terça-feira, 29 de janeiro de 2013

A TRAGÉDIA DE SANTA MARIA-RS



Por Solano Portela

A tragédia de Santa Maria está na mente de todos os brasileiros. Mais de 230 mortes - a maioria de jovens, deixando centenas de famílias enlutadas, como consequência do terrível incêndio. O que era uma noite de diversão transformou-se em um rio de lágrimas que transborda por todo o país. Mais uma vez, as últimas viradas de anos têm sido marcada por tragédias. Em janeiro de 2011, avalanches de terra e enchentes ceifaram centenas de vidas, na região serrana do Rio. Em 2008/2009 foram inundações e deslizamentos assoladores em Santa Catarina. Na transição 2009/2010 tivemos também mortes e prejuízos causados pelas águas, no sudeste do Brasil. Naquela ocasião escrevíamos, também, sobre o terremoto no Haiti e choramos com o conseqüente sofrimento chocante e intenso daquele evento que dizimou cerca de 200 mil pessoas. Três anos depois, aquele povo ainda geme com a orfandade, dissolução social, promessas não cumpridas pela "comunidade internacional" e com a extrema e endêmica corrução arraigada naquela terra. Isso porque ainda não nos saiu da memória o Tsunami de 26.12.2004, no Oceano Índico, quando pereceram cerca de 220 mil pessoas, situação recentemente lembrada no filme "O Impossível".


Enquanto vemos as cenas de dor e tristeza, e avaliamos tudo isso, somos levados às Escrituras para procurar alguma compreensão trazida pelo próprio Deus, para esses desastres. É no meio dessas circunstâncias que decidimos recolocar aqui alguns pensamentos que já foram expressos neste Blog em posts anteriores.

Na ocorrência de tragédias devemos resistir à tentação de procurar respostas que diminuem a bíblica soberania e majestade de Deus, e conseqüentemente não fazem justiça à sua pessoa, ou aquelas que nos colocam com Deus - pontificando um julgamento divino sobre a situação imediata da ocorrência. Tais “explicações”, “conclusões” e “construções” aparentam ser plausíveis, mas revelam-se meramente humanas, pois contrariam a revelação das Escrituras. Esses tipos de respostas sempre aparecem, quando ocorrem desastres; quando diversas vidas são ceifadas e pessoas que estavam entre nós desaparecem, de uma hora para outra. Interpretações estranhas dessas circunstâncias não são novidade e nem têm surgido apenas em nossos dias.

Por exemplo, em novembro de 1755 a cidade de Lisboa foi praticamente arrasada por um grande terremoto. A conclusão emitida por padres jesuítas foi a de que: “Deus julgou e condenou Lisboa, como outrora fizera com Sodoma”. Voltaire (François Marie Arouet), que era um deísta, escreveu em 1756 “Poemas sobre o desastre em Lisboa”. Ali, ele culpa a natureza e a chama de malévola, deixando no ar questionamentos sobre a benevolência de Deus. Jean Jacques Rousseau, respondeu com “Carta sobre a providência”. Nela ele culpa “o homem” como responsável pela tragédia. Ele aponta que, em Lisboa, existiam “20 mil casas de seis ou sete andares” e que o homem “deveria ter construído elas menores e mais dispersas”. Ou seja, procurando “inocentar a Deus e a natureza” ele coloca a agência da tragédia no desatino dos homens, de maneira bem semelhante à que os especialistas contemporâneos e comentaristas da mídia adoram fazer.[1]

Quando do terremoto no Haiti, à semelhança do que ocorreu no Tsunami, alguns depoimentos de pastores, que li, falavam sobre a “mão pesada de Deus, em julgamento”; opinião semelhante à emitida quando do acidente com o avião que transportava o grupo “Mamonas Assassinas”, em 1996. No entanto, nenhuma pessoa tem essa capacidade de julgamento, que reflete apenas orgulho e prepotência.

Mas outros procuram uma teologia estranha às Escrituras, para “isolar” Deus da regência da história. São os mesmos que, quando da ocorrência do Tsunami e do acidente ocorrido com o Vôo 447 da Air France em junho de 2009, emitiram a seguinte conclusão: “Diante de uma tragédia dessa magnitude, precisamos repensar alguns conceitos teológicos” (veja as excelentes reflexões sobre esse último desastre, no post do Augustus Nicodemus, neste mesmo blog). No entanto, em vez de formularmos nossa teologia pelas experiências, voltemo-nos ao ensinamento do próprio Jesus.

Graças a Deus que temos, em Lucas 13.1-9, instrução pertinente sobre como refletir sobre desastres e tragédias. A primeira tragédia tratada é aquela gerada por homens (Vs 1-3). Certos galileus haviam sido mortos por soldados de Pilatos. A Bíblia diz que “alguns” colocaram-se como críticos e juízes (a resposta de Jesus infere isso); deduziram que aqueles que haviam sofrido violência humana, sangue derramado por armas (um paralelo às situações que vivemos nos nossos dias) seriam mais pecadores do que os demais. No entanto, o ensino ministrado pelas Escrituras é o seguinte: Não vamos nos colocar no lugar de Deus. Não vamos nos concentrar em um possível juízo ou julgamento sobre as vítimas. Jesus, em essência diz: cuidem de si mesmos! Constatem os seus pecados! Arrependam-se!

Mas ele nos traz, também, um segundo tipo de tragédias. Esta que é referida é semelhante, guardadas as proporções, a essas enchentes e deslizamentos, ou ao terremoto do Haiti. São tragédias classificadas como “fatalidades”. Jesus fala da Torre de Siloé. O texto (Vs 4-5) diz que ela desabou, deixando 18 mortos. Jesus sabia que mesmo quando, aos nossos olhos, mortes ocorrem como conseqüência de acidentes, isso não impede que rapidamente exerçamos julgamento; não impede que tentemos nos colocar no lugar de Deus. E Jesus pergunta, sobre os que pereceram: “Acham que eram mais culpados do que todos os demais habitantes da cidade”? O ensino é idêntico: Não se coloquem no lugar de Deus; não se concentrem em um possível juízo ou julgamento sobre as vítimas; cuidem de si mesmos! Constatem a sua culpa! Arrependam-se!

O surpreendente é que Jesus passa a ilustrar o seu ensino com uma parábola (Vs.6-9). Ele fala de uma figueira sem fruto. Aparentemente, a parábola não teria relação com as observações prévias, mas, na realidade, tem. Ela nos ensina que vivemos todos em “tempo emprestado” pela misericórdia divina. O texto nos ensina que:

Figueiras existem para dar frutos - o homem vinha procurar frutos - essa era sua expectativa natural. Todos nós fomos criados para reconhecer a Deus e dar frutos. Esse é o nosso propósito original.

Figueiras sem frutos “ocupam inutilmente a terra”. O corte é iminente, e justificado a qualquer momento.

O escape: É feito um apelo para que se espere um pouco mais, na esperança de que, bem cuidada e adubada, a figueira venha a dar fruto e escape do corte.

Lições para o vizinho? Jesus não apresenta a figueira como um paralelo para fazermos uma comparação com outras pessoas – cujas existências foram ceifadas como vítimas de violência ou fatalidades. Ele quer que nos concentremos em nós mesmos, em nossas próprias vidas, pecados e na necessidade de arrependimento.

Tempo emprestado: O que ele está ensinando e ilustrando, aqui, é que nós, você e eu, como os habitantes de Santa Maria, as vítimas do Tsunami, na Ásia, ou os habitantes do Haiti, vivemos em tempo emprestado; vivemos pela misericórdia de Deus; vivemos com o propósito de frutificar, de agradar o nosso proprietário e criador.

Creio que a conclusão desse ensino, é que, conscientes da soberania de Deus e de que ele sabe o que deve ser feito, não devemos insistir em procurar grandes explicações para as tragédias e fatalidades. Jesus nos ensina que teremos aflições neste mundo (João 1.33) - essa é a norma de uma criação que geme na expectativa da redenção. 1 Pe 4.19 fala dos que sofrem segundo a vontade de Deus. Lemos que não devemos ousar penetrar nos propósitos insondáveis de Deus; não devemos “estranhar” até o “fogo ardente” (1 Pe 4.12).

Assim, as tragédias, desde as locais pessoais até as gigantescas, de características nacionais e internacionais, são lembretes da nossa fragilidade; de que a nossa vida é como vapor; de que devemos nos arrepender dos nossos pecados; de que devemos viver para dar frutos.

Também, não cometamos o erro de diminuir a pessoa de Deus, indicando que ele está ausente, isolado, impotente. Como tantas vezes já dissemos, “Deus continua no controle”. Lembremos-nos de Tiago 4.12: “um só é legislador e juiz - aquele que pode salvar e fazer perecer”. Não sigamos, portanto, nossas “intuições”, no nosso exame dos acontecimentos, mas a Palavra de Deus. Como nos instrui 1 Pe 4.11: “ se alguém falar, fale segundo os oráculos de Deus”.

Em adição a tudo isso, não podemos cometer o erro de ser insensíveis às tragédias - Pv 17.5 diz: “o que se alegra na calamidade, não ficará impune”; mesmo perplexos, sabendo que não somos juízes nem videntes. Devemos nos solidarizar com as vítimas, na medida do possível e atravessar portas de contato e transmissão das boas novas divinas àqueles que Deus venha, porventura, colocar em nosso caminho.

Solano Portela

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

O PASTOR QUE JÁ RESSUSCITOU 11 E CUROU 800 PARALÍTICOS

Controvérsias do Pr.Ronildo Peçanha.
Posted: 26 Jan 2013 07:17 AM PST



“Resolvi mostrar como desativar o botão direito do mouse, pois varias pessoas sem criatividade utilizam aquilo que temos de melhor: a nossa mente. E acabam recebendo os créditos sobre algo que criamos.

Recentemente vocês devem ter ficado sabendo de um tal de Pr.Ronaldo Peçanha.Pois Bem pesquisando no Google achei algumas coisas sobre ele.Primeiramente se você não viu o cartaz aqui está:



 



Como eu já disse achei algumas contoversias sobre ele.Abaixo o 2 Segundo cartaz dele que dá inicio a discussão:





Apartir deste outro cartaz é possível ver que ele mentiu em vários pontos no cartaz 1.

1-No primeiro Cartaz ele diz que ressuscitou 11 mortos já no segundo diz ter ressuscitado 14.Sendo que o primeiro cartaz é mais novo que o segundo.

2-No Primeiro cartaz ele diz ter curado 800 paralíticos já no segundo 749.

3-Bem,no primeiro cartaz ele diz já ter ido em 200 países já no 2 256.

4-Detalhe ele escreveu Paizes e não Países.

Bem eu sei muito mais sobre esse pastor e irei revelar em breve.Estou correndo atrás também para conseguir uma entrevista.



 
 
 

O QUE EMERGIRÁ DAS CINZAS DESTA TRAGÉDIA EM SANTA MARIA?


Posted: 27 Jan 2013

 
 
Acabo de ser abordado pelo meu filho acerca da razão pela qual Deus teria permitido esta tragédia que ceifou a vida de pelo menos 245 pessoas na madrugada deste domingo em Santa Maria (RS). O incêndio que começou por volta das 2:30h, ocorreu na Boate Kiss, na rua dos Andradas, no centro da cidade. O Corpo de Bombeiros acredita que o fogo começou com um sinalizador lançado por um integrante da banda que fazia show na festa universitária. Segundo testemunhas, no momento em que o fogo começou, o desespero para tentar sair pela única porta de entrada e saída da boate ocasionou em pisoteamento. Muitos morreram tentando sair, e tantos outros asfixiados. Dada a proporção da tragédia, a presidente Dilma Rousseff interrompeu viagem oficial que fazia ao Chile para viajar a Santa Maria e solidarizar-se com os familiares das vítimas.

Confesso que fiquei perturbado com a pergunta do meu filho. Em sua avaliação, tragédias como as ocorridas em escolas americanas parecem trazer uma mensagem clara quanto ao uso de armas de fogo, o abandono da fé cristã por parte da sociedade americana, etc. Mas uma tragédia como esta, que resultado poderia trazer? O que teríamos a aprender com ela?

De repente, ouço o Datena dizer em seu plantão jornalístico, que esta foi o segundo maior incêndio da história do País em números de vítimas. O primeiro foi o ocorrido em 17 de dezembro de 1961, em Niterói, RJ, no circo "Gran Circus Norte-Americano", e foi considerado uma das maiores fatalidades em todo o mundo circense. Esta tragédia, provocada por um ex-trapezista do circo, ceifou a vida de mais de 500 pessoas, a maioria, crianças, causando consternação mundial. Ouvindo o relato de Datena, lembrei que foi daí, das cinzas daquela tragédia, que surgiu o Profeta Gentileza.

Na antevéspera do Natal, seis dias após o acontecimento, José acordou alegando ter ouvido "vozes", segundo suas próprias palavras, que o mandavam abandonar o mundo material e se dedicar apenas ao mundo espiritual. O Profeta pegou um de seus caminhões e foi para o local do incêndio onde hoje encontra-se a Policlínica Militar de Niterói. Plantou jardim e horta sobre as cinzas do circo em Niterói, local que um dia foi palco de tantas alegrias, mas também de muita tristeza. Aquela foi sua morada por quatro anos. Lá, José Datrino incutiu nas pessoas o real sentido das palavras Agradecido e Gentileza. Foi um consolador voluntário, que confortou os familiares das vítimas da tragédia com suas palavras de bondade. Daquele dia em diante, passou a se chamar "José Agradecido", ou "Profeta Gentileza". Contrariando a lenda popular, Gentileza sempre reafirmava: "Sou papai de cinco filhos, três femininos e dois masculinos, não perdi ninguém no incêndio do circo!" Mesmo assim, condoía-se como se houvesse perdido um dos seus queridos.

Após deixar o local que foi denominado "Paraíso Gentileza", o "profeta" começou a sua jornada como personagem andarilho. A partir de 1970 percorreu toda a cidade. Era visto em ruas, praças, nas barcas da travessia entre as cidades do Rio de Janeiro e Niterói, em trens e ônibus, fazendo sua pregação e levando palavras de amor, bondade e respeito pelo próximo e pela natureza a todos que cruzassem seu caminho. Aos que o chamavam de louco, ele respondia: - "Sou maluco para te amar e louco para te salvar". Às vezes, tragédias como estas resultam no despertamento espiritual de alguns. Gentileza denunciava o mundo, regido "pelo capeta capital que vende tudo e destrói tudo". Via no circo destruído uma metáfora do circomundo, este sistema materialista que um dia sucumbirá. Mas, ao mesmo tempo, anunciava a "gentileza que é o remédio para todos os males".

Deus é "Gentileza porque é Beleza, Perfeição, Bondade, Riqueza, a Natureza, nosso Pai Criador". Um refrão sempre voltava, especialmente nas 56 pilastras com inscrições na entrada da rodoviária Novo Rio no Caju: "Gentileza gera gentileza, amor". Convidava a todos a serem gentis e agradecidos. Anunciava um antídoto à brutalidade de nosso sistema de relações e, sob a linguagem popular e religiosa, um novo paradigma civilizatório urgente em toda a humanidade.

Quem sabe, dentre os sobrevivente da tragédia em Santa Maria, Deus levante outro profeta secular como o Gentileza, talvez não tão excêntrico, mas igualmente comprometido com a transformação da sociedade. Caso isso não aconteça, que esta tragédia, ao menos, faça-nos refletir sobre a fragilidade da vida, e sua respectiva fugacidade. Que aprendamos a valorizar mais a presença daqueles a quem amamos, pois a qualquer instante poderão ser tirados de nós. E, por fim, que as autoridades não apenas se solidarizem com a dor dos que perderam entes queridos na tragédia, mas também apurem as causas, identifiquem os responsáveis, e não os deixem sem as devidas punições previstas pela lei.

Triste saber que muitos poderiam ter se salvado, não fosse a ordem insana de alguém para que se fechasse a única porta de entrada e saída do estabelecimento, para que ninguém saísse sem pagar. Triste verificar que a vida humana valha menos que o lucro. Definitivamente, está mais do que na hora de revermos nossos paradigmas e valores. Se gentileza gera gentileza, ganância e esperteza podem gerar tragédias irreparáveis. Que o Espírito Consolador traga conforto ao coração dos pais e amigos de todos os que nos deixaram de maneira tão repentina e dolorosa.

No mais, resta-nos chorar e reverentemente, silenciar-nos.
 
Fonte:http://www.hermesfernandes.com
 
 

A VERDADE ESTÁ NA CARA, MAS NÃO SE IMPÕE. (ARNALDO JABOR)

O que foi que nos aconteceu?
 
No Brasil, estamos diante de acontecimentos inexplicáveis, ou melhor,'explicáveis' demais. Toda a verdade já foi descoberta, todos os crimes provados, todas as mentiras percebidas.
 
Tudo já aconteceu e nada acontece.Os culpados estão catalogados, fichados, e nada rola. A verdade está na cara,mas a verdade não se impõe. Isto é uma situação inédita na História brasileira!!!!!!!
 
Claro quea mentira sempre foi a base do sistema político, infiltradano labirinto das oligarquias, mas nunca a verdade foi tão límpida à nossa frente e, no entanto, tão inútil, impotente, desfigurada!!!!!!!!
 
Os fatos reais:com a eleição de Lula, uma quadrilha se enfiou no governo e desviou bilhões de dinheiro público para tomar o Estado e ficar no poder 20 anos!!!!
 
Os culpados são todos conhecidos, tudo está decifrado, os cheques assinados, as contas no estrangeiro, os tapes, as provas irrefutáveis,mas o governo psicopata de Lula nega e ignora tudo!!!!!
 
Questionado ou flagrado, o psicopata não se responsabiliza por suas ações. Sempre se acha inocente ou vítima do mundo, do qual tem de se vingar. O outro não existe para elee não sente nem remorso nem vergonha do que faz!!!!!
Mente compulsivamente, acreditando na própria mentira, para conseguir poder. Este governo é psicopata!!! Seus membros riem da verdade, viram-lhe as costas, passam-lhe a mão nas nádegas. A verdade se encolhe, humilhada, num canto. E o pior é que o Lula, amparado em sua imagem de 'povo',consegue transformara Razão em vilã,as provas contra eleem acusações 'falsas',sua condição de cúmplice e Comandanteem 'vítima'!!!!!
 
E a população ignorante engole tudo.. Como é possível isso?
 
Simples:o Judiciário paralítico entoca todos os crimes na Fortaleza da lentidão e da impunidade. Só daqui a dois anos serão julgados os indiciados - nos comunica o STF.
 
Os delitos são esquecidos, empacotados, prescrevem. A Lei protege os crimes e regulamenta a própria desmoralização Jornalistas e formadores de opinião sentem-se inúteis, pois a indignação ficou supérflua. O que dizemos não se escreve, o que escrevemos não se finca, tudo quebra diante do poder da mentira desse governo.
 
Sei que este é um artigo óbvio, repetitivo, inútil, mas tem de ser escrito...
 
Está havendo uma desmoralização do pensamento.
 
Deprimo-me:
Denunciar para quê, se indignar com quê? Fazer o quê?'
 
A existência dessa estirpe de mentirosos está dissolvendo a nossa língua. Este neocinismo está a desmoralizar as palavras, os raciocínios. A língua portuguesa, os textos nos jornais, nos blogs, na TV, rádio,tudo fica ridículo diante da ditadura do lulo-petismo.
 
A cada cassado perdoado, a cada negação do óbvio, a cada testemunha, muda, aumenta a sensação de que as idéias não correspondem mais Aos fatos!!!!!
 
Pior: que os fatos não são nada- só valem as versões, as manipulações.
 
No último ano, tivemos um único momento de verdade, louca, operística, grotesca, mas maravilhosa, quando o Roberto Jefferson abriu a cortina do país e deixou-nos ver os intestinos de nossa política.
 
Depois surgiram dois grandes documentos históricos: o relatório da CPI dos Correios e o parecer do procurador-geral da república. São verdades cristalinas, com sol a Pino.
 
E, no entanto, chegam a ter um sabor quase de 'gafe'.
 
Lulo-Petistas clamam: 'Como é que a Procuradoria Geral, nomeada pelo Lula, tem o desplante de ser tão clara! Como que o Osmar Serraglio pode ser tão explícito, e como o Delcídio Amaral não mentiu em nome do PT ? Como ousaram ser honestos?'
 
Sempre que a verdade eclode, reagem.
 
Quando um juiz condena rápido, é chamado de exibicionista'. Quando apareceu aquela grana toda no Maranhão (lembram, filhinhos?), a família Sarney reagiu ofendida com a falta de 'finesse' do governo de FH, que não teve a delicadeza de avisar que a polícia estava chegando....
 
Mas agora é diferente.
As palavras estão sendo esvaziadas de sentido. Assim como o stalinismo apagava fotos, reescrevia textos para contestar seus crimes, o governo do Lula está criando uma língua nova, uma neo-língua empobrecedora da ciência política, uma língua esquemática, dualista, maniqueísta, nos preparando para o futuro político simplista que está se consolidando no horizonte.
 
Toda a complexidade rica do paísserá transformada em uma massa de palavras de ordem , de preconceitos ideológicos movidos a dualismos e oposições, como tendem a fazer o Populismo e o simplismo.
 
Lula será eleito por uma oposição mecânica entre ricos e pobres, dividindo o país em 'a favor' do povo e 'contra', recauchutando significados que não dão mais conta da circularidade do mundo atual. Teremos o 'sim' e o 'não', teremos a depressão da razão de um lado e a psicopatia política de outro, teremos a volta da oposição Mundo x Brasil, nacional x internacional e um voluntarismo que legitima o governo de um Lula 2 e um Garotinho depois.
 
Alguns otimistas dizem: 'Não... este maremoto de mentiras nos dará uma fome de Verdades'!
 
 
POR ARNALDO JABOR
 
 
A decisão do TSE que determinou a retirada do comentário de Arnaldo Jabor do site da CBN, a pedido do ex presidente 'Lula' até pode ter amparo na legislação eleitoral, mas fere o preceito constitucional da liberdade de imprensa.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Lojinha Gospel (ou Loja dos Horrores)


Depois de uma pequena olhada nas esquisitices da igreja moderna, resolvi montar minha lojinha gospel. Abaixo segue minha lista de produtos com uma breve descrição.

Berrante gospel – Mais conhecido como Shofar, mas, como eu dou valor ao que é brasileiro, prefiro de chamar pelo nome que nossos boiadeiros chamam. O berrante gospel é feito de chifres de carneiro e serve para invocar a presença do espírito santo (com letra minúscula mesmo). Vou confidenciar aqui um segredo. O meu será feito aqui no Brasil mesmo, mas para ter um status mais santo, vou alardear que esse é feito lá em Israel por uma família de levitas que ainda existe por lá. Pensei em mandar os levitas daqui fazerem isso, mas os levitas brasileiros só sabem cantar.

Óleo ungido do Monte das Oliveiras – Esse não é um óleo qualquer. Embora seja produzido com a soja que é plantada no Brasil, vou fazer todo mundo acreditar que é do monte das oliveiras. Mas espera um pouco.... Mas se vou dizer que é do Monte das Oliveiras não pode ser óleo. Já sei! O nome será Azeite ungido do Monte das Oliveiras. Com ele você poderá ungir sapatos, retratos, roupas íntimas, carteira de trabalho, muros dos bairros, etc...

Anel efatá – Não é assim que se escreve no hebraico, mas se eu escrever ephatah, como é transliterado do hebraico, talvez alguém pense que não sei escrever direito. Com esse anel todas as portas fechadas se abrirão. Com ele no seu dedo, você diz a palavrinha mágica: “abracadabra”, quer dizer, "efatá" e as portas serão abertas. Sempre bom ter um no dedo caso você perca as chaves da casa ou do carro. Eles serão feito de latão, porque é mais baratinho, mas direi que é de um latão retirado numa mina perto do monte Sinai, pois assim terá mais credibilidade. Com certeza esse anel abrirá muitas portas financeira, principalmente as minhas.

Cajado de Moisés - Bem menor que o cajado original, mas com poderes ainda maiores. A primeira remessa foi feita de metal, mas já vi que foi um erro. Metal dura muito, daí ninguém compra mais. A próxima será feita de cristal, pois além de mais caro, corre o risco de quebrar e aumentarão os meus lucros. Com esse cajado você vai poder abrir os mares que surgirem na sua frente. Mas tome cuidado! Os mares que esse cajado abre não são aqueles com água salgada. Se alguém morrer tentando atravessar a praia de Copacabana a culpa não será da minha lojinha. A pedido da minha esposa que nasceu no nordeste do Brasil, concentrarei minhas vendas por lá, pois sempre que faltar água, basta ferir alguma pedra com ele e ter muita fé. Se a água não brotar da rocha, a culpa é sua que não teve fé. Uma coisa é certa: esse cajado vai encher a minha piscina de água.

Bandeira Jeová Nissi – É uma bandeirinha pequena com uma frase de efeito no meio. Ainda está em fase de produção. Estou pensando em escrever a seguinte frase: “Eu decreto a minha vitória”. Toda vez que você estiver diante dum problema, é só você agitar a bandeirinha que sua vitória será garantida. Ela só não funciona contra o bicho papão.

Arca do Conserto – A original era escrita com C, mas a minha é com S por dois motivos. Primeiro a original já está ultrapassada mesmo, pois Jesus Cristo inaugurou uma nova época na história da revelação de Deus para o homem. Segundo, concerto está ligado a apresentação de música e sempre que essa arca for evocada, nos cultos ou em casa, deverá ser feita com muito louvor, de preferência, aqueles mantras gospel repetitivos. Com essa arca você vai poder trazer sempre a glória de Deus para perto, onde quer que você esteja. Mas de novo eu digo, se a glória de Deus não chegar, a culpa é sua que não teve fé.

Manual dos caçadores – Este livro ensinará a você como caçar deus. Depois de caçá-lo, você aprenderá como aprisioná-lo, mas isso será ensinado no segundo volume da série. Se eu mostrar tudo no primeiro, perde a graça (e o lucro também). Depois de prender deus você poderá fazer dele o que quiser. Pode decretar, exigir o que é seu por direito e outras coisas mais. Ah! Esqueci de falar. O nome deus está escrito assim em minúscula pois é só esse deus que você vai conseguir caçar depois de ler o meu livro. Estão dizendo por aí que quem caça Deus é por que ainda não foi alcançado pela graça, mas eu não me preocupo com isso.

Estou pensando em outros produtos para comercializar na minha lojinha. Por enquanto você pode fazer seus pedidos escrevendo para: Loja dos horrores – Rua da soberba Religiosa, 66, Bairro dos perdidos que não foram achados, Cidade dos Prazeres (os meus é claro).

... Fim do anúncio da lojinha ...

Voltando pra minha realidade, só posso pensar: Seria cômico, se não fosse trágico, mas essa é a realidade de algumas “igrejas”. Vende-se de tudo em nome de Deus, criando uma atmosfera mística onde o povo é levado a gastar o seu dinheiro com aquilo que não é pão e dentro do lugar que deveria ensinar o contrário disso. Há ainda uma infinidade de “produtos” que são comercializados por aí. Pior que esses, que se pode tocar, são aqueles que estão na esfera das idéias.

Tenho saudades de Jesus entrando no templo e derrubando as bancas dos mercadores. Nós, como igreja, somos os representantes de Jesus na terra. Derrubar a banca dos vendedores modernos é nosso dever.

Ronildo Brites - http://ronildobrites.blogspot.com/
 
 
 

TEOLOGIA DA PROSPERIDADE

 
TEOLOGIA DA PROSPERIDADE
 
 
Pra quem não sabe, e até pregam a teologia da prosperidade, sem ao menos procurar saber de onde veio isso, segue abaixo um resumo do surgimento e o uso dessa prática herege.
 
O precursor: Essek Willian Kenyon
 
Poucos dos crentes que abraçam a Teologia da Prosperidade sabem que a ideologia desta prática é de um homem chamado Essek Willian Kenyon (1867-1948).
 
A conversão de Kenyon ocorreu em sua adolescência. Posteriormente ele se envolveu com movimentos metafísicos e recebeu forte influência de Mary BakerEddy, fundadora da herética Ciência Cristã.
 
Kenyon é o pai da seguinte expressão: “o que eu confesso, eu possuo”. Isso é o embrião da Confissão Positiva e Teoria da atração do livro O Código.
 
Como sempre existe alguém disposto a levar adiante uma distorção feita por um falso mestre, coube a KennethHagin divulgar o pensamento de Kenyon.
 
E muitos Brasileiros como Edir Macedo, RenéTerranova, R.R. Soares, Valnice Milhomens, Cristiano Netto, Silas Malafaia, Valdemiro Santiago e entre outros, pregam ensinamentos e usam fundamentos dentro de nossas igrejas extraídos de Essek Willian Kenyon.
 
Como o povo brasileiro em geral, e o crente em específico, são amantes de novidades, modinhas e métodos que servem como atalho, a Teologia da Prosperidade veio importada dos EUA encontrando solo fértil por aqui, infelizmente.
 
Esquecemos ou não lemos esse versículo: “Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.” 2Co 4.18.
 
Seja você um cristão genuinamente BÍBLICO e deixe de procurar por mensagens agradáveis que você e seu ego desejam, mas busque aquilo que o Senhor quer para você.
 
Lembre-se sempre que Jesus é o único ungido de Deus, o único mediador, que Ele deu a você o mecanismo do trabalho e o dom da criação, trabalhe, esforça-te, você pode se achegar até Deus livremente sem ser mediado por pastores, santos de barro ou líderes, não há pedágio nem valores que possa comprar a graça de Deus, ela é de graça. O manual da vida que é a Bíblia Deus te deu, não se deixe enganar por aquilo que não está dentro desse manual, consulte ele sempre, oferte de coração na casa de Deus, isso é Bíblico, mas não use isso como moeda de troca, não se deixe manipular, o Espírito de Deus fala diretamente com você, ouça.
 
 
Samuel N. de Almeida.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Algumas considerações sobre Espiritoval - O novo carnaval Gospel da Igreja da Lagoinha


Foto(Divulgação)
A igreja da Lagoinha organizará no mesmo periodo das festas de carnaval, uma festa apelidada por eles de "Festa Santa" (que de santo não tem nada!) ,o ESPIRITOVAL.
 
E para apimentar haverá três festas durante a atividade, uma “Rave” e duas “Minkaretas”, os nomes expressam oposição às tradicionais atividades seculares organizadas para o público jovem.
 
“Haverá também trio elétrico: Pai, filho e Espírito Santo”, disse o pastor Lucinho durante participação no Programa “De Tudo Um Pouco”, da Rede Super de Televisão, sobre o Espíritoval. A expectativa é que mais de seis mil pessoas passem pelo evento, diariamente. Venha e aproveite para festejar junto a Igreja a vida de Deus em você.
 
Tanto o Espiritoval, a rave,o trio elétrico, e as duas “Minkaretas” (que não tenho ideia do que se trata!),são todas festas totalmente mundavnas.Isso é mistura minha gente,e Deus concerteza não se agrada de tantas misturas assim. Lembrem-se do que disse o Apóstolo Paulo: Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho; Gálatas 1:6 . Estão esquecendo-se da simplicidade que há no Evangelho de Jesus e estão enveredando em coisa totalmente terrenas. Porque não organizar um retiro com esse povo invés dessa pouca vergonha? Cuidado com números!
 
Certa vez Paul Washer disse: O pastores carnais que usam meios carnais para trazer homens carnais pra suas igrejas, continuarão a usar meios carnais para manter estes homens carnais em sua igreja carnal . Não estou chamando o líder de carnal,mas está agindo como um. Que Deus nos guarde desse falso evangelho pregado pelo mundo gospel. PREGAI O EVANGELHO minha gente!
 
 
 
 
Em Cristo ;
Xavier Campos Joaquim
 
 
 

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

A REPERCUSSÃO DA DIVULGAÇÃO DA "FORBES" CONTINUA

O sigilo fiscal como garantia fundamental

Artigo cristão escrito por Gospel Prime
O sigilo fiscal como garantia fundamental
 
No último dia 17, a Revista Forbes publicou em seu site a notícia “The Richest Pastors In Brazil”, replicada no dia 18 em sua página do Brasil. De plano, causou-me estranheza o fato de a Revista enfatizar que umas das mais atraentes qualidades dos evangélicos ser “sua crença de que o progresso material resulta de um favor de Deus”. Mais ainda, que “o valor do progresso material no evangelicalismo do Brasil é explícita e ativamente promovido”. Por certo, o autor da matéria ficou longe de estudar as diversas facetas do protestantismo nacional, fazendo uma generalização rasteira e falaciosa. Mas esse não é o ponto que quero destacar.
 
Após traçar um ranking com os cinco pastores mais ricos do Brasil, a Revista informa que suas estimativas “foram baseadas em números relatados pelo Ministério Público da União e Polícia Federal” bem como estimativas feitas pela imprensa nacional. Pois bem.
 
Diante disso, o Presidente da ANAJURE, Dr. Uziel Santana, se manifestou, em suma, no sentido de que “é grave o fato de que possivelmente houve violação de dados protegidos por sigilo bancário e fiscal. Isso é tão violento, quanto fazer mercancia da fé, enganando os que têm menor discernimento da realidade. Certamente, dois abusos a serem coibidos, inclusive penalmente.
 
O fato é que, segundo consta da Constituição da República de 1988, “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas” (art. 5º, X). Não é sem motivo, então, que a Lei Complementar nº 105/2001 dispõe sobre o sigilo fiscal, cuja quebra só pode ser decretada “quando necessária para apuração de ocorrência de qualquer ilícito” (art. 1º, § 4º). No mais, segundo o Código Tributário Nacional, “é vedada a divulgação, por parte da Fazenda Pública ou de seus servidores, de informação obtida em razão do ofício sobre a situação econômica ou financeira do sujeito passivo ou de terceiros e sobre a natureza e o estado de seus negócios ou atividades” (art. 198, caput).
 
Assim, a única instituição, no Brasil, com atribuição de deter tais informações sigilosas é a Receita Federal, que sequer aparece listada nas “fontes” da Revista. Por conta disso, duas alternativas nos são apresentadas:
 
1) se a Revista teve acesso a informações sigilosas “relatadas” pelo MPU e PF, esses agentes públicos e os veiculadores da Revista cometeram o crime previsto no Código Penal, art. 153, §1º-A (pena de um a quatro anos, e multa); ou
 
2) se a Revista foi infiel em suas afirmações, violou, no mínimo, a ética profissional.
 
No mais, o fato de a Forbes indicar outras revistas e jornais brasileiros como “fonte” da matéria faz-nos apresentar duas indagações: qual a “fonte primária” desse repertório nacional? Todos os pastores do Brasil tiveram seus sigilos fiscais violados? Teríamos, mais uma vez, a possibilidade de ocorrência de crimes ou, pelo menos, uma pura especulação midiática.
 
Cabe frisar que a Forbes, na verdade, parece querer ridicularizar os evangélicos da nação, apresentando o Evangelho como algo “rentável”. Na verdade, a imensa maioria dos pastores não percebe nenhuma remuneração para o exercício sacerdotal, que é realizado por “amor à causa de Cristo”.
 
Enfim, longe de nós esteja comungar com a Teologia da Prosperidade ou com o viés eclesiástico desenvolvido pelos pastores citados na Revista. Contudo, num Estado Democrático de Direito, é inadmissível que a possibilidade de ocorrência de crimes, como citamos acima, não seja severamente investigada.
 
Lutemos, pois, pela defesa irrestrita das liberdades civis fundamentais!



Antonio Carlos da Rosa Silva Junior. Bacharel em Direito, Especialista em Ciências Penais e em Direito e Relações Familiares, Mestrando em Ciência da Religião e Membro do Conselho Diretivo Nacional da ANAJURE (www.anajure.org.br). Contato: antoniocarlos@anajure.org.br.
 
 

Irmão de Benny Hinn é afastado da igreja após escândalo sexual

  
Sam Hinn manteve um caso extraconjugal durante 4 anos
Irmão de Benny Hinn é afastado da igreja após escândalo sexual Irmão de Benny Hinn é afastado da igreja após escândalo sexual.
           
O pastor e escritor Sam Hinn é o irmão mais novo do conhecido pregador e televangelista Benny Hinn. Sam, 51, fundou em 1996 a igreja Gathering Place of Worship Center, na cidade de Sanford, Flórida.
 
Ontem (21) a igreja publicou uma carta em seu site, explicando que o pastor Sam está deixando a liderança da congregação para se dedicar à família. Ele confessou que estava vivendo um caso extraconjugal e que agora será acompanhado pelo pastor Ron Johnson.
 
O jornal Orlando Sentinal publicou na edição de ontem que Sam manteve por quatro anos um caso com uma mulher que era membro da igreja. Chantel Wonder, filha da mulher que não teve o nome divulgado, disse que seus pais foram casados por mais de 30 anos e desde 2001 frequentavam a Gathering Place, onde exerciam posições de liderança.
 
Segundo Chantel, o pastor Sam enganou sua mãe, dizendo-lhe que eles eram “almas gêmeas” e que Deus aprovava o relacionamento. Contou ainda que seu pai, que era diácono da igreja, tomou conhecimento do caso em dezembro de 2008, quando descobriu mensagens de texto e de voz do pastor no telefone de sua esposa.
 
Sam Hinn é casado com Erika e tem quatro filhos. Ele teria sido confrontado por lideranças da igreja no ano passado, mas inicialmente negou o caso. Em 14 de janeiro, Hinn confessou para usa esposa e prometeu não falar com a amante.
 
O último domingo marcou a saída de Sam da igreja por um período indeterminado. Uma carta assinada por ele foi lida diante da congregação, e que dizia:
 
“Por mais doloroso que seja para eu confessar, me permiti ser atraído para uma relação que tem causado muita mágoa e dor para minha esposa e família. Já me arrependi, pedi e recebi o perdão deles, mas… estou tirando uma licença do ministério para que eu possa focar toda a minha energia em minha relação com Deus e a restauração de minha família”.
 
A liderança da igreja foi procurada pelo Orlando Sentinel, mas não quis comentar a decisão do pastor Sam. Seu irmão Benny Hinn também teve problemas conjugais que o levaram a separar-se da esposa Suzanne , em 2010. Mesmo tendo anunciado que Deus os havia restaurado e eles iriam casar novamente no ano passado, a cerimônia não ocorreu.
 
 
 
Fonte: gospelprime/Com informações Orlando Sentinel e Christian Post.
 
 

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Quanto vale o show? Confira lista com os cachês cobrados no meio gospel


 
Se você sempre quis saber quanto custa o show daquele cantor(a) que você tanto admira, então confira abaixo uma lista com alguns nomes e quanto cobraram, em média, pelo seus shows em 2012.
 
a lista em ordem decrescente:

Diante do Trono 250 mil
Aline Barros 60 mil
André Valadão 60 mil
Thalles Roberto 60 mil
Lázaro 50 mil
Fernandinho 40 mil
Fernanda Brum 30 mil
Bruna Karla 30 mil
Oficina G3 30 mil
Casa de Davi 25 mil
Ludmila Ferber 22 mil
Canto do Céu 20 mil
Alda Célia 20 mil
Kleber Lucas 20 mil
Marquinhos Gomes 20 mil
Alex Gonzaga 18 mil
Cassiane 18 mil
Heloisa Rosa 17 mil
Chris Duran 17 mil
PG 17 mil
Quatro por Um 16 mil
Jamily 15 mil
Ministério Unção Ágape 15 mil
Cristina Mel 15 mil
Asaph Borba 15 mil
Banda GerD 15 mil
Adhemar de Campos 15 mil
Novo Som 15 mil
Marina de Oliveira 14 mil
Jozyanne 12 mil
Marcos Antonio 12 mil
Brother Simion 10 mil
Carlinhos Félix 10 mil
João Alexandre 10 mil
Rayssa e Ravel 10 mil
Kim 10 mil
Léa Mendonça 8 mil
Logos 5 mil

Certamente os números acima serão questionados por muita gente pq a cobrança de cachê envolve vários fatores e os valores costumam variar bastante.

  • Quando o cantor leva a banda o cachê é maior do que se cantar c/ playback; os supostos R$ 250 mil do DT devem incluir orquestra completa.
     
  • No caso de shows bancados por prefeituras e/ou políticos, os valores costumam ser bem + altos.
  • Apresentações em cultos costumam sair + em conta se for apenas 4 ou 5 músicas.
  • Esses valores variam conforme a exposição, músicas + tocadas em rádio etc. compare a tabela acima com os valores citados neste post de outubro de 2011
  • Desnecessário dizer que alguns artistas cobram + qdo quem contrata exige a emissão de nota fiscal.
  • Provavelmente todos os nomes citados já cantaram de graça (ou com cachê bem reduzido) em inúmeros lugares e circunstâncias.
  •  
Feitas as ressalvas, alguns comentários ligeiros:
 
Não existe um valor “justo” p/ fixar o cachê. quem determina isso é o público e, por extensão, quem vai contratar os caras.
  • Tampouco o critério “trajetória artística” é considerado nessa equação mercadológica. se assim fosse, o Vitorino Silva receberia o mesmo valor que o Stevie Wonder.
  • Lamento lembrar que bom gosto musical e cachês na maioria das vezes ñ andam juntos. basta lembrar uma das listas + recentes de cachês de artistas e bandas nacionais.
  • Recomendável aos irmãos zelosos economizarem em adjetivos como “vendidos”, “mundanos” e “aproveitadores”; por outro lado, seria legal os cabras saírem do armário e se assumirem como artistas e profissionais. dizer que vai “ministrar” em feira agropecuária só alimenta o véu de hipocrisia que reina em torno desse assunto.
  • Como acontece em outras áreas do segmento cristão, ainda há muito amadorismo e picaretagem. servir a Deus c/ excelência tb implica em tratar com dignidade e respeito gente que recebeu talento artístico (ou ñ).
  • Sempre lembrado nessas situações, o “de graça recebestes…” é despropositado em qq sentido. basta lembrar que até décadas atrás muitos pastores eram tratados como cidadãos de classe inferior, mantidos quase reféns da opinião do rebanho e, dependendo o sistema administrativo da comunidade, seu salário era objeto de comentários de todo rebanho.
  •  
    Sejam os artistas cristãos os próximos a receber o tratamento e o reconhecimento adequados, fruto da maturidade de 1 povo que ñ tem sido destruído por falta de conhecimento.
PS: em relação aos “bodes” que existem em todos os setores, ñ fomos constituídos juízes e alguém + gabaritado há de lhes dar a devida paga. se os universalistas estiverem equivocados, por toda a eternidade.
 
 Publicado originalmente em O Fuxico Gospel
 
 

COMO SABER SE UMA IGREJA É BÍBLICA OU UM NEGÓCIO.( Só Para Os Fortes)



Por Daniel Simoncelos
Alguns dias atrás, um amigo foi fazer um orçamento para a reforma de um local em São Paulo. Este local seria uma nova igreja, e a dona do local, que estava abrindo esta igreja disse a ele claramente que estava iniciando este novo negócio.
Infelizmente, o fato de muitas igrejas no Brasil serem má intencionadas tem feito que muitas pessoas tenham aversão a igrejas, e consequentemente aversão ao evangelho. Talvez por isso o número de pessoas que se consideram cristãos sem igreja cresçam tanto.
Porém gostaria de dizer que nem todas as igrejas são iguais. Nem todo líder que se intitula cristão tem interesses escusos. Pelo contrário, há muitos homens e mulheres que estão gastando suas vidas em prol de fazer o bem àqueles que os rodeiam.
Essa semana estive na Cristolândia aqui em São Paulo levando um homem que é viciado em crack para que eles o encaminhassem para a reabilitação. A Cristolândia é uma missão batista que cuida dos viciados em crack em São Paulo, tirando-os das ruas, dando café, banho, e levando aqueles que desejam abandonar o vício para suas casas de recuperação, transformando essas vidas e apresentando o único caminho que é Jesus. Esse é um exemplo de igreja que de fato cumpre o IDE do Senhor.
Porém algumas não fazem nada para transformar vidas, antes preferem vender bençãos. Daí surge aquela frase: “pequenas igrejas, grandes negócios”. Como saber se uma igreja é bíblica ou é um negócio?
1) Se o pastor gasta mais tempo no culto pedindo dinheiro do que orando ou lendo as escrituras, é um negócio.
2) Se a igreja está lotada, mas não há interesse em discipulado, se não há cuidado individual, mas apenas o tratamento com a multidão, não é bíblica.
3) Se o pastor não tem profundo conhecimento bíblico, e não faz sermões expondo a bíblia, mas é apenas um contador de “causos” ou de testemunhos, não é bíblica.
4) Se o enfoque for no “Eu posso, decreto, determino” não é bíblica.
5) Se a igreja vende bençãos. Vende prosperidade, vende unção, vende tudo aquilo que é espiritual, é pior que um negócio, pois para mim não tem nada diferente de estelionato.
5) Se a pregação não for: tome a sua cruz e siga a Jesus. Definitivamente é um negócio, pois o pastor quer falar aquilo que você quer ouvir a fim de ter o maior número de pessoas naquele lugar e fazer mais dinheiro para que ele possa se promover ainda mais gastando milhões na televisão para ganhar ainda mais dinheiro e ser um dos mais ricos do Brasil e saírem na Forbes.
Se você deseja entrar em uma igreja como um cliente, procure um negócio. Então lá você pode comprar benção financeira por R$ 900,00. Você pode determinar coisas dando 20% do seu salário.
Se você deseja a salvação de sua alma e um profundo relacionamento com Deus, procure uma igreja bíblica. Nela você poderá crescer em santidade, ter intimidade com Deus e ser instrumento nas mãos dEle para abençoar outras pessoas. Não há possibilidade de crescer como cristão sem estar na comunhão dos irmãos, por isso não fique sem congregar em uma comunidade bíblica.
Sinceramente, não frequente negócios. Para isso, leia a bíblia, e frequente igrejas bíblicas. Evite multidões. Busque um relacionamento profundo e sincero com Jesus e não com o apóstolo fulano de tal ou bispo ou missionário.
Que Deus tenha misericórdia de nossas vidas!

Vi no Facebook atravérs do Rev. Ricardo Rodrigues