo “para honra e glória de Jesus”.
No início do mês seguinte fez uma convocação santa, dizendo que o povo brasileiro precisava orar e jejuar pelo país. “A nação está doente e precisa ser curada… Haverá uma verdadeira varredura no Congresso”, decretou, e desafiou os demais deputados evangélicos: “os que estão calados que se posicionem”.
De lá para cá o Brasil tem vivido uma crise política onde ao mesmo tempo, podem perder o cargo o presidente da Câmara e a presidente do país. Hoje (10), Daciolo protocolou o pedido de impeachment do vice-presidente da República, Michel Temer.
A acusação é que Temer também deve responder pelo crime de responsabilidade. O governo infringiu a Lei de Responsabilidade Fiscal quando assinou decretos de abertura de crédito que resultaram na acusação das “pedaladas fiscais”.
A petição de Daciolo afirma que a participação do vice-presidente foi ativa e não tão-somente omissiva, tendo ele autorizado indevidamente e sem o aval do Congresso Nacional a liberação de créditos suplementares quando ocupou a presidência em ocasiões que Dilma estava viajando.
O parlamentar requereu ainda que seu pedido seja anexado ao pedido do afastamento da presidente Dilma Rousseff, pois as razões são as mesmas.
Até o momento o cabo não explicou se o seu pedido tem a ver com o mover de Deus que ele profetizou que ocorreria no país. A petição foi feita dentro do prazo que Daciolo afirmou que eram necessários para se mudar a nação do ponto de vista espiritual.

Detentas recebem doação de 900 bíblias em presídio no Ceará

Detentas recebem doação de 900 bíblias em presídio no Ceará

Distribuição foi realizada pela coordenadoria da OAB-CE

Fonte: CPADNews/ via Guia-me / Com informações da OAB-CE
Detentas recebem doação de 900 bíblias em presídio no Ceará
Ordem dos Advogados do Brasil – Secção Ceará (OAB-CE) realizou a doação de 900 Bíblias para as detentas do presídio Auri Moura Costa, em Aquiraz, Região Metropolitana de Fortaleza. O ato que aconteceu por meio da Coordenadoria de Liberdade Religiosa, ocorreu na manhã da última quarta-feira (9), e contou com a presença do presidente da Ordem cearense, Valdetário Andrade Monteiro, e do secretário de Justiça, Hélio Leitão.
Valdetário elogia a iniciativa da ordem e afirma que a ação foi de grande importância. “A palavra de Deus é, sem sombra de dúvidas, algo que traz conforto e um novo norte. É louvável a iniciativa da Coordenação de Liberdade Religiosa da Ordem em trazer não só a Bíblia como livro físico, mas uma palavra de aproximação da sociedade com as detentas. A ressocialização só é possível com essa aproximação. Acredito que nós hoje cumprimos um importante papel”, disse.
Já o advogado Robson Sabino, coordenador dos Estudos de Liberdade Religiosa, ressalta a expectativa de que as mulheres que receberam as bíblias renovem suas esperanças. “Estamos dando o pão espiritual. A época do Natal é uma oportunidade que as pessoas têm de repensar suas vidas. A OAB Ceará, por meio de parcerias, conseguiu essas Bíblias e a expectativa é que as detentas tenham a oportunidade de renovar a esperança, bem como o desejo de mudar e retornar para a sociedade como cidadãs”, pontuou.
A doação das Bíblias foi feita pela Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias. O presidente da instituição, Henrique Simplício, destacou a diferença que a ação fará na vida das detentas. “É dezembro, e é Natal, época em que com certeza nos lembramos do nosso Salvador, Jesus Cristo. Por isso, a igreja, por meio dessa parceria com a OAB-CE, sentiu que tinha de dar um presente às pessoas necessitadas e carentes, principalmente as que estão no presídio, privadas de suas liberdades. Não existe presente melhor que um livro, e o livro dos livros, que é a Bíblia, com certeza fará a diferença na vida de todas”, declarou.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Pastor Franklin Graham envia mensagem à comunidade LGBT: `O mundo está lhes enganando´

Pastor Franklin Graham envia mensagem à comunidade LGBT: `O mundo está lhes enganando´


Em um post feito em seu Facebook, o evangelista argumentou que estava escrevendo `para todos os gays, lésbicas e transgêneros´, porque ele os ama o suficiente para lhes dizer a verdade

Fonte: Guia-me / com informações de The Christian Pos
Pastor Franklin Graham envia mensagem à comunidade LGBT: `O mundo está lhes enganando´
Na última terça-feira (1), o pastor, diretor daAssociação Evangelística Billy Graham e da missão Bolsa do Samaritano, Franklin Graham publicou em sua página oficial do Facebook, uma mensagem dirigida a todas membros da comunidade LGBT, afirmando que ele quer está lhes dizendo a verdade, enquanto a sociedade os está "enganando".
"Deus criou o sexo e o deu como uma presente para que nós apreciássemos, mas Ele também nos diz em Sua Santa Palavra que este deve ser reservado para um relacionamento conjugal entre um homem e uma mulher. Qualquer tipo de atividade sexual ou relação sexual fora disto é pecado", escreveu Graham em uma mensagem para "todos os gays, lésbicas e transgêneros", postada em página do Facebook.
"O mundo gostaria de redefinir o casamento e outros limites para o sexo, mas não cabe a nós definir isto", acrescentou.
"Deus, o Todo-Poderoso, o Criador estabeleceu o padrão no início dos tempos. Os inimigos de Deus gostariam que vocês fossem enganados, mas Deus quer o melhor para sua vida. Ele quer que saibamos a verdade: Deus quer que todos nós estejamos estar com Ele no Céu, na eternidade - mas nossos pecados bloqueiam este caminho".
Graham argumentou que ele estava escrevendo para os membros do movimento LGBT, porque ele os ama o suficiente para dizer-lhes a verdade. Ele acrescentou que ele também é um pecador, e que seus próprios pecados "não podem ser facilmente limpos", mas ele acredita que foi perdoado, porque ele se arrependeu e pediu perdão a Deus quando ele tinha 22 anos de idade e tornou-se um cristão.
"Naquela noite, pedi a Jesus Cristo que entrasse na minha vida e assumisse o controle da minha vida. Estou tão agradecido por Sua salvação e de ser capaz de viver a minha vida sabendo que Deus me perdoou dos meus pecados", Graham explicou em seu post.
Ele continuou sua mensagem, pedindo fizessem a 'oração do pecador' e escreveu no final: "Deus te abençoe, e lembre-se que Deus te ama e eu também".
Casamento gay
O líder da Associação Evangelística Billy Graham tem sido um crítico da decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos, tomada em junho, que legalizou o casamento homossexual em todo o país. Ele alertou que Deus poderia punir os Estados Unidos por causa desta decisão, que foi contra a definição tradicional de casamento.
"Nossa nação tem um problema espiritual e precisamos do perdão de Deus. Precisamos nos arrepender de nossos pecados e nos convertermos, porque eu acredito que o julgamento de Deus virá sobre esta nação", disse o pregador na ocasião.
"Quando lemos nas Escritura, vemos como Deus julgou Israel em diversos momentos, quando eles iriam virar as costas para Ele e começar a adorar outros deuses, deuses estrangeiros e Deus traria juízo a Israel. Eu acredito que Deus poderia trazer julgamento sobre a América".
Amor = um mandamento
Ele também foi decidiu cortar relações comerciais com empresas, como a Wells Fargo, que incluiu um casal gay em um de seus anúncios de TV, mas afirmou que os empresários também devem ser "amigáveis" - como indivíduos - com os homossexuais.
"Por isso quero dizer que os empresários - como indivíduos - devem ser amigáveis para com os clientes gays, bem como nós, cidadãos devemos ser amigáveis a todos, mesmo se ou quando estamos em desacordo com eles", disse o pastor em junho.
Ele também disse que para os cristãos, o ato de ser amigável para com os homossexuais "não é algo opcional".
"O próprio Jesus deu um ultimato no Evangelho do Novo Testamento de João: 'Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, você também devem amar uns aos outros", escreveu Graham, citando as palavras de Cristo