domingo, 30 de dezembro de 2012

2013 PLENO DE ALEGRIA, PAZ E COMUNHÃO COM O SENHOR

Estamos chegando ao final de mais um ano. Certamente muitas foram as lutas e dificuldades que marcaram nossos dias em 2012. Muitos alcançaram seus objetivos, graças a Deus. Outros chegam ao final do ano com as mesmas ou maiores dificuldades que quando iniciou o ano. Tantos perderam familiares, amigos. Porem também é verdade que outros sentem-se agradecidos por terem alcançado o que projetaram.
 
Dentro de poucas horas iniciaremos 2013. E com ele novos desafios e dificuldades. Novos projetos e sonhos estamos preparando para buscar no decorrer do ano e certamente haveremos de conseguir. As lutas e dificuldades certamente não serão pequenas. Assim devemos estar prontos para enfrenta-las com garra, determinação e fé.
 
Assim sendo, devemos contar sempre com Aquele que jamais nos abandona em todas as circunstancias - JESUS. Ele só nos prometeu sua companhia "todos os dias". Quando todos nos faltarem sabemos que podemos contar com ELE.
 
Que o SENHOR lhe abençoe cada dia do ano novo. Em qualquer momento conte sempre com quem lhe ama e quer seu bem. Seja muito feliz e vitorioso em todas as áreas da vida.


No amor de Cristo, o SENHOR,


Pr. j.Ivan e família


OS 10 PERFIS DE PASTORES QUE NÃO MERECEM CRÉDITO

 
Os 10 pastores que não respeito e não admiro
Por André Sanchez 
 
falso-pastorMaus líderes existem aos montes dentro das igrejas. O joio está espalhado dentro da igreja como ensinam as Escrituras (Mt 13. 26). Isso não é novidade para ninguém. Apesar de designar aqui o termo “pastores” a essas pessoas que citarei abaixo, não tenho a intenção de diminuir aqueles que fazem jus a esse termo tão lindo mostrado nas Escrituras, e que realmente pastoreiam de coração as ovelhas do Senhor. Usei esse termo somente para facilitar a identificação dessas pessoas.


Os dez pastores que não respeito e não admiro são:



01 - O que faz do púlpito um palco de shows

A exposição da Palavra é esquecida e substituída pelo talento hollywoodiano desse pastor, que explora as mais diversas técnicas para cativar os seus expectadores, fazendo do show o protagonista do culto. Ele é a estrela e não Cristo e Sua palavra. Seu púlpito é lugar de entretenimento, de show, e não de pregação, de transmissão da voz de Deus.

02 - O que explora financeiramente as ovelhas

Esse pastor é muito ambicioso e tem planos de crescimento. Porém, para a realização dos seus planos, precisa de muito dinheiro. E esse dinheiro é retirado das ovelhas, através das mais diversas técnicas de extorsão (legais). Ele não liga para o que a Bíblia ensina e inventa formas de arrecadação para realizar seus sonhos megalomaníacos. As ovelhas são iludidas, exploradas e sugadas até a última gota que podem dar.

03 - O que insiste em querer fazer a agenda de Deus

Um pastor que quer determinar lugar, dia e hora para Deus agir não merece meu respeito. Segunda: Deus age na família; terça: nas finanças; quarta: Deus dá o Espírito Santo; quinta: Deus faz conversões e sexta: Deus liberta as pessoas de demônios. Deus agora está preso em uma agenda criada pelo homem?

04 - O que ilude as pessoas com amuletos, objetos ungidos e unções que não vem de Deus

Esse pastor escraviza pessoas em crendices e superstições que não são encontradas e ordenadas na Bíblia. Desvia a fé que deveria ser unicamente no Deus soberano para objetos e unções (falsas) e extravagantes. Trabalha com a ilusão, com a ambição, com a falta de conhecimento de muitas das ovelhas que lhe ouvem.

05 - O que “profetiza” o que Deus não mandou profetizar

Usa sua influência sobre as pessoas para “profetizar” e “revelar”. Porém, não usa a Bíblia, que é a revelação e é onde se encontram as profecias de Deus para a vida de seus servos.

06 - O que faz com que seus fiéis o adorem

Ele é visto como um semideus pelos seus fiéis. O pior de tudo é que não faz nada para mudar essa situação, pois adora ser paparicado, adora status, adora demonstrar seu grande “poder” e ser ovacionado pela multidão. Seu prazer é ver multidões afluindo em sua direção com desejo de glorificá-lo.

07 - O que usa o dinheiro dos dízimos e ofertas para seu próprio enriquecimento

Esse pastor-empresário é formado e pós-graduado em enriquecimento usando a igreja. Tem fortuna e bens luxuosos, tudo adquirido com a ajuda das ofertas da igreja que, segundo diz ele, é usado para a obra de Deus. Ele engana multidões que bancam sua vida de ostentação.

08 - O que prega a teologia da prosperidade

Um pastor que diz que pobreza é maldição, que o crente verdadeiro será reconhecido pela sua prosperidade material, e outras abobrinhas sem embasamento bíblico, não merece admiração. Se a teologia da prosperidade é um câncer, esse pastor é um espalhador de doenças no meio do povo.

09 - O que usa versículos isolados da Bíblia para fundamentar doutrinas destruidoras

Esse pastor adora inventar doutrinas usando versos bíblicos isolados, cuja interpretação isolada, sem considerar contextos e outras boas regras de interpretação, favoreça seus pensamentos e desejos.

10 - O que [acha] que determina a ação de Deus

É uma piada dizer que um homem determina algo ao Todo-Poderoso, mas essa ousadia acontece. Palavras ousadas saem da boca desse pastor determinando, ordenando, exigindo que Deus faça determinadas coisas que, segundo ele, Deus tem de fazer. Coitado, não tem nem noção da besteira que faz! E o pior: ensina as pessoas a agirem também assim!

Esses são os pastores que não respeito e não admiro.

E você, tem algum pastor como os citados que não respeita e não admira?

Por que a Índia trata tão mal suas mulheres?


Manifestantes de Mumbai protestam contra estupro de estudante (29/12)

BBC
Práticas de aborto de fetos femininos e assassinatos de meninas recém-nascidas levou o país a ter um assombroso desequilíbrio numérico entre gêneros

 
Muitos a chamaram de “coração valente” ou “filha da Índia”. Mais do que motivar uma onda de orações e protestos em todo o país, a estudante de 23 anos morta no sábado após ser estuprada por seis homens em um ônibus em Nova Déli fez o país se perguntar: “Por que a Índia trata tão mal as suas mulheres?”. No país, não são raros os casos de aborto de fetos femininos, assim como os de assassinato de meninas recém-nascidas.
 
A prática levou ao assombroso desequilíbrio númerico entre gêneros no país. As que sobrevivem enfrentam discriminação, preconceito, violência e negligência ao longo da vida, sejam solteiras ou casadas.
 
 
TrustLaw, uma organização vinculada à fundação Thomson Reuters, qualificou a Índia como o pior lugar para se nascer mulher em todo o mundo. E isso se dá em um país no qual a líder do partido do governo, a presidente da Câmara de Deputados, três importantes ministras e muitos ícones dos esportes e dos negócios são mulheres.
 
Crimes em alta
 
Apesar do papel mais importante desempenhado pelas mulheres no país, crimes de gênero estão em alta na Índia. Em 2011 foram registrados 24 mil casos de estrupo – 17% só na capital, Nova Déli. O número é 9,2% maior do que no ano anterior. Segundo os registros policiais, em 94% dos casos os agressores conheciam as vítimas. Um terço desses eram vizinhos. Parte considerável era de familiares.
 
E não se tratam apenas de estupros. Segundo a policía, o número de sequestros de mulheres aumentou 19,4% em 2011 (em relação ao ano anterior). O aumento dos casos assassinato foi de 2,7%, nos de torturas, 5,4%, nos de assédio sexual, 5,8%, e nos de violência física, 122%.
 
Discriminação mortal
 
Segundo Amartya Sen, prêmio Nobel de Economia de 1998, mais de 100 milhões de mulheres desapareceram ou foram mortas em todo o mundo vítimas da discriminação. De acordo com os cálculos dos economistas Siwan Anderson e Debraj Ray, mais de dois milhões de indianas morrem a cada ano: cerca de 12% ao nascer, 25% na infancia, 18% em idade reprodutiva e 45% já adultas.
 
 
 
O estudo mostrou que mais mulheres morrem na Índia por ferimentos do que por complicações no parto. E esses ferimentos seriam um indicador da violência de gênero. Outro dado estarrecedor é o de 100 mil mulheres mortas por queimaduras.
 
Segundo os dois economistas, boa parte delas são vítimas de violência relacionada ao pagamento de dotes matrimoniais. Não raro, os agressores queimam as mulheres.
 
Sociedade patriarcal
 
Para os analistas, é preciso uma mudança estrutural nas atitudes da sociedade para que as mulheres sejam mais aceitas e tenham mais segurança na Índia. O preconceito de gênero é reflexo de uma sociedade de tradição patriarcal, ainda mais forte no norte do país.
 
Para os manifestantes que saíram às ruas após o estupro da jovem estudante de medicina, os políticos, inclusive o primeiro-ministro Manmohan Singh, não são sinceros quando prometem leis mais duras contra a violência de gênero.
 
Eles ainda questionam o fato de que 27 candidatos nas últimas eleições regionais eram acusados de estupro. Além disso, seis deputados respondem pelas mesmas acusações. Como crer, então, na classe política?
 
Ainda é cedo para saber se o governo realmente concretizará suas promessas de leis mais duras e julgamentos mais ágeis em casos de estrupo. Os protestos em Nova Déli, no entanto, parecem trazer alguma esperança de que algo poderá mudar, para o bem das mulheres indianas.

Continue lendo...


Fonte: guiame

sábado, 29 de dezembro de 2012

Faleceu o pastor João Kolenda, fundador do IBAD-Instituto Bíblico das Assembleias de Deus

Faleceu o pastor João Kolenda, fundador do Instituto Bíblico das Assembleias de Deus
Na tarde dessa sexta feira faleceu na cidade de Pindamonhangaba (SP) o pastor João Kolenda Lemos. Nascido em 18 de dezembro de 1922, Kolenda conhecido por ter sido um dos pioneiros na área de Educação Teológica das Assembleias de Deus no Brasil. O pastor foi também, o fundador do Instituto Bíblico das Assembleias de Deus (IBAD), juntamente com sua esposa, a missionária norte-americana Ruth Dorris Lemos.
 
De acordo com a CPAD News, o pastor trabalhou na CPAD (Casa Publicadora das Assembleias de Deus) no período de 1951 até 1955. E também cooperou com o missionário Lawrence Olson no início do programa de rádio “Voz das Assembleias de Deus”.
 
O pastor Kolenda deixa três filhos, nora, genros, oito netos, três bisnetos e milhares de ex-alunos que foram mentoreados por ele durante seus 71 anos de ministério pastoral. Seu sepultamento será neste sábado (29), no Cemitério Municipal de Pindamonhangaba, após culto de celebração por sua trajetória de vida.



Por Dan Martins, para o Gospel+
 
 

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Pesquisa ratifica maioria protestante nos Estados Unidos


Dados mostram que 77% dos 326 mil entrevistados confessaram-se cristãos

Pesquisa ratifica maioria protestante nos Estados Unidos
Definitivamente, os Estados Unidos da América formam um país de maioria cristã. Essa é a conclusão de uma nova pesquisa sobre religião, realizada pelo Instituto Gallup.

De acordo com os dados colhidos durante o levantamento, 77% dos 326 mil entrevistados confessaram-se cristãos, contra outros 20% que disseram não terem religião. Os 3% restantes são formados por adeptos do islamismo, judaísmo e outros.

Entretanto, no grupo dos não religiosos, 13% afirmaram frequentar algum culto ao menos uma vez por mês.

Na fatia de cristãos, 52% declararam-se protestantes, enquanto 23% se disseram católicos. Embora existam divergências sobre o mormonismo ser ou não uma religião cristã, a pesquisa considerou que os adeptos da seita faziam parte do grupo de cristãos, e somaram 2% do total.

O Instituto Gallup também levantou informações a respeito da prática de fé, e nesse quesito, os mórmons foram os que se declararam mais praticantes: 87% dos adeptos da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias afirmaram aplicar os princípios da religião em sua vida cotidiana, contra 79% dos protestantes, 78% dos muçulmanos e 70% dos católicos.

A frequência dos grupos religiosos aos cultos ou reuniões também foi liderada pelos mórmons: 81% disseram frequentar a igreja ao menos uma vez por mês, seguidos de 64% dos protestantes, empatados com muçulmanos, 64%, e 60% dos católicos, 34% dos judeus e 32% dos adeptos de outras religiões.

A pesquisa foi realizada entre os dias 02 de janeiro e 30 de novembro de 2012, e em resumo, apresentou uma queda de 1% no grupo cristão, e pouca mudança no cenário religioso do país, segundo informações do Christian Post.

Fonte: Gospel +
 
 

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Pesquisadores apontam uso de estratégias de marketing na administração da Igreja da Graça: “Opera exatamente como uma empresa”.

Pesquisadores apontam uso de estratégias de marketing na administração da Igreja da Graça: “Opera exatamente como uma empresa”. Leia na íntegra
Um estudo científico produzido para um artigo analisou a prática de estratégias de marketing na Igreja Internacional da Graça de Deus (IIGD), liderada pelo missionário R. R. Soares.
 
Confira abaixo, a íntegra do artigo científico sobre a aplicação de estratégias de marketing na administração da Igreja Internacional da Graça de Deus:

A utilização de princípios e conceitos de marketing é recente em organizações sem fins lucrativos. Segundo McCarthy e Perreault (2002) somente a partir de 1970 o marketing começou a ser amplamente reconhecido como um instrumento aplicável a todos os tipos de organizações sem fins lucrativos, públicas ou particulares – hospitais, faculdades, instituições beneficentes, organizações religiosas, grupos comunitários, associações profissionalizantes, movimentos sociais, grupos de autoajuda etc. Consideram ainda que algumas delas operam exatamente como uma empresa, mas diferente destas, as organizações sem fins lucrativos não mensuram o seu resultado final através do “lucro” e sim de medidas de sucesso a logo prazo tomadas para a consecução de seu objetivo, que é satisfazer a necessidade e o desejo de seu público alvo.
 
Para Boone e Kurtz (1998), essas organizações têm características intrínsecas, as quais têm forte influência nas suas atividades de marketing. Podemos citar como exemplo de organizações sem fins lucrativos as organizações civis ou não governamentais. Seu objetivo é desempenhar bem o que as organizações com fins lucrativos e entes da administração pública direta e indireta não fazem de forma correta (KOTLER; LEE, 2010).
 
A taxa de crescimento, a partir de 2000, das igrejas que pregam religião protestante no Brasil é de extrema importância para o estudo e discussão do marketing aplicado a essas organizações. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, no ano de 2000 já se contavam 26.184.942 evangélicos no país e uma taxa de crescimento anual de 7,43%. Esse número cresceu para 42.275.440 milhões em 2010, um crescimento de 61% em 10 anos. Em 2000, eles representavam 15,4% da população, já em 2010, chegaram a 22,2%, um aumento de cerca de 16 milhões de pessoas. A maior concentração está em Rondônia (33,8%), e a menor no Piauí (9,7%). Em contrapartida, religiões tradicionais como o catolicismo vêm perdendo adeptos. A redução no percentual de católicos ocorreu em todas as regiões, mantendo-se mais elevada no Nordeste (de 79,9% para 72,2% entre 2000 e 2010) e no Sul (de 77,4% para 70,1%). A maior redução ocorreu no Norte, de 71,3% para 60,6%, ao passo que os evangélicos, nessa região, aumentaram sua representatividade de 19,8% para 28,5%. Ainda assim, O número de evangélicos, no total de religiosos, só perde para o catolicismo que contam com 123.280.172 milhões da população brasileira, correspondendo a 64,63% do total, e fica à frente dos “sem religião” que tem 15.335.510 milhões.
 
Um dos grandes responsáveis por esse crescimento da comunidade evangélica no Brasil é um segmento do protestantismo chamado neopentencostal. Esse Fenômeno surgido a partir dos anos 1970, que se difere do pentecostalismo tradicional especialmente por estimular o fiel a buscar a prosperidade em lugar da graça. Para Romeiro (1996, p. 35) essa doutrina ensina que todo crente deve viver com muito dinheiro, morar em mansão, desfilar em carrões, ficar livre de qualquer tipo de enfermidade durante todo o tempo de sua vida. As igrejas desta categoria investem maciçamente em mídia eletrônica:
 
“Em sua corrida por espaços cada vez maiores na mídia eletrônica, as igrejas pentecostais e neopentecostais estão dando a interpretação mais radical à famosa frase de Marshall McLuhan, na esteira do sucesso mundial de seu livro, A Galáxia Gutenberg: o meio é a mensagem. Pelo menos no Brasil e nas ramificações que estão montando no exterior, essas igrejas não têm sua identidade na Bíblia. Pautadas pelas estratégias de marketing, elas antes oferecem produtos – diversificados conforme os diversos públicos salvos – do que anunciam a fé. Sendo-lhes, portanto, de mais-valia bandas de rock, de funk e de heavy metal, gravadoras, produtoras de vídeo e sobretudo estações de rádio e geradoras de TV, do que a Bíblia levada nas mãos pelos fiéis do protestantismo clássico para a participação nos cultos e escolas dominicais”. (Um Negócio Altamente Rendoso – O Estado de S. Paulo – 21.01.1999).
 
A Igreja Internacional da Graça de Deus conta 1983 igrejas espalhadas pelo território nacional e 33 igrejas distribuídas em países como África do Sul, Argentina, Espanha, Estados Unidos, Japão, México, Peru, Portugal e Uruguai. É uma das igrejas neopentecostais que mais crescem em visibilidade no Brasil. Para ter uma ideia, se gasta pelo menos 2,6 milhões de reais mensais para veicular programas na mídia eletrônica com a presença do seu fundador, Romildo Ribeiro Soares, conhecido como missionário R. R. Soares. Através desses processos midiáticos divulgam a sua base religiosa que são alicerçados na saúde e prosperidade.
 
2 TEMÁTICA E SUA JUSTIFICATIVA
 
Neste trabalho, cujo tema é Marketing em instituições sem fins lucrativos: um estudo sobre o marketing utilizado na Igreja Internacional da Graça de Deus, tem-se por objetivo analisar conceitos e princípios do marketing aplicado às estratégias da IIGD, discernindo o conceito de marketing religioso para essa utilização. Com o grande crescimento desta igreja nos últimos anos fica evidente a utilização de algumas estratégias para alcançar um número de fieis cada vez maior, pois seria impossível manter um crescimento ordenado durante tanto tempo, no entanto é necessário um processo de pesquisa para averiguação do uso da ciência do marketing com a finalidade de conquistar e fidelizar clientes nesta.
 
Vale resaltar a escassez da produção acadêmica voltada para essa questão, visto que a literatura do marketing brasileira gasta poucos esforços para entender a utilização de marketing em instituições religiosas, não dando atenção aos processos empresariais que essas desempenham na sociedade.
 
3 METODOLOGIA
 
A pesquisa foi realizada na cidade de São Luis – MA, durante o período de vinte de outubro a quatro de novembro de 2012. Além das fontes externas foram feitas entrevistas em duas unidades da Igreja Internacional da Graça de Deus: a sede, localizada na Av. Guaxenduba, nº 27, Centro e uma localizada na Avenida 203, S/N, Cidade Operária. Nestas unidades foram entrevistados vinte e oito fieis, três pastores e quatro obreiros (nome dado ao cargo de quem faz a obra de Deus dentro da igreja).
 
Para a análise dos dados e sua interpretação a abordagem utilizada foi a qualitativa, visto que o objetivo é identificar se a organização pesquisada faz ou não uso da ciência do marketing para atrair e reter fiéis.
 
Quanto ao tipo de pesquisa, o método utilizado foi a descritiva, de observação de fenômenos e da posterior descrição deles, comparando-os às teorias e analisando pontos fortes e fracos. Utilizaram-se questionários e entrevistas. As fontes aproveitadas para explicação deste trabalho foram pesquisas bibliográficas aprofundadas e concisas, com base em diversas publicações, desde livros, monografias, teses, pesquisas etc., disponíveis em bibliotecas e na internet, com o intuito de embasar teoricamente cada informação.
 
4 DESENVOLVIMENTO
 
4.1 Fundamentação teórica
 
De acordo com Kotler e Armstrong (2007) o marketing é o processo pelo qual as empresas criam valor para os clientes e constroem fortes relacionamentos com eles para capturar seu valor em troca, no entanto, esse conceito foi colocado com base em organizações empresariais, que visam lucro e tem o cliente como potencial financiador de suas atividades.
 
Para distinguir o marketing de maneira generalizada o autor resalta que marketing é o processo administrativo e social pelo qual indivíduos e organizações obtêm o que necessitam e desejam por meio da criação e troca de valor com os outros (KOTLER; ARMSTRONG 2007, p. 4). Esse conceito pode ser aplicado às organizações sem fins lucrativos, pois é através da troca de valores que esta desenvolve seu crescimento, sua necessidade, e oferecem recompensas no ambiente que está inserida, sejam elas de cunho material ou espiritual. Nessas organizações o marketing pode ser comparado ao processo eleitoral de um cargo chefe. Estas devem satisfazer as necessidades dos seus “clientes”, ou eles não continuarão a votar com seu dinheiro para a sobrevivência e o sucesso da organização.
 
Para entender o processo do marketing aplicado a sociedade, Philip Kotler (BAKER, 2005) ressalta que da mesma maneira que o marketing é utilizado para o estimulo das necessidades e desejos ao ponto de convencer as pessoas a comprar, ele pode ser aplicado para incentivar a comportar-se de maneira que trouxesse benefícios para a sociedade, como ajudar a melhorar a qualidade de vida dos indivíduos, resolvendo problemas relacionados a saúde pública, segurança, meio ambiente, espiritualidade etc. O marketing social não visa apenas o cidadão individual, mas também os responsáveis pelas políticas e grupos de interesse.
 
O marketing religioso é um campo do marketing social que pode ser conceituado como as estratégias mercadológicas de satisfação de necessidades e troca de valores dentro de organizações religiosas para angariar, reter e fidelizar pessoas que anseiam pelo equilíbrio espiritual. O marketing religioso é usado para divulgação de determinados produtos, conversão de membros para a igreja ou outras aplicações, utilizando variados meios de comunicação, tais como, mídia falada e escrita, praças públicas, templos e etc., tendo seus representantes como um instrumento eficaz no competitivo mercado religioso.
Segundo Patriota (2007) o ser humano, por estar insatisfeito com a sua forma de viver, busca ansiosamente por melhoria individual e procura algo que venha aprimorar ou solucionar seu estado atual. Pois, atualmente, o mundo é levado pela tecnologia e tem uma visão lógica e científica das coisas, dessa forma, o homem não consegue encontrar respostas e busca de alguma maneira suprir seu vazio interior, no caso, na religião. O consumidor, além de buscar a satisfação de suas necessidades, precisa, também, sentir-se especial. Essa exigência do consumidor tem feito com que as religiões se evoluam e busquem estratégias que supram a satisfação desse tipo de cliente que busca por “algo novo”. A autora resalta:
 
[...]Em um mundo capitalista, só os bons e capacitados estrategistas sobrevivem. Pautado em estratégias e argumentações, é que o discurso religioso na mídia tem impactado tanto uma população de potenciais consumidores da fé. Não é só a fé que está na “prateleira de vendas”, ela de fato, é um dos principais produtos das Igrejas “mercadológicas”, inclusive da Católica, mas é com as promessas de Salvação, de Prosperidade Terrena e de Vida Eterna, que o negócio religioso consegue decolar. A doutrina, os ensinos, as orientações, são itens apresentados apenas como meios práticos e concretos para se “adquirir” os produtos oferecidos. Produtos estes, que como a “prosperidade”, só tornam-se palpáveis na vida do fiel, quando literalmente ele “paga”[...]. (PATRIOTA 2010, p. 9).
 
Os fieis, assim como os consumidores, procuram satisfazer suas necessidades (fé) da melhor forma possível, tanto quantitativamente, quanto qualitativamente, logo essas necessidades são sanadas por uma oferta de mercado que Kotler e Armstrong (2007) definem como uma combinação de produtos, serviços, informações ou experiências, oferecida a um público alvo para satisfazer uma necessidade ou um desejo.
 
Com esse enfoque faz se necessário analisar o microambiente do marketing religioso, principalmente a vertente dos concorrentes, pois com a saturação, o mercado oferece um leque aprimorado de opções de doutrinas e denominações. Para obter sucesso, algumas igrejas oferecem mais valor e satisfação para os fieis do que os demais. Estratégias como um ambiente climatizado, recursos audiovisuais, comodidade, interação, acessibilidade aos portadores de necessidades especiais e até mesmo possibilidade de ascensão nos cargos dentro da igreja são oferecidos como diferenciais pelas denominações neopentecostais, em frente à igreja católica, por exemplo. Para a divulgação dessas estratégias uma das ferramentas mais usadas por essas instituições são depoimentos de fiéis, meios de comunicação como o rádio e televisão, revistas e jornais da organização, livros, músicas.
 
4.2 História da Igreja Internacional da Graça de Deus
 
Nascido em 06/12/1948 em uma pequena cidade no interior do Espírito Santo chamada Muniz de Freire, Romildo Ribeiro Soares (R. R. Soares) teve o seu primeiro contato com a mídia televisa ainda criança quando viu em uma vitrine de loja uma televisão e juntamente com ela uma multidão de pessoas completamente fascinada pelo que via através daquele objeto. Em relato próprio, o Missionário conta que naquele momento pediu ao Senhor em oração que lhe desse as oportunidades que ele usaria aquela nova invenção como meio de propagar a palavra e o Amor de Deus.
 
O missionário chega ao Rio de Janeiro em 1964, quatro anos após sua vinda começa sua verdadeira preparação espiritual onde o mesmo diz que recebeu o chamado de Deus, em 1968 foi para a igreja Nova Vida liderada pelo bispo Robert Maclister, casando-se com Magdalena e permaneceu até 1975. E é neste âmbito que conhece o seu cunhado Edir Macedo que se tornou seu assistente ao abrir a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), a realização do seu sonho de criança começa em 1977 quando ele inicia as suas obras de pregação em meio televiso na extinta TV Tupi.
 
Em 1978 após de divergências na forma de conduzir a IURD resolve deixar a igreja com Macedo, havendo então a cisão e, em 1980, iniciou a primeira Igreja Internacional da Graça de Deus no município de Duque de Caxias, RJ, na rua Dr. Lauro Neiva 32 e assim foi se expandindo pelo Rio de Janeiro.
 
Hoje a Igreja Internacional da Graça de Deus (IIGD) é vista como uma das igrejas midiáticas com maior visibilidade no campo nacional, divulgando assim a doutrina neopentecostal, baseada na “teologia da saúde e da prosperidade”, sendo bastante utilizada por outras igrejas da mesma segmentação.
 
5 PESQUISA E RESULTADO DAS OBSERVAÇÕES
 
Buscou-se analisar se a organização religiosa pode ou não fazer uso da ciência do marketing para a captação e retenção de fiéis. Para isso realizou-se primeiramente entrevistas composta por seis questões, abordando os seguintes aspectos: verificar se os componentes da igreja possuem conhecimento científico sobre o marketing que realizam dentro da igreja; identificar quais são as estratégias que utilizam para garantir a sustentabilidade da IIGD; identificar se a organização adota ações formais para captação e retenção de fiéis; verificar quem são os responsáveis pelas ações formais de captação da organização; existem dificuldades para a captação de novos fiéis e se existe um período estabelecido para o cumprimento de objetivos e metas; bem como, conhecer quais são as ações mais importantes em uma estratégia de captação de novos fiéis.
 
No momento inicial, os visitantes são abordados por integrantes da igreja antes mesmo de adentrarem ao templo, baseando-se em uma abordagem padrão pra quebrar o gelo com um provável cliente, o contato inicial é feito por um grupo de jovens se utilizando de citações bíblicas e aproveitando pra dar informações sobre a Igreja mais especificamente sobre o grupo a qual fazem parte, com isso a conversa flui normalmente e o mais importante, o grupo mantém o foco e o direciona as informações e as atitudes a serem tomadas pra convencer o cliente em potencial a tornar-se adepto. A igreja utiliza um comitê de evangelização para atrair novos fieis, introduzindo um conceito de venda pessoal da fé. Para Kotler e Armstrong (2007) a venda pessoal envolve uma comunicação pessoal, bilateral, entre o vendedor e os clientes individuais. O vendedor pode sondar os clientes para conhecer melhor seus problemas e então adaptar a oferta de marketing e a apresentação para que se ajustem as necessidades especiais de cada cliente. Resalta que a visão atual dos vendedores devem se preocupar com mais do que simplesmente realizar vendas – eles devem trabalhar com outras pessoas na empresa para produzir valor para o cliente e lucros para a organização.
 
O plano estratégico traçado pela IIGD, organizando seus cultos através de campanhas diárias, amplia a determinação do público-alvo, pois oferece várias temáticas, obtendo assim uma maior probabilidade de conquistar um novo consumidor de acordo com sua necessidade. Essas reuniões estão divididas em temas como família, causas impossíveis, reunião sentimental, prosperidade, reunião das mulheres, a busca pelo espírito santo e movimento jovem, atingindo assim todas as faixas etárias. Segundo McCarthy e Perreault (2002) o plano estratégico é traçado a partir das várias variáveis e caminhos combinados para a satisfação do cliente. Essa divisão resalta a segmentação de mercado utilizada por esta instituição, que para Kotler e Armstrong (2007),
 
“[...] o mercado é constituído de clientes, que diferem um dos outros de uma ou mais maneiras. Eles podem diferir em seus desejos, recursos, localizações e atitudes e práticas da compra. Por meio da segmentação de mercado, os profissionais de marketing devem dividir mercados grandes e heterogêneos em segmentos menores, que possam ser alcançados de maneira mais eficiente e efetiva com produtos e serviços que correspondem a suas necessidades específicas. [...]”
 
Na entrada da igreja encontra-se um imenso e impactante logotipo chamado “O alvo”, onde contêm quatro círculos em continuidade menores. No sentido de fora pra dentro, a maior linha é composta por palavras como restauração familiar, empreendimentos, bens necessários e dívidas pagas. Na segunda linha está transformação, prosperidade, casa própria, libertação. Na terceira linha estão realização sentimental e saúde. Na quarta linha está cura física e emocional. De acordo com Kotler e Armstrong (2007) deve-se adotar na criação de um logotipo algo visualmente concreto e de fácil entendimento, tendo como objetivo reforçar o projeto no mercado, fidelizar os clientes, atrair novos consumidores do produto além de criar um vinculo emocional com o público. Tendo em vista esses conceitos podemos ressaltar que com “O Alvo” a igreja atingiu veemente todos os temas propostos a fim de impactar e envolver o cliente com as missões espirituais propostas pela organização.
 
A sede é localizada em um ponto bastante estratégico, o que facilita a locomoção dos fiéis vindos de vários pontos da cidade. Segundo Boone e Kurtz (1998), para se tomar decisão referente à localização da organização é imprescindível que se conheça bem a região e o perfil dos clientes que ali residem. Na parte da frente da Igreja encontra-se uma placa com o nome e o logotipo desta. A estrutura física além do templo consiste em estacionamento interno e externo, salas para reuniões, sala de confraternização, espaço exclusivo para as crianças com salas de aula e banheiros.
 
Um diferencial na Igreja é a estratégias adotadas no atendimento ao cliente. Há sempre uma recepcionista disposta a tirar todas às duvidas sobre produtos e serviços disponibilizado pela organização, assim como horário de cultos e eventos. Essa qualidade de atendimento inclui uma variedade de atributos, tais como o uso eficaz de recursos, o acesso à tecnologia apropriada para suprir as necessidades e satisfação dos fieis. Para isso a igreja disponibiliza quatro telões em vários pontos do templo, ambiente climatizado e sistema de Iluminação e som de alto padrão e modernização.
 
Para prestar um atendimento de qualidade um dos mais visíveis e imprescindíveis é a estrutura física da organização, pois esta é considerada o cartão de visita da empresa, bem como um diferencial. A respeito da estrutura física Ribeiro (2010), ressalta a importância da estrutura e ambiente para a comodidade do cliente, sendo assim qualidade é a correção dos problemas e de suas causas ao longo de toda a série de fatores relacionados com marketing, projetos, engenharia, produção e manutenção, que exercem influência sobre a satisfação.
 
Próximo à finalização do culto existe o momento das contribuições que pode ser dividido em quatro etapas: Oferta do dia; Dízimo; Contribuição para ação ministerial; venda interna de produtos da igreja. Os três primeiros momentos não serão relacionados ao marketing por envolverem processos puramente religiosos, com embasamento na bíblia, mas serão descritos e explanados de acordo com a sucessão de acontecimentos. No instante da oferta do dia é realizado o apelo pelo pastor da igreja destinado aos fieis e visitantes para colaborarem com a obra de Deus com qualquer quantia, que “sentir no coração”. O dizimo é a contribuição obrigatória que todos os fieis devem pagar como retribuição do valor recebido no mês. Vale ressaltar que esse valor é depositado em envelopes contendo a logomarca da instituição, fazendo uma alusão a padronização do marketing. O valor percentual é 10% de todos os rendimentos. A contribuição para a ação ministerial envolve esforços financeiros para colaborar com algum tipo de missão proposta pelos pastores como a impressão de maior quantidade de jornais. A venda interna de produtos, que são definidos por Kotler e Armstrong (2007), como,
 
“[...] algo que pode ser oferecido a um mercado para apreciação, aquisição, uso ou consumo e que pode satisfazer um desejo ou uma necessidade. Produtos incluem mais do que apenas bens tangíveis. Definidos amplamente incluem objetos físicos, serviços, eventos, pessoas, lugares, organizações, ideias ou um misto de todas essas entidades. [...]”
 
da igreja é um dos momentos de contribuição que envolve vários conceitos de marketing. Existe uma estrutura da força de vendas por cliente, que segundo Kotler e Armstrong (2007) a organização prepara as forças de vendas de acordo com a linha de clientes. O tamanho dessa força de vendas interna é grande para o público que assiste ao culto, gerando uma venda em equipe. Como o autor relata, a igreja define qual a melhor maneira de armazenar, manusear e transportar seus produtos para que estejam disponíveis aos consumidores nos sortimentos certos, na hora certa e no lugar certo. Ainda segundo Kotler e Armstrong (2007) a efetividade da distribuição física e da logística tem grande impacto tanto sobre a satisfação do cliente quanto sobre os custos da empresa. Na hora da venda, esses produtos são oferecidos por várias linhas paralelas de obreiros e pastores ao redor dos fieis e visitantes da igreja enquanto o pastor principal fornece o conceito – versão detalhada da ideia expressa em termos que façam sentido para o consumidor (KOTLER; ARMSTRONG 2007, p. 235) – desses produtos. Quando os produtos ofertados são CDs ou DVDs, há ainda uma maior interação através de recursos audiovisuais que dão um pequeno aperitivo do tipo de produto que o cliente poderá comprar. As formas de pagamento é outro atrativo da IIGD, o cliente pode pagar a vista ou parcelado, pois há obreiros que circulam pela igreja com uma máquina de débito/credito online, caso o fiel não possua dinheiro em espécie no momento da compra.
Esses produtos são estabelecidos de acordo com as estratégias de desenvolvimentos de produtos postos pelo marketing, por departamentos de pesquisa e desenvolvimento inseridos em empresas da igreja como a Graça editora, que faz a edição de livros de autores internos, e a Graça Music, uma gravadora musical de artistas internos. Para Kotler e Armstrong (2007) essa geração de novos produtos é iniciada pelo o processo de geração de ideias ou brainstorming – busca sistemática de ideias que podem ser utilizadas – seguida pela seleção de ideias, desenvolvimento e teste do conceito, desenvolvimento da estratégia do marketing , análise do negócio , desenvolvimento do produto, teste de marketing até chegar na comercialização para o consumidor final. Na IIGD as fontes para geração de ideias de novos produtos são estritamente internas, pois além de servir como incentivo aos fieis, funcionando como um programa de desenvolvimento de talentos, o público alvo é praticamente interno. Esses produtos são os mais variáveis possíveis, há CDs, DVDs, livros, revistas, jornais, bíblias, jogos, cursos profissionais, cursos superiores, rádio, transmissores de televisão UHF e VHF e TV a cabo.
 
O Branding, conceituado por Kotler e Armstrong (2007), como a capacidade de criar e gerenciar marcas, é utilizado pela igreja. Segundo o autor, marca é um nome, termo, sinal, símbolo ou desenho que identifica o fabricante ou vendedor de um produto ou serviço, é uma característica utilizada em todos os produtos da IIGD. Seu logotipo, expresso em todos os produtos, é um mapa mundial, fazendo referência ao nome de Igreja Internacional, com uma cruz surgindo no Brasil e expandido para o mundo, alusão ao surgimento no Brasil e a política de expansão internacional, cercado abaixo por oliveiras para representar a cristandade. Outros atributos como rotulagem, embalagem e até mesmo serviços de apoio e assistência ao produto, como o SAC, também fazem parte do processo mercadológico da organização.
 
Além do momento de venda no culto, os produtos podem ser comprados em uma loja localizada no interior da igreja. Todas as linhas de produtos são ofertadas nesta loja.
 
Para a propaganda de seus produtos, cultos, eventos e reuniões a igreja dispõe de um canal, chamado RIT, que é transmitido em rede aberta de televisão no canal 20, onde a programação é totalmente voltada para o público da igreja. Tratando-se de processos midiáticos, o missionário R. R. Soares é o segundo pastor com maior número de horas de transmissão em rede aberta de televisão brasileira, perdendo apenas para o pastor Valdemiro Santiago . Possui também um horário comprado na rede Bandeirantes, onde apresenta o Show da Fé, uma espécie de programa que mostra artistas da igreja junto a pregações e louvores, em igrejas próprias ou em caravanas ao ar livre reunindo milhares de fieis. A propaganda tem o intuito de informar e persuadir pessoas. De acordo com Kotler e Armstrong (2007) a televisão possui boa cobertura de mercado de massa, baixo custo por exposição, combina imagem, som e movimento apelando para os sentidos, no entanto, não apresenta seletividade de público, alto custo absoluto, e um nível de saturação muito alto. Além do canal, a igreja possui uma rede de televisão digital por assinatura, onde todos os canais tem cunho religioso e oferece uma programação com vasto conteúdo neopentencostal, uma rádio nacional e um conglomerado de sites, tudo com o objetivo de angariar e fidelizar o maior número de fieis e vender a maior quantidade de produtos.
 
A comunicação utilizada pela IIGD tem base no preceito da gestão do relacionamento com os clientes ao longo do tempo. Este tipo de comunicação adota o conceito definido por Kotler e Armstrong (2007) de comunicação integrada de marketing, segundo o qual a empresa integra e coordena cuidadosamente seus diversos canais de comunicação para transmitir uma mensagem clara , consistente e atraente sobre a organização e suas marcas, isso favorece que a mensagem da igreja seja entendida por um público grande, fazendo da comunicação midiática a maior divulgadora de ações da IIGD.
 
O marketing de mala direta conceituado por Kotler e Armstrong (2007) como ato de enviar uma oferta, anúncio, lembrete ou outro item a uma pessoa em determinado endereço usando listas de e-mail altamente seletivas é utilizado pela IIGD para oferecer os produtos que estão à venda online. Essa ferramenta é bastante adequada para a comunicação direta (one-to-one), pois permite seletividade de mercado alvo, podendo até mesmo ser personalizada, com nomes individuais, por exemplo, e possibilita mensurar os resultados facilmente.
 
A escolha para abertura de uma nova igreja é estudada demograficamente. Essa distribuição ocorre nos bairros mais populosos das cidades, bairros de periferia, como no caso de São Luís que existe igrejas distribuídas entre os bairros Vila Embratel, João de deus, São Raimundo, Tirirical, Parque Universitário, Cohab, Cidade Operária e Anjo da Guarda, e uma sede localizada no centro da cidade.
 
Outro campo do marketing para a divulgação de produtos, data e horário das reuniões, endereços, e assuntos relacionados ao cotidiano da IIGD é um marketing digital. Neste cenário percebe-se um investimento maciço. A rede digital da igreja possui quatorze sites, redes sociais como facebook, twitter e blogs, que dão aparato de investimento voltado para essa área. O domínio de marketing online utilizado é o B2C – Business to consumer – que para Kotler e Armstrong (2007) é a venda online de produtos e serviços aos consumidores finais. Com a globalização da internet, gerada por avanços tecnológicos e políticas de incentivo a inclusão digital, esse mercado torna-se cada vez maior, com grande variedade de clientes e um nicho totalmente segmentado, por isso, a IIGD oferece várias linhas de produtos de acordo com o público alvo de seus sites.
 
O mais acessado é o ongrace.com, pois este funciona como plataforma central que oferece as informações sobre a agenda do missionário e da caravana Show da Fé, doações, história da igreja e seus respectivos endereços, cursos, mensagens, pedidos de orações, reflexões , alguns links multimídias que disponibilizam vídeos, galeria de fotos e um canal de TV online. Além de todos esses recursos interativos oferece hiperlinks para os sites da Caravana Show da Fé, Agrade, Turminha da graça, Canal CJC, Faculdade do Povo, Graça Editorial, Graça Filmes, Graça Music, Jornal Show da Fé, Nossa Rádio, Nossa TV, RIT TV, USEM e Superior Technologies in Broadcasting.
 
Esse investimento faz-se necessário, pois com o crescimento deste mercado, os consumidores estão cada vez mais informados e buscando os produtos de acordo com suas necessidades, mas vale resaltar que mesmo oferecendo acessibilidade, um conteúdo vasto e portfólio rico em produtos, online, o corpo de fieis da igreja ainda utilizam a própria igreja como o maior meio de comunicação das atividades e produtos da IIGD, como mostra o gráfico a seguir:
 
Gráfico 01 – Distribuição de obtenção de informações e produtos e seus meios.
 
Pesquisa realizada em 04/11/2012
 
6 CONSIDERAÇÕES FINAIS
 
De acordo com a pesquisa realizada, observou-se que a proposta inicial da temática foi cabível ao ambiente de pesquisa, pois a intenção era verificar os princípios e conceitos do marketing aplicados a instituição sem fins lucrativos Igreja internacional da Graça de Deus. Descrevendo a análise dos dados coletados, verificou-se a importância do marketing não apenas nas empresas, mas também em organização como a IIGD, pois esta necessita de sustentabilidade e ordem de crescimento assim como uma empresa. Para isso é necessário desenvolver uma plano de estratégia fundamentado nos objetivos que a organização deseja alcançar, no caso da IIGD, a angariação, fidelização e recepção de novos clientes (fieis).
 
Aspectos como abordagem de vendas, mix de produtos, marketing digital, segmentação de mercado, propaganda, processos midiáticos, estratégias mercadológicas, conceitos de logística, apreciação visual do ambiente físico e dos produtos, posição demográfico, tudo isso com o intuito de oferecer satisfação às necessidades dos clientes, foram aspectos constatados na igreja pelas observações realizadas e descritas neste artigo.
 
Finalizando, vale resaltar que em frente a globalização faz-se necessário um processo de desenvolvimento de um trabalho voltado para o marketing de toda e qualquer tipo de organização, visto que, com o advento do capitalismo, somente estarão fazendo parte do processo, as instituições que oferecerem de alguma forma a troca de valores com seus clientes, e essa troca, com a saturação, tornou-se necessário oferecer além da simples satisfação de necessidades e desejos.
 
7 REFERÊNCIAS
 
BAKER, Michael J. Administração de marketing. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
BOONE, Louis E.; KURTZ, David L. Marketing contemporâneo. 8. ed. Rio de Janeiro:
LTC, 1998
EM profundidade evangélicos. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2012
HISTÓRIA da igreja. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2012.
KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Gary. Princípios de Marketing. 12. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.
KOTLER, Philip; LEE, Nancy R. Marketing contra a pobreza: as ferramentas da mudança social para formuladores de políticas, empreendedores, ongs, empresas e governos. Porto Alegre: Artemed, 2010.
NÚMERO de católicos cai e aumenta o de evangélicos, espíritas e sem religião. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2012.
PATRIOTA, Carla Regina Macena. Fé na prateleira de vendas: a sedução do marketing religioso. 2007. 15 f. Artigo (Doutoranda em Sociologia e Mestre em Comunicação) Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2012.
PERREAULT, D. William; MCCARTHY, E. Jerome. Princípios de marketing. 13. ed. Rio de janeiro: LTC, 2002.
RELIGIÕES no Brasil em 2010. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2012.
ROMEIRO, Paulo. (1996), Evangélicos em crise. São Paulo, Mundo Cristão.
 
 
Por Tiago Chagas, para o Gospel+
 
 

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Você já criou suas metas espirituais para 2013? Aprenda como fazer!

Quando o ano está terminando, e consequentemente outro começando, é comum as pessoas fazerem planos e traçarem suas metas para o novo ano que iniciará. As metas mais comuns são na área financeira, amorosa, familiar, profissional. Como discípulo de Jesus Cristo, não posso acreditar que discípulos de Jesus ajam fazendo apenas planos financeiros ou voltados ao consumo e suas necessidades pessoais de crescimento, visando única e exclusivamente o seu “eu”. Sou totalmente a favor e incentivo muito que os discípulos de Jesus tenham também seus planos espirituais muito bem definidos e traçados. Isso é totalmente possível e muito necessário!
 
Isso significa parar por alguns minutos e pensar espiritualmente no que está ocorrendo em sua volta, trazer à memória o que diz a Palavra de Deus e tomar posturas concretas em forma de planos a se cumprir no decorrer dos dias. Em minha opinião, um bom planejamento espiritual deve contar com os seguintes tópicos:
Já criou suas metas espirituais para 2013? Aprenda como!
MINHA VIDA ESPIRITUAL

Muitos naufragam em seus planos espirituais porque se esquecem de que são o maior patrimônio de seus planejamentos. Ou seja, planejam muitas coisas e se esquecem do principal: precisam cuidar de si mesmos. Assim, o primeiro ponto de um bom planejamento na área espiritual deve contemplar sua própria vida. Penso que esse planejamento deva contemplar pelo menos três importantes áreas:
 
Leitura bíblica: Você deve ter um plano diário de comunhão com Deus através da leitura da Bíblia. A Palavra de Deus é chamada de alimento. Ou seja, sem ela você irá ficar doente espiritualmente e sem condições de avançar em bons planos espirituais. Faça um plano de leitura bíblica e cumpra. Não sabe como fazer? Já ensinamos aqui no blog a criar seu próprio plano de leitura bíblica e também trouxemos um artigo com planos de leitura prontos para você usar, no artigo 6 planos de leitura bíblica super legais.
 
Oração: A oração é uma espécie de fortificante para nossa alma. Ela é uma ferramenta que nos liga profundamente a Deus e, junto com a Palavra de Deus, nos fortalece e nos prepara para aguentarmos o “tranco” de sermos fervorosos espiritualmente para cumprir nossas metas espirituais. Ela esteve presente em grande escala na vida de todos os grandes servos de Deus da Bíblia e é um caminho sobremodo excelente para que alguém esteja forte espiritualmente. Assim, faça seu plano de oração diária. Escrevemos aqui um ótimo artigo mostrando como falar com Deus e também falamos sobre os inimigos da oração e como vencê-los.
 
Jejum: Atualmente o jejum está meio em desuso, principalmente entre os jovens. Uma pena! Porém, ele é bíblico e também é uma poderosa ferramenta de fortalecimento e preparo espiritual. Um bom plano de jejuns é imprescindível a um servo de Deus que queira estar preparado para boas obras. Assim, você pode, desde já, estabelecer um cronograma de quando fará seus jejuns no próximo ano. Simples! Já escrevemos aqui um artigo respondendo a uma dúvida de uma leitora sobre se podemos fazer jejum de chocolate, de TV, etc. Você pode lê-lo para se aprofundar sobre a questão.
 
 
OLHANDO E PLANEJANDO PARA FORA
 
Agora que você já tem seus planejamentos espirituais prioritários, sua base, certamente estará bem nutrido e preparado para as boas obras que o Senhor preparou para você. Então, é hora de pensar um pouco “fora da caixa”, olhar para fora. Creio ser importante nesse ponto que você avalie sua vida, sua rotina, sua família e consiga encontrar algum tempo para dedicar-se mais profundamente ao evangelho e suas implicações. Nesse sentido, comece pelo que acha que pode fazer como discípulos de Jesus. Vou dar alguns exemplos para ilustrar:
 
- Vou me colocar à disposição pelo menos uma vez por semana para visitar irmãos afastados, pessoas enfermas, idosos, pessoas que precisam ouvir do evangelho.
 
- Vou me dispor diante da liderança da minha igreja para colaborar em algum ministério do qual eu tenha o dom para participar.
 
- Vou orar e me dispor para evangelizar colegas e gastar tempo com o discipulado deles.
 
- Vou marcar presença e colaborar, participando dos trabalhos “a”, “b”, e “c” que a igreja promove.
 
- Vou me organizar e começar a ofertar em missões e em projetos para o reino de Deus (projetos sérios, é claro)
 
- Etc…
 
Busque em Deus que Ele te indique a esfera de ação que Ele preparou para você. Esteja preparado e se prepare todos os dias para o trabalho para o reino de Deus!
 
CONCLUSÃO
Com muita simplicidade você poderá fazer um bom planejamento com boas metas espirituais para 2013. Mas antes de traçar essas metas, avalie como você está hoje, como esse ano de 2012 foi para você, o que precisa melhorar, o que precisa continuar, o que precisa ser cortado. Tenha os pés no chão e lembre-se que você também precisa contemplar em seus planos a sua família, o descanso, o lazer e outras coisas que julgar importantes. Mas, como disse Jesus, priorize o reino de Deus e as outras coisas, necessárias, serão acrescentadas com abundância pelo próprio Deus.
 
 

Por André Sanchez

domingo, 23 de dezembro de 2012

Papa condena casamento gay em discurso de Natal

 


A rejeição do papa ao casamento gay tomou novos patamares nesta sexta-feira, 21. Bento XVI denunciou o que descreveu como pessoas que manipulam o gênero dado por Deus para adaptar suas opções sexuais, destruindo a "essência do ser humano" no processo. O líder religioso fez os comentários hoje em seu discurso anual de Natal para os agentes administrativos do Vaticano, uma das falas mais importantes do ano, que ele dedicou neste ano à promoção dos valores familiares.
 
Durante o discurso, Bento citou o rabino chefe da França ao dizer que a campanha para conceder direitos de casamentos aos homossexuais era "um ataque" à família tradicional composta de pai, mãe e filhos. O papa também incluiu denúncias ao casamento entre pessoas do mesmo sexo em sua mensagem de paz divulgada recentemente, quando disse que o casamento gay, assim como o aborto e a eutanásia, era uma ameaça à paz mundial.

Bento XVI disse que a teoria dos gêneros, que "é apresentada como uma nova filosofia de sexualidade", é uma "falácia". Segundo ele, contém erros profundos ao negar que o homem nasce homem ou mulher, manipula a natureza e compromete a dignidade da família e dos homens.

 
O tema já havia gerado polêmica no início do ano, quando o papa afirmou que o casamento gay era "ameaça ao futuro da humanidade". Na ocasião, ele havia afirmado que "políticas que sabotam a família ameaçam a dignidade e o futuro da própria humanidade".
 
As informações são da Associated Press.

Fonte:http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,papa-condena-casamento-gay-em-discurso-de-natal,976528,0.htm

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

'Bíblia gay' é prova de que qualquer um pode distorcer a verdade que lhe ofende, comenta teólogo



Por Luana Santiago | Correspondente do The Christian Post

Uma Bíblia chamada “Queen James”, que foi lançada com o objetivo de eliminar as discussões acerca do homossexualismo, causou polêmica entre os evangélicos no Brasil.

Em entrevista ao The Christian Post, o pastor e teólogo Augustus Nicodemus comenta sobre o tema e questiona “quantos versículos precisamos para reconhecer que Deus aborrece alguma coisa?”

Nicodemus refere-se ao argumento dos idealizadores da ‘Bíblia gay’ que dizem que entre milhares de versículos no livro sagrado apenas 8 interpretam o homossexualismo como pecado.

A nova versão da Bíblia tem o nome ‘Rainha James’ para sua versão baseado na história do Rei James da Inglaterra, que autorizou a primeira tradução da Bíblia para o inglês mais de 400 anos atrás.

Os ativistas gays alegam que James era bissexual e que apesar de ser casado possuía relacionamentos homossexuais, ficando conhecido como ‘Rainha James’ por pessoas mais próximas.

No entanto, a fim de esclarecer esta questão, o teólogo Augustus Nicodemus explica que na verdade a referência a James como ‘Rainha James’, baseia-se num epigrama da época, "Rex fuit Elizabeth, nunc est regina Jacobus".

O termo significa "Elizabeth era o rei e agora James é a rainha" e era uma piada sobre o fato de que o Rei James era pacífico e tranquilo enquanto que sua esposa Elizabeth era agitada e autoritária.

“Não havia qualquer insinuação de homossexualidade na frase, que visava apenas debochar da passividade do Rei James”, disse ele ao CP.

De acordo com o teólogo, o Rei James era um cristão comprometido, erudito e muito capaz teologicamente. Além disso, ele diz que o fato de que muitos de seus amigos mais próximos eram homens jovens deu origem à especulação quanto à sua sexualidade.

No entanto, Augustus revela que em um trabalho teológico escrito pelo Rei James ("Basilikon Doron"), o próprio coloca a sodomia entre os pecados que jamais deveriam ser perdoados.

Ele ainda comenta a reivindicação dos idealizadores da Bíblia Rainha James quanto a palavra "homossexualidade" que só foi mencionada na Bíblia RSV (Revised Standard version) a partir de 1946 e que antes disto não havia menções, apenas interpretações. Para esta questão, ele leva a uma reflexão com uma pergunta, “em que estas interpretações se baseiam?”

Para o teólogo, não haveria outra forma de interpretar alguns versículos como a passagem de Levíticos 18:22 que diz “Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação”.

Ele cita também Romanos 1:26-27 que diz “Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro”.

Todas as versões da Bíblia que ele conhece, Nicodemus afirma, condena o ato sexual entre pessoas do mesmo sexo. E indaga, “estariam todas elas erradas?”

“Todas as traduções que eu conheço - francês, holandês, alemão, espanhol, inglês e português (disponíveis no BibleWorks8) - verteram estas passagens de modo a dar a entender que o que está sendo condenado é exatamente as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo. Sabemos os nomes e as qualificações acadêmicas de seus editores, mas isto não aparece na ‘Bíblia Queen James’."

Augustus, finalmente, lamenta as afirmações dos editores desta nova versão da Bíblia e diz que tal proposta revela claramente o caráter ideológico desta tradução.

“A ‘Queen James’ é o tipo de publicação que autoriza qualquer um a editar uma Bíblia amenizando ou distorcendo as passagens que lhe ofendem”.

Especialista afirma que previsão feita no calendário maia sobre o fim do mundo é “o maior cavalo de Tróia da história”. Leia na íntegra

Especialista afirma que previsão feita no calendário maia sobre o fim do mundo é “o maior cavalo de Tróia da história”. Leia na íntegra
Um estudo sobre as dúvidas envolvendo o dia 21/12, dividido em duas partes, foi preparado pelo colunista do Gospel+, Luiz Fernandes, especialista em estudos do Apocalipse.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
 
No primeiro artigo sobre o tema, Luiz Fernandes afirma que “o verdadeiro perigo que satanás, o grande enganador, tem habilmente escondido de todos, não é o que acontecerá nessa data e sim o plano cruel que ele colocará em ação, após essa data!”.
 
O colunista afirma que “satanás sabe de antemão que, nenhuma das catástrofes previstas e alardeadas pelos meios de comunicação vão acontecer (pelo menos não nessa data), e com isso, mais uma vez conseguirá lançar grande descrédito e confusão sobre o tema ‘fim do mundo’”.
 
Fernandes entende que as especulações sobre as previsões do calendário maia são na verdade, um “cavalo de Tróia”, por fazer as pessoas acreditarem que o mundo nunca acabará: “Ao amanhecer do dia 22/12/2012, bilhões de pessoas em todo o mundo concluirão que 21/12/2012 foi uma grande piada e darão continuidade as suas vidas como se nada tivesse acontecido sem perceber o grande perigo que está por detrás de tudo isso!”.
 
O colunista complementa o raciocínio: “qual o Verdadeiro Propósito de Satanás em Fazer Isso? [...] Confundir e desacreditar principalmente as profecias bíblicas do Apocalipse sobre os acontecimentos finais da terra, mais especificamente as 7 trombetas que estão muito prestes a se cumprir”.
 
- Portanto o ano de 2012 e sua data fatídica foram o “maior cavalo de Tróia” de todos os tempos, um verdadeiro “presente grego” para nos distrair e tirar a nossa atenção daquilo que realmente está por vir – alerta Fernandes.
 
Confira a íntegra do artigo “21 de dezembro de 2012: ‘O maior cavalo de Tróia da história’. Saiba qual o perigo que nos aguarda – Parte 1”, de Luiz Fernandes, neste link.
 
Saiba mais sobre o trabalho de Luiz Fernandes acessando o site oamanhahoje.com.



Por Tiago Chagas, para o Gospel+
 
 

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Fim do Calendário Maia: pânico se espalha pelo mundo todo

Fim do Calendário Maia: pânico se espalha pelo mundo todo Fim do Calendário Maia: pânico se espalha pelo mundo todo

Não importa o quanto os governos e especialistas desmintam a possibilidade de o mundo acabar dia 21 de dezembro, teorias divulgadas na Internet tem gerado pânico em vários lugares do mundo.
 
Até mesmo a NASA já desmentiu a possibilidade, mas muito se fala sobre o mítico planeta Nibiru, que poderia se chocar contra a Terra.
 
O pico Bugarach, uma montanha de 1.231 metros situada no sul da França, onde vivem 188 pessoas, é apontada como um dos únicos lugares seguros do mundo. O pequeno povoado, aos pés do maciço de Corbières e dos Pirineus, seria uma espécie de “pista de aterrissagem” para uma nave de extraterrestres. Segundo movimentos da Nova Era, eles poderão salvar algumas pessoas que estiverem no local. Embora o prefeito já tenha avisado que não quer “turistas apocalípticos”, há quem peça na internet 2,5 mil euros por barracas e tendas de campanha que podem ser instaladas nas florestas próximas ao refúgio e até mesmo a oferta de um “bunker” no local por 25 mil euros.
 
Segundo o relatório de 2010 da comissão francesa de luta contra as seitas, Miniviludes, “os adeptos do pico Bugarach propagaram diversas hipóteses ligadas às teorias apocalípticas: terremotos, tsunamis, inversão dos pólos magnéticos, aumento da atividade solar e a colisão com o planeta Nibiru”.
 
Ron Hubbard, que fabrica abrigos subterrâneos para sobrevivência de furacões, disse ter visto uma explosão no seu negócio. “Passamos de um por mês para um por dia”, disse. “Eu não tenho uma opinião formada sobre o calendário maia, mas quando os astrofísicos começaram a vir, comprar meus abrigos e me dizer para estar preparado para erupções solares, radiação, pulsos eletromagnéticos… Decidi que vou ficar debaixo da terra do dia 19 até o dia 23. é melhor me prevenir, caso algum deles esteja certo”. Os abrigos fabricados pela Atlas, empresa de Hubbard, devem ser enterrados a, no mínimo, 8 metros de profundidade e o mais barato sai por 15 mil dólares.
 
Na Rússia viu pessoas em Omutninsk, na região de Kirov, correndo para comprar querosene e suprimentos depois de um artigo de jornal, supostamente escrito por um monge tibetano, confirmou o fim do mundo para dia 21. Em Barnaul, perto das montanhas de Altai, os moradores compraram todas as lanternas e garrafas térmicas disponíveis no mercado.
 
Dmitry Medvedev, o primeiro-ministro russo, chegou a falar sobre a situação na TV, tentando acalmar a população.
 
Na China, que não tem um histórico de preocupação com o fim do mundo, testemunhou uma onda crescente de paranóia sobre o apocalipse desde o lançamento do filme “2012″, três anos atrás. Como o longa foi um sucesso na China, os telespectadores parecem ter assimilado a mensagem de que algo terrível ocorrerá com a humanidade. Na província de Sichuan, por exemplo, nos últimos dias houve uma corrida às lojas para se comprar velas. O motivo seria uma mensagem divulgada na rede social Sina Weibo (similar ao Twitter) sobre os “três dias de escuridão” que a Terra enfrentará a partir do dia 21. Em vários supermercados da região acabaram os estoques de velas.
 
Enquanto isso, no México, local da antiga civilização maia, esse “tempo do fim” está sendo encarado como uma boa oportunidade de lucro. O país divulgou que o turismo quase dobrou na região este ano e centenas de eventos serão realizados para comemorar o “apocalipse maia”.
 
Pedro Celestino Yac Noj, um sábio maia, afirma que apenas queimará sementes e frutos para marcar o fim deste calendário, em uma cerimônia especial. Mas ele explica: “O dia 21 é para dar graças e o 22 saúda um novo ciclo, um novo amanhecer.” Com informações de Telegraph.
 
 
Fonte: gospelprime

Pesquisa mostra que após cristãos e mulçumanos, sem-religião são 3º maior grupo no mundo

Pesquisa mostra que após cristãos e mulçumanos, sem-religião são 3º maior grupo no mundo
Os resultados do primeiro relatório Global Religious Landcaspe (Panorama Global da Religião) apontam que o grupo dos que se declaram ateus, agnósticos ou sem religião já é o terceiro em todo o mundo, ficando atrás apenas dos que se dizem cristãos ou muçulmanos.
 
A pesquisa foi realizada com dados de quase todo o planeta e organizada pelo Fórum Pew sobre Religião e Vida Pública, parte da organização independente Centro de Pesquisas Pew, em Washington.
 
As pessoas que se declaram ateus, agnósticas ou não filiadas a alguma religião formam 16,3% da população mundial, ficando atrás apenas dos 31,5% da população mundial que se consideram cristãos (incluindo católicos romanos, ortodoxos e protestantes), e dos muçulmanos (sunitas e xiitas), com 23,2% do total.
 
Em seguida aparecem hindus, 15%, budistas (7,1%), seguidores de religiões étnicas ou folclóricas (5,9%) e judeus (0,2%).
 
Segundo a BBC, a pesquisa mostra que no Brasil, 7,9% dizem não ter religião ou não acreditar em divindade, sendo que 88,9% se declaram cristãos. Cerca de 2,8% dos brasileiros dizem pertencer a religiões étnicas, como o candomblé. Outros grupos, como judeus e muçulmanos, são menos de 1%.
 
Na China, 52,2% estão no grupo dos não religiosos. A maior parte dos que se declaram ateus, agnósticos ou sem religião estão em países comunistas ou ex-comunistas, onde tradicionalmente a religião não foi vista com bons olhos, como em Cuba, onde são 23% da população.
 
O país menos religioso na América Latina, segundo o estudo, é o Uruguai, com 40,7% da população dizendo não pertencer a nenhuma denominação. Entre eles está o presidente do país, José Mujica, que se diz agnóstico.


Por Dan Martins, para o Gospel+